Repositório Digital

A- A A+

Em defesa da cristandade : Tomás de Aquino e o conceito de "bem comum" na Suma teológica

.

Em defesa da cristandade : Tomás de Aquino e o conceito de "bem comum" na Suma teológica

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Em defesa da cristandade : Tomás de Aquino e o conceito de "bem comum" na Suma teológica
Autor Fontoura, Odir Mauro da Cunha
Orientador Teixeira, Igor Salomão
Data 2016
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em História.
Assunto Bem comum : Idade média
Filosofia e Teologia
Filosofia medieval
Heresias : Idade média
História medieval
Igreja católica : Idade média
Inquisição : Idade média
Tomás, de Aquino, Santo, 1225?-1274
Tomás, de Aquino, Santo, 1225?-1274. Summa theologiae = Suma teológica
[en] Aquinas, Thomas
[en] Common good
[en] Heresy
[en] Middle ages
Resumo Esta dissertação tem por tema o conceito de “bem comum”, tal como é compreendido por Tomás de Aquino em sua obra magna, a Suma Teológica. Teve-se por objetivo analisar as relações deste conceito tanto com a teologia quanto com o direito canônico do séc. XIII, saberes que embasam e legitimam as discussões sobre o bem comum na sociedade medieval. Também objetivou-se articular as reflexões de Tomás de Aquino ao desenvolvimento da Inquisição na Idade Média central. No primeiro capítulo, foi analisado como este conceito é entendido pelo teólogo e como está localizado na Suma, em outras palavras, quais são as outras reflexões que orbitam ao redor da questão do “bem comum” para Tomás. Nesse sentido, para entender as reflexões teológicas e jurídicas que embasam a concepção tomista de bem comum no séc. XIII, com o auxílio da metodologia da história intelectual, foi possível fazer um mapeamento na obra para verificar quais são as referências de autoridade (auctoritas) para o teólogo, sendo possível questionar: quem Tomás de Aquino cita ao falar sobre este conceito? Assim, filiando o Aquinate a uma tradição intelectual que remonta tanto a Agostinho quanto a Aristóteles, foi possível verificar qual é a inovação deste teólogo no debate em relação aos seus antecessores. No segundo capítulo, foi possível compreender que o conceito de bem comum está intimamente ligado às discussões de Tomás a respeito do pecado, da heresia, do lugar do herege na sociedade e sobre como e porquê ele deve ser exterminado da civitas. Situando a posição de Tomás a respeito do bem comum ao estabelecimento progressivo da Inquisição na Idade Média central, foi possível perguntar: Tomás de Aquino representa a Igreja na segunda metade do séc. XIII? Tal questionamento revelou que Tomás não é um representante unilateral da reforma que a Cristandade empreende no período. No último capítulo, o conceito de bem comum, conforme Tomás de Aquino, também foi associado ao desenvolvimento de uma sociedade perseguidora no séc. XIII, o que permitiu tanto refletir sobre uma “nova” espiritualidade que entra em vigor com a atuação dos mendicantes na civitas quanto, a partir de um exercício de antropologia escolástica, ver como Tomás, a exemplo dos seus pares, enxergava a comunidade cristã na qual estava inserido. Através da criação de uma categoria conceitual, a civitas christiana, foi possível entender que – pelo menos para Tomás de Aquino –, apesar da perseguição institucional empreendida, o lugar do herege na Idade Média não é fora da sociedade cristã, mas ao contrário, tendo funções a desempenhar nessa communitas, seu lugar é dentro dela.
Abstract The subject of this dissertation is the concept of “common good”, as understood by Thomas Aquinas in his magna opera, the Summa Theologica. One goal was to analyze the relationship of this concept with both the theology and in canon law of the XIIIth, knowledge that support and legitimize discussions of the common good in medieval society. Also aimed to articulate the thoughts of Thomas Aquinas to the development of the Inquisition in the Central Middle Ages. In the first chapter, was intended to analyze how this concept is understood by the theologian and as it is located in the document, in another way, what are the other reflections that orbiting the question of “common good” for Aquinas. In this sense, in order to understand the theological and juridical considerations underpinning the Thomist conception of the common good in XIIIth century with the help of the methodology of intellectual history, it was possible to map the work in order to verify what are the authority of references (auctoritas) to the theologian and, therefore, to question: who Aquinas quotes when talking about this concept? Wherefore, affiliating Aquinas to an intellectual tradition that dates back as far as Aristotle to Augustine, it was possible to find what is the innovation of this theologian in the debate over its predecessors. In the second chapter, from these issues, it was possible to understand that the concept of common good is closely linked to Aquinas’s discussions about sin, heresy, heretic’s place in society and how and why it should be destroyer from the civitas. Situating Aquinas’s position on the common good to the progressive establishment of the Inquisition in the Middle Ages central, it was questioned: Is Thomas Aquinas representative of Church in the second half of XIIIth century? Such questioning illustrated that Thomas is not an unilateral representative of reform that Christianity undertakes the period. In the last chapter, the concept of the common good, according Thomas Aquinas, was also associated with the development of a persecuting society in the XIIIth, which allowed both reflect about a “new” spirituality which takes effect with the activities of mendicants in the civitas as well as an exercise in scholastic anthropology, see how Aquinas, like its peers, understand the Christian community in which he was inserted. By creating a conceptual category, the civitas christiana, was possible to understand that – at least for Aquinas –, despite the undertaken institutional persecution, the place of the heretic in the Middle Ages is not “out” of Christian society, it’s the opposite, having duties in this communitas, their place is in it.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/140297
Arquivos Descrição Formato
000990919.pdf (1.341Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.