Repositório Digital

A- A A+

Freud e o Dichter, ou "por que a literatura?"

.

Freud e o Dichter, ou "por que a literatura?"

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Freud e o Dichter, ou "por que a literatura?"
Autor Rocha, Jeferson Mello
Orientador Milano, Luiza Ely
Co-orientador Moschen, Simone Zanon
Data 2015
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de. Curso de Letras: Licenciatura.
Assunto Criação literária
Freud, Sigmund, 1856-1939
Literatura e Psicanálise
Poeta
Resumo Em O escritor e a fantasia (1908), conferência de Sigmund Freud sobre a criação literária, duas perguntas são feitas a respeito da natureza do trabalho do Dichter (o escritor, o poeta, o criador literário): “de onde esta singular personalidade, o escritor, retira o seu material [...] e como logra nos tocar tão fortemente com ele, provocando em nós emoções de que talvez não julgássemos capazes [?].” Freud estabelecerá uma linha de continuidade que vai da brincadeira infantil para a fantasia, das fantasias para os sonhos noturnos e os devaneios, dos devaneios para a criação literária, e da criação literária novamente à brincadeira infantil. Mas persiste em suas considerações a percepção de uma semelhança estrutural entre as narrativas ficcionais da literatura e a elaboração novelesca da neurose, percepção de que na produção do autor literário atuam os mesmo mecanismos que são do interesse do psicanalista, que eles bebem da mesma fonte, com a diferença de que para o escritor não é preciso discernir as leis do inconsciente que descobre em si mesmo e que passam a fazer parte de sua criação estética. A partir dessa ideia, é possível perguntar a título de quê Freud se importa com o Dichter, se não é para ver em suas obras mais do que o reflexo da doutrina psicanalítica, se não é para fazer da teoria um arsenal crítico capaz de ajudar na apreciação das obras, analisando temas, conteúdos, meios de expressão, eventualmente considerando aspectos biográficos e psicológicos do artista. Ao procurar contextualizar as afirmações de O escritor e a fantasia em outros momentos da teoria freudiana, o presente trabalho propõe que é a própria concepção psicanalítica acerca do funcionamento psíquico (portanto, da conformação subjetiva moderna) que está em questão quando Freud se vê convocado às homologias entre neurose e escrita literária, donde a necessidade de se retomar a advertência feita por ele de que o que importa para a psicanálise é o processo de criação, ou seja, o que o Dichter faz e o que uma Dichtung faz com o leitor.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/141701
Arquivos Descrição Formato
000992177.pdf (496.9Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.