Repositório Digital

A- A A+

Saúde sexual e reprodutiva de mulheres vivendo com HIV/AIDS no sul do Brasil

.

Saúde sexual e reprodutiva de mulheres vivendo com HIV/AIDS no sul do Brasil

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Saúde sexual e reprodutiva de mulheres vivendo com HIV/AIDS no sul do Brasil
Autor Teixeira, Luciana Barcellos
Orientador Knauth, Daniela Riva
Co-orientador Vigo, Álvaro
Data 2012
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia.
Assunto Brasil
Brasil, Região Sul
Infecções por HIV
Saúde sexual e reprodutiva
Síndrome de imunodeficiência adquirida
Resumo Introdução: O crescimento da epidemia da Aids entre mulheres, fenômeno denominado de “feminização” da epidemia, chamou atenção da comunidade internacional pelo fato da maioria dessas mulheres encontrarem-se em idade reprodutiva. O aumento da expectativa de vida proporcionado pela terapia antirretroviral, bem como a redução nas taxas de transmissão vertical do HIV obtida com o uso de medicação adequada durante a gestação, parto e primeiros meses de vida do recém-nascido, trazem um novo contexto para decisões reprodutivas e os comportamentos sexuais das mulheres vivendo com HIV/Aids. É importante destacar que a infecção pelo HIV se insere em um contexto mais amplo de questões que afetam a saúde das mulheres, como a violência, infecção por outras doenças sexualmente transmissíveis (DST), altas taxas de esterilização cirúrgica, abortos clandestinos e elevado índices de mortalidade materna. Objetivos: O presente estudo tem por objetivo investigar as especificidades das mulheres vivendo com HIV/Aids, na cidade de Porto Alegre, no que concerne à saúde sexual e reprodutiva. Busca, especificamente, analisar o comportamento, em termos de saúde sexual e reprodutiva, adotado pelas mulheres vivendo com HIV/Aids segundo a faixa etária e investigar os fatores associados à ocorrência de gestações após o diagnóstico de HIV. Metodologia: Os dados analisados são resultantes de uma pesquisa transversal, realizada com mulheres em idade reprodutiva, de 18 a 49 anos, divididas em dois grupos: mulheres com diagnóstico de HIV e mulheres sem diagnóstico conhecido de soropositividade para o HIV. A coleta de dados foi realizada de janeiro a novembro de 2011. Para a presente Tese são analisados exclusivamente os dados do grupo de mulheres soropositivas para o HIV. Para esse grupo, foram abordadas 756 mulheres para as entrevistas, das quais 65 (8,6%) recusaram a participação no estudo, sendo a amostra final composta por 691 mulheres. As participantes foram selecionadas nos serviços de assistência especializada em HIV/Aids da cidade de Porto Alegre, Brasil. As mulheres foram selecionadas de forma aleatória, a partir das agendas de 11 marcação de consultas de todos os profissionais que atendiam nesses serviços. De um total de 1193 consultas agendadas por mulheres elegíveis, 436 mulheres (36,5%) não compareceram, tendo sido repostas na pesquisa pela seleção de consultas subsequentes. Resultados: Em relação à faixa etária, diferenças estatisticamente significativas foram observadas no número de gestações e número de filhos entre as mulheres analisadas (p<0,001). Cerca de um quarto das mulheres de 18 a 24 anos, nunca tiveram filhos. Dentre as mulheres de 45 a 49 anos, 31% tinham 4 ou mais filhos. Na amostra estudada, 31,6% das mulheres já tiveram 10 ou mais parceiros sexuais na vida. Não foi observada diferença significativa entre os grupos etários quanto ao número de parceiros sexuais na vida (p=0,129). O percentual de uso de medicação antirretroviral aumenta progressivamente conforme as faixas etárias, chegando a 86,7% entre mulheres de 45 a 49 anos (p<0,001). O uso de drogas ilícitas durante a vida é mais frequente na faixa dos 18 aos 34 anos (p<0,001). A prática de sexo por dinheiro foi mais frequente entre as mulheres mais jovens, de 18 a 29 anos (p=0,009). O uso da camisinha na última relação sexual foi relatado por 62,7% da amostra, e também não houve diferença entre os grupos. Quanto à gestação após o diagnóstico do HIV observa-se que, da amostra estudada, 240 mulheres (35,2%) apresentaram gestações após o diagnóstico. Na análise multivariável, as variáveis que mostraram associação com o desfecho foram: idade, uso do preservativo após diagnóstico, desejo de fazer laqueadura, violência, número de filhos, idade do diagnóstico de HIV e não ter gestação anterior ao diagnóstico. Conclusões: O presente estudo fornece importantes evidências de alguns fatores que caracterizam a vulnerabilidade das mulheres à infecção pelo HIV, que são bastante diferenciados quando consideramos a faixa etária das entrevistadas. São as mais jovens que declararam, em maior proporção, já ter feito uso de drogas durante a vida, da mesma foram que, também, são a maioria que afirma já ter realizado sexo em troca de dinheiro. As variações observadas em termos do 12 comportamento de sexual e reprodutivo, segundo a faixa etária, implicam demandas diferenciadas de atenção nos serviços de saúde. Da mesma forma, nossos dados permitem concluir que a gravidez após o diagnóstico da infecção pelo HIV não representa, necessariamente, para as mulheres investigadas, o exercício de um direito reprodutivo. Pelo contrário, essas gestações têm se dado em contextos de grande vulnerabilidade individual, social e programática. A gravidez pode, nesse sentido, expressar o precário acesso das mulheres aos serviços de saúde e, consequentemente, a um planejamento familiar inadequado. Pode, ainda, ser uma estratégia de inserção social e uma forma de lidar com o preconceito, ainda bastante disseminado, trazido pela Aids
Abstract Introduction: The growth of the Aids epidemics among women, a phenomenon denominated “feminization” of the epidemics, has drawn the attention of the international community to the fact that most of these women are at reproductive age. The increase in life expectancy enabled by antiretroviral therapy, as well as the reduction in the HIV vertical transmission rates achieved by using suitable medication during pregnancy, delivery and first months of the newborn, gives rise to a new context for reproductive decisions and sexual behaviors of women living with HIV/Aids. It is important to highlight that the HIV infection lies within a wider context of issues that affect the health of women, such as violence, infection of other sexually transmissible diseases, high rates of surgical sterilization, clandestine abortions, and high rates of maternal mortality. Objectives: The present study intends to investigate the specificities of women living with HIV/Aids, in the city of Porto Alegre, regarding their sexual and reproductive health. It seeks to particularly analyze the behavior, in terms of sexual and reproductive health, adopted by women living with HIV/Aids according to their age group and investigate the factors associated with the occurrence of pregnancies after the HIV diagnosis. Methodology: The analyzed data result from a transversal study conducted on women at reproductive age, from 18 to 49 years old, divided in two groups: HIV women and HIV-negative women. Data collection was performed from January to November 2011. For the present thesis, the data from the group of HIV-positive women are exclusively analyzed. For this group, 756 women were approached for the interviews, of which 65 (8.6%) refused to participate in the study, the final sample comprising 691 women. The participants were selected at HIV/Aidsspecialized healthcare services in the city of Porto Alegre, Brazil. The women were chosen at random from the appointment books of all professionals working in these services. Of a total of 1193 appointments scheduled by eligible women, 436 women (36.5%) did not attend and were replaced in the study by selecting subsequent appointments. 14 Results: For the age groups, statistically significant differences were observed in the number of pregnancies and number of children among the analyzed women (p<0.001). Around one fourth of women between 18 and 24 years old never had children. Among women from 45 to 49 years old, 31% had four or more children. In the sample under study, 31.6% of women had 10 or more sexual partners in their lifetime. No significant difference was observed between the age groups for the number of sexual partners in their lifetime (p=0.129). The percentage use of antiretroviral medication increases progressively according to the age groups, reaching 86.7% among women between ages 45 and 49 (p<0.001). The use of illegal drugs in the lifetime is more frequent in the age group from 18 to 34 years (p<0.001). The practice of sex for money is more frequent among younger women, from 18 to 29 years old (p=0.009). The use of condom in the last sexual intercourse was reported by 62.7% of the sample, and there was no difference between groups either. As for pregnancy after the HIV diagnosis, it is observed that, of the sample under study, 240 women (35.2%) became pregnant following the diagnosis. In the multivariable analysis, the variables that were correlated with the outcome were: age, use of condom after diagnosis, desire to undergo tubal ligation, violence, number of children, age at HIV diagnosis, and no pregnancy prior to the diagnosis. Conclusions: The present study provides important evidence that some factors characterizing the vulnerability of women to HIV infection are quite different when we consider the age of the interviewees. Younger women are the ones who state in larger numbers to have taken drugs during their lifetime, likewise they comprise the largest group that states to have had sex for money. The variations observed regarding sexual and reproductive behavior according to the age group imply differentiated demands for attention in health services. Similarly, our data allow us to conclude that pregnancy after diagnosis of HIV infection does not necessarily mean, for the women under study, the exercise of a reproductive right. On the contrary, these pregnancies take place in contexts of high individual, social and programmatic vulnerability. Pregnancy may, in this sense, 15 express the precarious access of women to health services and, consequently, to suitable family planning. It can also be a social insertion strategy and a way to cope with the still widespread prejudice caused by Aids.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/142803
Arquivos Descrição Formato
000829069.pdf (3.849Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.