Repositório Digital

A- A A+

Influência do polimorfismo Val66Met do gene do fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF) no tratamento da doença de Parkinson

.

Influência do polimorfismo Val66Met do gene do fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF) no tratamento da doença de Parkinson

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Influência do polimorfismo Val66Met do gene do fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF) no tratamento da doença de Parkinson
Autor Altmann, Vivian
Orientador Hutz, Mara Helena
Data 2011
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Ciências Básicas da Saúde. Curso de Biomedicina.
Assunto Doença de Parkinson
Fator neurotrófico derivado do encéfalo
Levodopa
Polimorfismo genético
Resumo A doença de Parkinson (DP), a segunda doença neurodegenerativa mais freqüente e caracteriza-se pela degeneração de neurônios dopaminérgicos da substantia nigra pars compacta do estriado, que está relacionada com os sintomas da doença. A Levodopa é a medicação mais eficaz para o controle dos sintomas motores da doença de Parkinson. Entretanto, seu uso continuado, relacionado à plasticidade neuronal, pode provocar o surgimento de fenômenos indesejados, como a flutuação motora, a discinesia e a alucinação. O declínio cognitivo associado à DP é outro fator muito freqüente e também dificulta o manejo e prejudica a qualidade de vida dos pacientes. O fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF) é uma proteína altamente expressa no sistema nervoso central. O BDNF promove sobrevivência, diferenciação, manutenção dos neurônios e plasticidade sináptica estando incluídos os neurônios dopaminérgicos da substantia nigra. Um polimorfismo (G196A) na região codificadora deste gene determina a substituição de uma valina por uma metionina no códon 66 da proteína. O objetivo do presente estudo foi determinar a influência do polimorfismo Val66Met do gene BDNF na dose equivalente de levodopa utilizada por pacientes com doença de Parkinson, no desenvolvimento de declínio cognitivo e na ocorrência de discinesias, alucinações e flutuações motoras induzidas por esse medicamento. Cento e setenta e dois pacientes em atendimento no Ambulatório de Distúrbios do Movimento no Hospital de Clínicas de Porto Alegre com diagnóstico de doença de Parkinson idiopática foram incluídos no estudo. As amostras de DNA foram extraídas pelo método de salting out, a partir de sangue periférico. O polimorfismo foi amplificado pela técnica de PCR. Os produtos de amplificação foram clivados com Eco72I e visualizados por eletroforese em gel de agarose a 3,5% corado com brometo de etídio. As freqüências genotípicas foram AA (4,1%), AG (27,3%) e GG (68,6%). Os três genótipos não apresentaram efeito significativo quanto à dose equivalente, a presença de discinesias, alucinações e flutuações motoras. Porém os genótipos apresentaram uma tendência de associação (P=0,05) com declínio cognitivo na DP. Outras variantes do BDNF e outros genes podem estar envolvidos na ocorrência dos efeitos colaterais da levodopa.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/142996
Arquivos Descrição Formato
000858129.pdf (490.0Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.