Repositório Digital

A- A A+

Pensamentos das enfermeiras de uma unidade de internação obstétrica sobre as diferentes formas de contágio das gestantes e puérperas pelo HIV

.

Pensamentos das enfermeiras de uma unidade de internação obstétrica sobre as diferentes formas de contágio das gestantes e puérperas pelo HIV

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Pensamentos das enfermeiras de uma unidade de internação obstétrica sobre as diferentes formas de contágio das gestantes e puérperas pelo HIV
Autor Martins, Cinara Vanise Tumelero
Orientador Unicovsky, Margarita Ana Rubin
Data 2006
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem. Curso de Enfermagem.
Assunto Enfermagem obstétrica
Gestantes
Preconceito
Puérpera : Cuidados
Síndrome de imunodeficiência adquirida
Resumo Buscou-se neste trabalho relatar os pensamentos das enfermeiras de uma Unidade de Internação Obstétrica de uma instituição hospitalar de Porto Alegre, sobre as diferentes formas de contágio das gestantes e puérperas pelo HIV, de acordo com as suas vivências, tempo de profissão e tempo de serviço numa unidade como esta. O propósito deste trabalho é descrever os pensamentos das enfermeiras que trabalham com gestantes/puérperas HIV-positivas em relação ao modo como contraíram o vírus, a partir dos seus relatos e a possibilidade de influência desses pensamentos sobre o cuidado prestado. O estudo, exploratório-descritivo, é de abordagem qualitativa e seu projeto foi submetido ao Comitê de Ética e Pesquisa em Saúde da instituição onde foram coletados os dados. A metodologia do estudo baseou-se na análise de dados proposta por Minayo (1994). Tais pensamentos foram expressos através de opiniões, observações e análises feitas sobre cada uma das enfermeiras, sobre si mesmas e de suas colegas de profissão. Considero que as enfermeiras entrevistadas procuram aplicar práticas do cuidado humanizado. Entretanto há restrições no que diz respeito à individualização deste cuidado pela situação da soropositividade das mulheres e, também, pela possibilidade de contágio das mães aos seus bebês enquanto cuidadoras. As enfermeiras percebem o preconceito existente através das ações e/ou comentários realizados na equipe de saúde. O medo, a falta de informação e o preconceito existente na sociedade fazem com que as gestantes/puérperas HIV-positivas tenham uma assistência que pode ser prejudicada em razão destes aspectos. O estudo evidencia que práticas de cuidado adequadas não apenas às gestantes/puérperas, mas também, direcionadas às mulheres enquanto cuidadoras e cuidadas, em períodos nos quais elementos de vulnerabilidade e instabilidade emocional estão mais evidentes levam e devem, cada vez mais, levar em consideração a singularidade e unicidade de cada um: inclusive das enfermeiras.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/143036
Arquivos Descrição Formato
000556217.pdf (148.8Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.