Repositório Digital

A- A A+

Estimativas da herdabilidade do reconhecimento de parentesco e do comportamento canibal em Heliconius erato phyllis (Lepidoptera; Nymphalidae)

.

Estimativas da herdabilidade do reconhecimento de parentesco e do comportamento canibal em Heliconius erato phyllis (Lepidoptera; Nymphalidae)

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Estimativas da herdabilidade do reconhecimento de parentesco e do comportamento canibal em Heliconius erato phyllis (Lepidoptera; Nymphalidae)
Autor Silva, Luciana da
Orientador Araujo, Aldo Mellender de
Co-orientador Nardin, Janaína de
Data 2013
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Biociências. Curso de Ciências Biológicas: Bacharelado.
Assunto Canibalismo
Heliconius erato phyllis
Resumo O canibalismo é um comportamento comum em uma série de animais, tanto na natureza, quanto em condições de laboratório. Algumas espécies são capazes de reconhecer parentes, canibalizando preferencialmente indivíduos não aparentados, como ocorre nas lagartas da borboleta Heliconius erato phyllis. Este trabalho teve por objetivo realizar cruzamentos com diferentes coeficientes de endocruzamento (F = 0 e F = 0,25), entre adultos, cujas lagartas foram canibais e não-canibais, de H. erato phyllis, a fim de estimar a herdabilidade do reconhecimento de parentesco (não canibalismo) e do comportamento canibal, e de fazer inferências sobre o modo de herança desses fenótipos. Lagartas canibais e não-canibais foram criadas em laboratório até o estágio adulto e, a partir das quais, foram realizados exocruzamentos e endocruzamentos entre adultos que foram canibais (C), não-canibais (NC) e entre indivíduos que apresentaram comportamentos diferentes (C x NC e seu recíproco). A prole desses cruzamentos foi submetida a testes de canibalismo, realizados, cada um, com três ovos irmãos, e as frequências de indivíduos canibais e não-canibais foram estimadas. Além disso, foram calculadas as médias de indivíduos não-canibais nas proles, em cada tipo de cruzamento. Os resultados mostram que a média de filhos não canibais, e que, portanto, reconhecem parentes, é maior em endocruzamentos, independentemente do comportamento dos pais (na maioria acima de 60%). A freqüência de indivíduos não canibais também foi mais alta em endocruzamentos, de uma forma geral. Entre os indivíduos não endocruzados foi observado um aumento de filhos canibais, mesmo quando um ou ambos os pais foram NC. Isso indica uma influência genética importante no comportamento não-canibal da prole, uma vez que devem existir genes para reconhecimento de parentes necessários em uma quantidade ideal para que ocorra o reconhecimento (efeito limiar). Por outro lado, o comportamento canibal pode ser influenciado pelo ambiente e também pela presença de poucos ou ausência de genes de reconhecimento. Os coeficientes calculados para herdabilidade do reconhecimento de parentesco (não canibalismo) e para o canibalismo mostraram consistência apenas no primeiro caso. Para F = 0, a h² do reconhecimento apresentou um valor próximo de 40%, enquanto que para F = 0,25, esse valor foi próximo de 80%. Diante do fato de que canibalismo e não canibalismo constituem sucessos de uma variável binomial, a estimativa de h² para o primeiro não tem sentido, pois teria os mesmos valores já apresentados para o reconhecimento. Esses resultados reforçam a existência de um forte componente genético na herança do reconhecimento de parentes e não para o canibalismo.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/143480
Arquivos Descrição Formato
000897621.pdf (458.1Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.