Repositório Digital

A- A A+

Efeitos de um treinamento de força no meio aquático sobre parâmetros cinemáticos do exercício de extensão e flexão em mulheres idosas

.

Efeitos de um treinamento de força no meio aquático sobre parâmetros cinemáticos do exercício de extensão e flexão em mulheres idosas

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Efeitos de um treinamento de força no meio aquático sobre parâmetros cinemáticos do exercício de extensão e flexão em mulheres idosas
Autor Barroso, Bruna Machado
Orientador Kruel, Luiz Fernando Martins
Co-orientador Reichert, Thais
Data 2016
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Educação Física. Curso de Educação Física: Bacharelado.
Assunto Envelhecimento
Exercícios aquáticos
Idoso
Treinamento de força
[en] Aging
[en] Angular velocity peak
[en] Kinematic parameters
[en] Mean angular velocity
[en] Movement amplitude
[en] Resistence training
[en] Water exercise
Resumo O processo de envelhecimento está associado a uma diminuição da força muscular. Uma estratégia ideal para combater a perda de força é a prática de exercício físico, principalmente o treinamento de força. Os exercícios aquáticos estão sendo amplamente indicados para população idosa, e mostram-se uma ótima alternativa para ganhos significativos de força. Atualmente grande parte dos treinamentos de força no meio aquático tem sido prescrita através da máxima velocidade de execução. Acredita-se que os indivíduos aumentam a velocidade de execução ao longo do treinamento e por isso incrementam a força, no entanto, não foi encontrado nenhum estudo que mensurou a velocidade de execução após o treinamento de força realizado no meio aquático. Desta forma, o objetivo do presente estudo foi avaliar os efeitos de um programa de treinamento de força no meio aquático em parâmetros cinemáticos durante a execução do exercício flexão e extensão de joelho de mulheres idosas. Treze mulheres idosas (66,41±1,36 anos) realizaram um treinamento de força no meio aquático durante 20 semanas com frequência semanal de duas sessões. O treinamento foi realizado em forma de circuito: a piscina foi dividida em quatro estações composta por três exercícios cada. Cada exercício foi realizado durante 30 segundos em máxima velocidade de execução. Para a coleta dos dados foi realizada uma filmagem subaquática do exercício de flexão e extensão de joelho realizado durante 30 segundos em máxima velocidade. A velocidade angular média, velocidade angular de pico e a amplitude de movimento foram avaliadas durante toda a execução do movimento (30 segundos), bem como nos períodos de 0 a 10 segundos, de 11 a 20 segundos e de 21 a 30 segundos. Para comparar as variáveis cinemáticas durante os 30 segundos de execução entre o pré e pós-treinamento foi utilizado o teste T pareado. Para comparação destas mesmas variáveis entre pré e pós-treinemento e entre os diferentes períodos avaliados foi utilizado o Generalized Estimating Equations (GEE), com post hoc de Bonferroni (α≤0,05). Os resultados demonstraram um aumento significativo na velocidade angular média (51,12±1,49 para 55,46±1,85 °.s-1; p=0,042) durante os 30 segundos de execução após o treinamento. A velocidade angular de pico, bem como a amplitude de movimento em 30 segundos não apresentaram diferença significativa após o treinamento (p>0,05). As variáveis analisadas apresentaram uma manutenção ao longo dos períodos de tempo avaliados tanto no pré quanto no pós-treinamento e não apresentaram diferença significativa após a intervenção (p>0,05). Assim, concluímos que o treinamento de força no meio aquático promove o aumento da velocidade angular média durante a execução do exercício de flexão e extensão de joelhos.
Abstract Aging process is associated to a decrease in muscle strength. An ideal strategy for combating the loss is the practice of physical exercise, mainly strength training. Aquatic exercises are being widely indicated for elderly population, and proved to be a great alternative for significant increases in strength. Currently, most of the strength trainings in aquatic environment have been prescribed by means of maximum speed of execution. It is believed that individuals enhance the maximum speed of execution through the training and due to that they increase strength, however, no study was found that measured speed of execution after strength training performed in aquatic environment. Faced with that, the purpose of the present study was to evaluate the effects of a strength training program in aquatic environment on kinematic parameters during the execution of the knees flexion and extension exercise in elderly women. Thirteen elderly women (66,41±1,36 years) performed a strength training in aquatic environment during 20 weeks with weekly frequency of two sessions. The training was accomplished in the form of circuit: the pool was divided in four stations composed by three exercises each. Each exercise was performed during 30 seconds in maximum speed of execution. For data collection, an underwater filming of the knees flexion and extension exercise performed during 30 seconds in maximum speed was conducted. Mean angular speed, peak angular speed and range of motion were evaluated during all the execution of the movement (30 seconds), just as in the periods from 0 to 10 seconds, from 11 to 20 seconds and from 21 to 30 seconds. For the comparison between kinematic parameters during the 30 seconds of execution between pre and post-training we used the paired t test. For the comparison of these same variables between pre and post-training and between the different evaluated periods we used Generalized Estimating Equations (GEE), with post hoc of Bonferroni (α≤0,05). The results showed a significant increase in mean angular speed (51,12±1,49 to 55,46±1,85°.s-1; p=0,042) during the 30 seconds of execution after training. Peak angular speed, just as the range of motion in 30 seconds did not present significant difference after training (p>0,05). The analyzed variables showed a maintenance over the time periods evaluated in both pre and post training and did not show significant difference after intervention (p>0,05). Thus, we conclude that strength training in aquatic environment promotes the increase of the mean angular speed during the execution of the knees flexion and extension exercise.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/147947
Arquivos Descrição Formato
001001158.pdf (428.0Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.