Repositório Digital

A- A A+

A religião na cena pública

.

A religião na cena pública

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título A religião na cena pública
Entrevistado Burity, Joanildo A.
Dullo, Eduardo
Giumbelli, Emerson Alessandro
Machado, Maria das Dores Campos
Weiss, Raquel Andrade
Entrevistador Ewald, Felipe Grüne
Data 2016
Assunto Estado
Religião
Resumo As reiteradas menções a “Deus” durante a votação no plenário da Câmara dos Deputados que deu início ao processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff deixaram parte da população brasileira entre a perplexidade e a indignação. Isso deu lugar a uma miríade de manifestações inflamadas que buscavam desqualificar a votação e os deputados, voltando-se a atenção – como em inúmeras situações antes desta – majoritariamente para os integrantes da chamada Frente Parlamentar Evangélica (FPE). Não raro, tais manifestações tendem a generalizar a desqualificação a toda população evangélica, além de tomarem a presença desses representantes como ilegítima. Isso, no entanto, pode entrar em colisão com o próprio processo democrático que pretendem defender. A FPE, por sua vez, lidera ações marcadas por um caráter fundamentalista, buscando impor suas posições a toda a população, como no caso do projeto legislativo solicitando a sustação do decreto que dispõe sobre o uso do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero de pessoas travestis e transexuais no âmbito da administração pública federal. Esse panorama conflitivo aponta para a premente necessidade de se compreender o fenômeno da proliferação dos parlamentares que se proclamam evangélicos e, em termos mais amplos, de promover o debate acerca das dinâmicas de interação entre a religião e a esfera pública, em especial no âmbito da política Se os questionamentos iniciais se dirigiam especificamente aos evangélicos, tornou-se evidente ao longo da construção deste caderno que a questão é mais complexa, tendo em vista o paradigma normativo exercido pela Igreja Católica no Brasil. Além disso, a noção idealizada de laicidade, com a separação fundamental entre Igreja e Estado, se viu frequentemente contestada pelos dados apresentados pelos entrevistados, os quais atestam um crescente engajamento de grupos religiosos na vida pública. A discussão que se segue nas próximas páginas se estrutura a partir de relatos de diferentes pesquisadores que estudam a religião a partir da perspectiva das ciências sociais. O propósito é elaborar um entendimento frente a perguntas que interroguem sobre qual o lugar possível para a religião na esfera pública; os significados da atuação evangélica; se seus atores são representativos em relação aos posicionamentos da população; se o conservadorismo é uma marca dessa parcela da população; se antes de sua presença na política a religião estava ausente; o modo de encarar o pluralismo crescente na sociedade e os conflitos que se seguem; e, por fim, o modo de lidar com princípios conflitantes, mantendo o diálogo democrático.
Tipo Entrevista
URI http://hdl.handle.net/10183/148058
Arquivos Descrição Formato
001000749.pdf (11.41Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.