Repositório Digital

A- A A+

Avaliação de fatores de risco para cardiopatia isquêmica e valor prognóstico de critérios diagnósticos de cardiopatia isquêmica em pacientes com Diabetes Mellito tipo 2

.

Avaliação de fatores de risco para cardiopatia isquêmica e valor prognóstico de critérios diagnósticos de cardiopatia isquêmica em pacientes com Diabetes Mellito tipo 2

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Avaliação de fatores de risco para cardiopatia isquêmica e valor prognóstico de critérios diagnósticos de cardiopatia isquêmica em pacientes com Diabetes Mellito tipo 2
Autor Rodrigues Neto, André Fernando Pinto
Orientador Azevedo, Mirela Jobim de
Co-orientador Gross, Jorge Luiz
Data 2000
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas : Endocrinologia.
Assunto Diabetes mellitus tipo 2
Estudos de coortes
Fatores de risco
Isquemia miocárdica
Testes de função cardíaca
Resumo O diabete melito (DM) está associado a um aumento de 2 a 3 vezes na prevalência de doença cardiovascular, sendo a cardiopatia isquêmica (CI) a principal causa de morte em pacientes com DM tipo 2 (DM2). Em pacientes com DM2, a avaliação dos fatores de risco e a análise completa dos métodos diagnósticos capazes de alterar o prognóstico cardiovascular não estão estabelecidos de forma definitiva. O objetivo deste estudo foi avaliar os fatores de risco relacionados ao desenvolvimento de eventos cardiovasculares em pacientes com DM e avaliar o valor preditivo de testes diagnósticos para CI no desenvolvimento destes eventos. Por um período de 6 anos (3,4 ± 1,3 anos; 8 a 73 meses), foi realizado um estudo de coorte, onde foram avaliados 93 pacientes (idade de 59,3 ± 8,2 anos) com DM2 (duração do diabete de 11,9 ± 6,5 anos). Os testes diagnósticos para CI foram: questionário cardiovascular da OMS (QCV), eletrocardiograma (ECG) de repouso (código Minnesota) e cintilografia miocárdica (estresse e repouso). Foram considerados desfechos no estudo os seguintes eventos cardiovasculares: infarto do miocárdio (presença de ECG e enzimas compatíveis com ou sem presença de dor precordial típica), surgimento de nova onda Q no ECG de repouso, surgimento de nova área de perfusão fixa na cintilografia miocárdica com dipiridamol, procedimentos de revascularização miocárdica, insuficiência cardíaca ou edema agudo pulmonar, morte súbita. Para avaliar a ocorrência ou o aparecimento de eventos cardiovasculares, foram utilizadas curvas de risco de Kaplan-Meier (“Kaplan-Meier Hazard curves”) e análise de regressão de riscos proporcionais de Cox, uni e multivariada (fatores de risco ou preditivos). Aproximadamente metade da amostra foi constituída por homens. Os valores iniciais de glico-hemoglobina foram de 9,6 ± 2,7, e 55 pacientes (59,1%) apresentaram níveis de colesterol total > 200 mg/dl. A HAS estava presente em 64,5% dos pacientes. Em relação às complicações crônicas microangiopáticas do DM no início do período de acompanhamento, 63,4% da amostra era portadora de nefropatia, e retinopatia e neuropatia diabéticas foram observadas em mais da metade dos pacientes avaliados. Cardiopatia isquêmica foi diagnosticada (QCV e/ou ECG de repouso e/ou cintilografia miocárdica positivos) em 44% dos pacientes (n=41). Um quarto da amostra desenvolveu eventos cardiovasculares (incidência de 7,55 por 100 pacientes/ano). A presença de CI inicial conferiu um risco de 2,52 (IC=1,03-6,14; P=0,04) para o desenvolvimento de eventos cardíacos. Na análise multivariada de regressão de Cox, a glicose de jejum e a presença de HAS foram consideradas fatores de risco para eventos cardiovasculares (RR=1,01 e P=0,04; e RR=3,46 e P= 0,04, respectivamente). A presença de QCV e/ou de ECG positivos, como teste diagnóstico combinado para CI, forneceu o maior risco para o desenvolvimento de eventos cardiovasculares (RR= 2,85; IC=1,2 a 6,75; P=0,016) quando comparado a QCV, ECG, e cintilografia miocárdica positivos analisados isoladamente. Em conclusão, uma avaliação simples realizada através de QCV e ECG de repouso permite prever o desenvolvimento de eventos cardíacos em pacientes com DM2. Estes pacientes deverão ser submetidos a uma intervenção agressiva sobre os fatores de risco cardiovasculares.
Abstract Diabetes Mellitus (DM) is associated with cardiac disease in a two to three times fold, and coronary heart disease is the leading cause of death in diabetic patients. In type 2 DM patients, evaluation of cardiac risk factors and complete analysis of diagnostic methods capable of changing cardiovascular prognosis profile are not completely established. The objective of this study was to evaluate risk factors and the predictive value of coronary heart disease diagnostic methods related to cardiac events in type 2 diabetic patients. In a forty-one-month (3.4 years) follow-up period, 93 type 2 DM (diabetes duration 11.9 ± 6.5 years) patients (age 59.3 ± 8.2 years) were prospectively studied. Ischemic heart disease was diagnosed by: Cardiovascular Questionnaire (CVQ), Electrocardiogram (EKG) and/or Perfusion Scintigraphy (PS). Outcomes were the following cardiovascular events: myocardial infarction (compatible EKG and enzymes, with or without chest pain), new Q wave (s) on the EKG, new misperfusion areas on the scintigraphy, revascularization procedures, heart failure or pulmonary edema, and sudden death. To evaluate frequency and development of cardiac events, Kaplan-Meier Hazard Curves and Cox Proportional Hazards Model (risk and predictive factors) were carried out. Male patients constituted half of the sample. Initial values of HbA1c were 9.6 ± 2.7, and 55 patients (59.1%) had total cholesterol levels greater than 200 mg/dl. Hypertension was present in 64.5% of the total number of patients. In relation to chronic complications of DM, 63.4% of the sample were albuminuric people, and retinopathy and neuropathy were found in more than half of the patients studied. Coronary disease was diagnosed (CVQ and/or EKG and/or PS) in 44% of patients (n=41). One forth of the total number of patients (25.8%) has developed cardiac events (7.55/100 patients/year). The presence of initial cardiac ischemic disease diagnosis resulted in a relative risk of 2.52 (CI=1.03-6.14; P=0.04). In Cox regression model, fasting blood glucose and hypertension were considered risk factors for cardiac events (RR=1.01, P=0.04 and RR=3.46, P=0.04, respectively). Baseline abnormalities in CVQ and/or in EKG showed a relative risk of 2.85 for the development of cardiac events (CI=1.2-6.75; P=0.016), unlike isolated CVQ, EKG or PS. The relative risk for cardiac events was greater in baseline altered CVQ and EKG when compared to each of the diagnostic methods alone (CI=1.20-6.75; P=0.03). In conclusion, a simple evaluation, with altered CVQ or EKG allows the clinician to predict the development of cardiac events in type 2 diabetic patients. Thus, it should inspire more aggressive management of cardiac risk factors in such patients.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/14809
Arquivos Descrição Formato
000310623.pdf (1.230Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.