Repositório Digital

A- A A+

Os ratos e os rastros : a construção da realidade urbana através das palavras

.

Os ratos e os rastros : a construção da realidade urbana através das palavras

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Os ratos e os rastros : a construção da realidade urbana através das palavras
Autor Schöffel, Debora Grando
Orientador Machado, Andréa Soler
Data 2016
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Arquitetura. Programa de Pesquisa e Pós-Graduação em Arquitetura.
Assunto Machado, Dyonélio, 1895-1985. Os ratos
Percepção urbana
[en] Literature
[en] Urban perception
Resumo Dyonelio Machado, autor do romance “Os Ratos”, destaca-se por ter rompido com as estruturas da literatura gaúcha e abandonado o mito do herói a cavalo para destacar a essência urbana da capital gaúcha. O escritor usava de sua persuasão para que os leitores o compreendessem, sabia que jogava com o mundo da literatura, e de certa forma ressentia-se com a incompreensão da crítica, vigiada de perto pela censura. Naziazeno, personagem principal da narrativa, apresenta sua origem na propriedade rural, mas vive agora preso à cidade e ao seu ritmo feroz metropolitano. Anda por ruas, pega o bonde, trabalha em uma repartição pública e tem seu olhar lançado para o passado volta e meia, lembrando-se da sua infância e de como a cidade em que cresceu era diferente em vários sentidos da que vive. O objetivo do trabalho é discutir as descrições urbanas encontradas em “Os Ratos”, a partir do método da nova História Cultural cujos princípios, destacam-se os argumentos afirmando que o mundo só é percebido como representação através de uma estrutura de convenções, esquemas e estereótipos culturalmente construídos. O real não deixará de ser real, pois é exatamente a ficcionalidade que garante a identidade às relações sociais, configurando o real e o imaginário não como coisas opostas, mas sim complementos indispensáveis para a forma de existência da vida social. Esta estratégia mostra como retirar o melhor proveito do cruzamento das imagens e os discursos das cidades, gerando assim um aprofundamento nas relações literatura e história, além da base que é a cidade, o contexto urbano e suas transformações. As narrativas literária e histórica trazem discursos que ajudariam a remontar a realidade urbana. Tratando-se de convencer o leitor e transporta-lo para um outro tempo. O que torna o romance algo a mais do que um simples relato, é que o autor procura compreender a cidade retratando as mudanças econômicas e estruturais, pois passava por um período de efervescência e modernização. Devido a sua visão sensível diversos aspectos intrínsecos ao meio urbano, que se entrelaçam na transformação e modernização da cidade aparecem no romance de Dyonelio Machado. Não apenas esta obra, mas diversas obras de literatura podem ser usadas como fonte de pesquisa e ajudaram a compreender novos pontos da cidade, que nem sempre ficam expressos na história e complementam as buscas dos Arquitetos e Urbanistas na construção do imaginário social de uma época.
Abstract Dyonelio Machado, author of the novel “Os Ratos”, stands out for having broken with the literary structures of the Brazilian Gaucho literature and for abandoning the myth of the hero on horseback to highlight the urban essence of the Gaucho capital, Porto Alegre. This writer used his persuasive ways for readers to understand him, he knew that he was playing with the literary world, and in a certain way he was resentful of the critical incomprehension, criticism being closely watched by censorship. Naziazeno, the narrative’s main character, has an origin in the rural propriety, but he now lives stuck to the city and to its metropolitan fierce rhythm. He walks through the streets, takes the tram, works in a public repartition and now and then looks to the past, remembering of his childhood and of how the city in which he grew up was in many ways different from the one in which he lives. This work’s aim is to discuss the urban descriptions found in “Os Ratos” according to the Cultural History method, among whose principles stand out the arguments that affirm that the world is only perceived as a representation through a structure of culturally constructed conventions, schemes and stereotypes. The real will not stop being real, because it is exactly fictionality that guarantees identity to social relations, configuring the real and the imaginary not as opposed things but as indispensable complements to the form of existence of social life. This strategy shows how to take the best advantage from the crossing of images and discourses of the cities, generating thus a deepening of the relations between literature and history, beyond the base which is the city, the urban context and its transformations. The literary and historical narratives bring discourses that would help reassemble the urban reality, leading to a convincement of the reader and his or her transposition to another time. What makes the novel something more than a simple account is the fact that the author seeks to comprehend the city by portraying the economic and structural changes, for it was passing through a period of effervescence and modernization. Due to his sensible vision, several intrinsic aspects of the urban environment, which are intertwined in the transformation and modernization of the city, appear in Dyonelio Machado’s novel. Not only this work but several works of literature can be used as sources of research; they have helped to comprehend new points of the city, which are not always expressed in history, and they also complement the architects and urban planners’ quests in the construction of the social imaginary and of an epoch.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/148984
Arquivos Descrição Formato
001004371.pdf (5.548Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.