Repositório Digital

A- A A+

Fobia social generalizada: um estudo comparativo de duas modalidades terapêuticas

.

Fobia social generalizada: um estudo comparativo de duas modalidades terapêuticas

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Fobia social generalizada: um estudo comparativo de duas modalidades terapêuticas
Autor Knijnik, Daniela Zippin
Orientador Eizirik, Claudio Laks
Co-orientador Manfro, Gisele Gus
Data 2008
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas: Psiquiatria.
Assunto Clonazepam
Psicoterapia de grupo
Qualidade de vida
Transtornos fóbicos
Resumo INTRODUÇÃO A fobia social (FS), também conhecida como transtorno de ansiedade social (TAS), é um transtorno de ansiedade crônico que causa prejuízo na qualidade de vida. O seu subtipo generalizado (FSG) é prevalente e incapacitante, estando associado a um pior prognóstico. Apesar da eficácia de ambos os tratamentos psicoterápico e farmacológico, como monoterapia, na redução dos sintomas da FSG, somente dois terços dos pacientes que recebem tratamento são considerados respondedores, e apenas metade desses atinge remissão dos sintomas. A maioria dos pacientes permanece sintomática após o tratamento inicial. Até o presente momento, poucos estudos têm-se preocupado em como aumentar a resposta ao tratamento na FSG. OBJETIVOS O objetivo principal do presente estudo foi comparar a eficácia da terapia psicodinâmica em grupo (PGT) mais clonazepam (CNZ) versus apenas CNZ como uma estratégia de potencialização no tratamento da FSG quanto a medidas de funcionamento global, sintomas de ansiedade social, qualidade de vida e estilos defensivos. Um dos objetivos específicos deste estudo foi elaborar um manual de tratamento, intitulado “Terapia psicodinâmica em grupo para fobia social generalizada”. MÉTODOS Cinqüenta e oito pacientes adultos, com diagnóstico de FSG, de acordo com os critérios do Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais (DSM-IV), participaram de um ensaio clínico randomizado de 12 semanas: 29 pacientes foram submetidos ao tratamento combinado (PGT mais CNZ) e 28 receberam apenas CNZ. Os resultados foram avaliados sob duas perspectivas: (I) clínica; (II) psicodinâmica. A avaliação clínica dos resultados incluiu a Escala de Impressão Clínica Global- Melhora (CGI-I), como medida de desfecho primária, e a Escala de Fobia Social de Liebowitz (LSAS), o Instrumento para Avaliação da Qualidade de Vida da Organização Mundial de Saúde, Versão Breve (WHOQOL-Bref), o Inventário de Depressão de Beck (BDI), bem como a proporção de respondedores (definida como CGI-I ≤ 2, “muito melhor” ou “muitíssimo melhor”, com base apenas em sintomas de ansiedade social) e o percentual de pacientes em remissão total de acordo com duas definições diferentes: a) escore total da LSAS ≤ 30; b) escore da CGI-I igual a 1, como medidas de desfecho secundárias. A avaliação psicodinâmica dos resultados incluiu os três estilos defensivos – maduro, neurótico e imaturo – como medidas de desfecho primárias avaliados pelo Questionário de Mecanismos de Defesa (DSQ-40). Todas as medidas de eficácia foram aplicadas em três períodos sucessivos entre março e novembro de 2005. RESULTADOS Dados de 57 pacientes (população intent-to-treat) mostraram que o grupo PGT mais CNZ apresentou uma melhora significativamente superior em relação ao grupo CNZ (p=0,033) na CGI-I. Não houve diferença significativa entre os dois grupos nas medidas de desfecho secundárias, embora, de acordo com a CGI-I igual a 1 ou 2 como critério de resposta, a diferença na taxa de resposta entre os dois grupos aproximou-se da significância estatística (79,3% versus 53,6%, respectivamente; p=0,052). No que diz respeito a mudanças em estilos defensivos, em ambos os grupos estes se modificaram ao longo das 12 semanas. No entanto, apenas no estilo defensivo neurótico houve diferença significativa entre os grupos ao longo do tempo, com uma pequena redução no grupo de tratamento combinado, e um aumento no grupo CNZ (pinteraction =0,045; ηp 2=0,064). Os resultados das mudanças de estilos defensivos foram controlados em modelos multivariados, considerando-se sintomas de FSG e mudança sintomática ao longo do tempo, dois confundidores conhecidos nesse tipo de estudo. CONCLUSÃO Este foi o primeiro estudo a comparar PGT combinada com medicação versus apenas medicação no tratamento da FSG. Apesar de algumas limitações, nosso estudo sugere que o acréscimo de PGT pode ser uma estratégia de potencialização promissora no tratamento da FSG com clonazepam, mostrando alguns ganhos no funcionamento global e em mudanças em estilos defensivos neuróticos no sentido de maior adaptação, mesmo a curto prazo. Estudos futuros deverão investigar o efeito de protocolos de tratamento mais longos, examinar a eficácia da combinação de PGT com diferentes medicamentos ou com terapia cognitivo-comportamental como estratégias de potencialização no tratamento da FSG.
Abstract INTRODUCTION Social phobia (SP), also known as social anxiety disorder (SAD) is a chronic psychiatric anxiety disorder that causes impairment in quality of life. Its generalized subtype (GSAD) is prevalent and disabling, being associated with a worse prognosis. Despite the efficacy of both psychotherapy and pharmacological treatments as monotherapy in reducing symptoms of GSAD, only two thirds of patients who receive treatment are considered responders, and only half of those achieve remission of the symptoms. Most patients remain symptomatic after the initial treatment. To date, a few studies have focused on how to augment treatment response on GSAD. OBJECTIVE The main goal of the present study was to compare the efficacy of psychodynamic group therapy (PGT) plus clonazepam (CNZ) versus only CNZ as an augmentation strategy in the treatment of GSAD regarding measures of global functioning, social anxiety symptoms, quality of life and defense styles. One of the specific goals of this study was to elaborate a treatment manual, named “Psychodynamic group therapy for generalizes social anxiety disorder”. METHODS Fifty-eight adult outpatients with a diagnosis of GSAD, according to the Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders criteria (DSM-IV), participated in a 12- week randomized clinical trial: 29 patients underwent a combined treatment (PGT plus CNZ) and 28 took only CNZ. Results were evaluated under two perspectives: (I) clinical; (II) psychodynamic. The clinical evaluation of the results included the Clinical Global Impression- Improvement (CGI-I) Scale, as the primary efficacy measure and the Liebowitz Social Anxiety Scale (LSAS), the World Health Organization Instrument to Assess Quality of Life-Bref (WHOQOL-Bref) Version, the Beck Depression Inventory (BDI), as well as the proportion of responders (defined as CGI-I ≤ 2, “much” or “very much improved”, based only on social anxiety symptoms) and the percentage of patients in full remission according to two different definitions: a) LSAS total score ≤ 30; b) CGI-I score of 1 as secondary efficacy measures. The psychodynamic evaluation of the results included the three defensive styles – mature, neurotic and immature – as primary efficacy measures evaluated by the Defensive Style Questionnaire (DSQ-40). All the efficacy measures were assessed in three successive periods between March and November 2005. RESULTS CGI-I data of 57 patients (intent-to-treat population) showed that the PGT plus CNZ group presented significantly greater improvement than the CNZ group (p=0.033). There were no significant differences between the two groups in the secondary efficacy measures, although, according to a CGI-I of 1 or 2 as the criterion for response, the difference in the response rate between the two groups approached statistical significance (79.3% vs. 53.6%, respectively; p=0.052). Regarding changes in defense styles, overall, both groups changed along the 12 weeks. Nevertheless, significant difference between groups was shown only in the in neurotic defense style over time, with a slight reduction the combined group and an increase in the CNZ group (pinteraction =0.045; ηp 2=0.064). The results of changes in defense styles were controlled in multivariable models considering SAD symptoms and its change over time, two well-known confounders in this type of study. CONCLUSION This study was the first one to compare PGT combined with medication versus medication alone in the treatment of GSAD. Despite some limitations, our study suggests that the addition of PGT may be a promising augmentation strategy to CNZ showing some gains in the global functioning and changes toward greater adaptiveness in the neurotic defense style, even in the short-term. Future studies should investigate the effect of longer treatment protocols, examine the efficacy of the combination of PGT with different medications or with cognitivebehavioral therapy as an augmentation strategy for the treatment of GSAD.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/14935
Arquivos Descrição Formato
000669892.pdf (985.9Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.