Repositório Digital

A- A A+

Identificação de padrões distintos de desenvolvimento na Região Sul do Brasil : uma análise multivariada

.

Identificação de padrões distintos de desenvolvimento na Região Sul do Brasil : uma análise multivariada

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Identificação de padrões distintos de desenvolvimento na Região Sul do Brasil : uma análise multivariada
Autor Tavares, Jean Max
Orientador Pôrto Júnior, Sabino da Silva
Data 2008
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Ciências Econômicas. Programa de Pós-Graduação em Economia.
Assunto Brasil, Região Sul
Desenvolvimento econômico
Desenvolvimento regional
Desigualdade econômica
[en] Development
[en] Inequalities
[en] Regions
Resumo Diversas políticas regionais não tiveram êxito na redução das desigualdades existentes no Brasil devido à idéia de que é preciso promover o desenvolvimento a qualquer custo numa região atrasada. Vinculado aos aspectos teóricos da Nova Geografia Econômica e, em particular, das economias de aglomeração, esse artigo argumenta que as desigualdades são inerentes até mesmo em regiões desenvolvidas e que o estímulo a essas regiões devem ser incentivados, elevando a produtividade das mesmas. Especificamente, o objetivo dessa tese é mostrar a existência e a localização das desigualdades regionais na região Sul do Brasil e em cada uma das mesorregiões de seus Estados sob uma perspectiva multidimensional, através de 16 variáveis ligadas às áreas de infra-estrutura pública, urbanização, educação, renda, população, identidade local, geografia e finanças públicas (IBGE, 2000) por meio de técnicas de estatística multivariada. Por fim, foram obtidos diversos indicadores que classificaram a região Sul e as mesorregiões de cada um de seus Estados em diferentes níveis de desenvolvimento. Revelou-se que Santa Catarina, sozinha, possui 60% dos municípios mais desenvolvidos da região Sul, seguido pelo Paraná e Rio Grande do Sul, além de que apenas 2 (duas) mesorregiões do Estado de Santa Catarina, 3 (três) do Paraná e 4 (quatro) do Rio Grande do Sul possuem a maioria dos municípios desenvolvidos, dentre outros indicadores que apontam para desigualdades intra e inter-estaduais na região Sul. Tais resultados comprovam que até mesmo regiões consideradas desenvolvidas - mesmo que em termos relativos, se comparada a outras regiões do Brasil - possui diferentes níveis de desenvolvimento, não constituindo-se tal fato em "um mal em si mesmo", mas sim uma conseqüência natural das economias de aglomeração presentes em uma região em detrimento de outra (s).
Abstract Several regional policies have not been successful in reducing existing inequalities in Brazil due to the idea that it is necessary to promote development at any cost in a less developed region. Connected to theoretical aspects of the New Economic Geography and, in particular, aspects of economies of agglomeration, this article argues that inequalities are inherent even in developed regions and that these regions must be stimulated, raising thus their productivity. The specific objective of this paper is to show the existence and the localization of the regional inequalities in the South region of Brazil and in each mesoregion of its States. This will be accomplished with a multidimensional perspective, through 16 variables linked to areas of public infra-structure, urbanization, education, income, population, local identity, geography and public finances (IBGE, 2000), by means of techniques of multivariate statistics. Finally, we have obtained several pointers that classified the South region and the mesoregions of each of its States into different levels of development. The research has shown that Santa Catarina alone has 60% of the more developed cities of the South region, followed by Paraná and Rio Grande do Sul. Furthermore, just 2 (two) mesoregions from the State of Santa Catarina, 3 (three) from Paraná and 4 (four) from Rio Grande do Sul have the majority of developed cities, among other pointers that indicate intra and interstate inequalities in the South region. Such results prove that even regions considered to be developed even if in relative terms they are compared to other regions in Brazil have different levels of development. This fact does not comprise "an evil in itself", but a natural consequence of the economies of agglomeration present in one region in detriment to others.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/15357
Arquivos Descrição Formato
000679931.pdf (3.633Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.