Repositório Digital

A- A A+

Respostas polares à infecção pela cromoblastomicose antes e após as terapias

.

Respostas polares à infecção pela cromoblastomicose antes e após as terapias

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Respostas polares à infecção pela cromoblastomicose antes e após as terapias
Autor Minotto, Renan
Orientador Edelweiss, Maria Isabel Albano
Data 2009
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas.
Assunto Classificação
Cromoblastomicose
Granuloma
Lesões
Micoses
Pele
Terapia
[en] Chromoblastomycosis
[en] Clinical forms
[en] Effects/treatments
[en] Pathology of chromoblastomycosis
[en] Polar granulomas
Resumo Este estudo avaliou pacientes portadores de cromoblastomicose, sendo feita uma categorização clínica em dois grupos, de acordo com a forma clínica da lesão dermatológica: o primeiro composto por indivíduos com lesões elevadas e o segundo formado por casos com lesões planas, com biópsias realizadas antes e depois dos tratamentos. Através de critérios semiquantitativos, os elementos anatomopatológicos foram analisados, constatando-se a presença do padrão granulomatoso chamado granuloma micótico misto organizado, com baixa intensidade em lesões planas e alta em elevadas. Evidenciou-se que pacientes com lesões planas evoluíram bem clinicamente, com exames micológicos negativos e sem recidivas (bons respondedores), porém aqueles com lesões elevadas apresentaram evolução clínica desfavorável, com exames micológicos positivos e doença recidivante ou recalcitrante, apesar dos tratamentos recebidos (maus respondedores). E, entre os componentes histopatológicos reacionais à invasão fúngica, verificou-se associação significativa para fibrose, podendo levar a um pior prognóstico. Estes achados clínicos e histopatológicos conferem a esta patologia uma idéia de polaridade, à guisa dos fenômenos das formas polares da hanseníase, da fagocitose, e dos agentes de baixa virulência. Os autores propõem uma classificação morfológica dos granulomas da CBM em dois tipos polares: granuloma micótico misto organizado (GMMO) polar com alta intensidade dos elementos celulares (que corresponderia ao polar não tuberculóide) e GMMO polar com baixa intensidade (que corresponderia ao polar tuberculóide).
Abstract Patients with chromoblastomycosis were studied and dichotomized into two groups according to the clinical lesions: flat and elevated ones which were biopsied before and after treatments. Histopathological structures underwent through semiquantitatively analisys evidencing the mixed organized mycotic granuloma with low intensity of histopathological elements in flat lesions and high in elevated ones. Flat lesions have improved clinically with negative micological studies (good responders) while elevated lesions’ patients did not (bad responders). It was found significant association between evidence of fungus and fibrosis with a poor prognosis. Clinical and histopathological findings suggest a polarity concept to this disease based on the fenomenal polar forms of hanseniasis, fagocitosis and the low virulence agents. The authors proposed a morphological classification of the chromoblastomycosis’ granulomas into two polar types: polar mixed organized mycotic granuloma (MOMG) with high intensity of the cellular elements (like the polar non tuberculoid type) and the polar MOMG with low intensity (like the polar tuberculoid type).
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/15376
Arquivos Descrição Formato
000680188.pdf (4.458Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.