Repositório Digital

A- A A+

"No peito e na raça" - a construção da vulnerabilidade de caminhoneiros : um estudo antropológico de políticas públicas para HIV/AIDS no sul do Brasil

.

"No peito e na raça" - a construção da vulnerabilidade de caminhoneiros : um estudo antropológico de políticas públicas para HIV/AIDS no sul do Brasil

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título "No peito e na raça" - a construção da vulnerabilidade de caminhoneiros : um estudo antropológico de políticas públicas para HIV/AIDS no sul do Brasil
Autor Leal, Andrea Fachel
Orientador Knauth, Daniela Riva
Data 2008
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social.
Assunto AIDS
Antropologia da saúde
Antropologia social
Caminhoneiros
HIV
Políticas públicas
Vulnerabilidade em saúde
Resumo Inserido no campo denominado da Anthropology of Policy, da Antropologia de Políticas Públicas, o presente estudo tem como objetivo analisar como se dá a construção social da vulnerabilidade para AIDS dos caminhoneiros no Sul do Brasil, abordando a política brasileira de prevenção ao HIV/AIDS. A partir do quadro teórico da Antropologia Medica, foram examinados os discursos de três atores sociais principais: (i) a agência governamental nacional de AIDS, (ii) as Organizações Não Governamentais que recebem o apoio técnico e financeiro por parte do Programa Nacional de DST, HIV e AIDS para executarem projetos de prevenção com a população-alvo de caminhoneiros e (iii) os próprios caminhoneiros que transitam pelo Rio Grande do Sul. Três eixos temáticos importantes para as análises são (i) a globalização (e as relações entre o global e o local), (ii) a constituição da identidade de um grupo social ou de uma comunidade e (iii) a construção de uma cultura sexual. A compreensão da construção da vulnerabilidade implicou seguir os caminhos do conceito através de diferentes instâncias. Nesse sentido, foi-se trilhando uma rota, que partiu de agências internacionais intergovernamentais como a Organização Mundial de Saúde, a agência das Nações Unidas para AIDS e o Banco Mundial, seguindo pela a análise de pesquisas científicas sobre o tema e o discurso da agência governamental nacional para AIDS sobre a vulnerabilidade. Essa rota passou ainda pela apropriação e uso da idéia por parte de Organizações Não Governamentais, até a compreensão do que seja a vulnerabilidade para os próprios caminhoneiros. O objeto foi delimitado ao mesmo tempo pela atuação das ONGs que tiveram projetos financiados pelo Programa Nacional de DST, HIV e AIDS para atuarem junto a caminhoneiros. A estratégia metodológica elaborada para esta pesquisa envolveu a coleta e a análise de dados de diferentes origens, tipos e qualidades. Foram analisados documentos oficiais, publicações científicas sobre caminhoneiros e HIV/AIDS, propostas de projetos elaboradas por Organizações Não Governamentais, além de se ter realizado um estudo de cunho etnográfico junto aos motoristas, bem como um survey (N=854). O estudo qualitativo e quantitativo com caminhoneiros foi realizado no Rio Grande do Sul, nas cidades de Porto Alegre, Gravataí, Canoas, Rio Grande e Chuí. Foi observado que os caminhoneiros estão inseridos num conjunto complexo de relações sociais, tanto nos locais de concentração aqui estudados (postos de combustível e pátio da Receita Federal), quanto nos seus locais de origem, onde predominam suas relações familiares. O universo social dos postos não é um simples lugar de passagem: há regras de conduta, lideranças, espaços sociais demarcados simbólica e geograficamente, e um contingente de pessoas que mantêm entre si relações de diversas naturezas há bastante tempo. O uso inconsistente do preservativo relatado pelos caminhoneiros entrevistados, especialmente em relações regulares ou estáveis, certamente os coloca em situação de vulnerabilidade para HIV e infecções sexualmente transmissíveis. Contudo, o uso inconsistente do preservativo, aliado à oferta de serviços de profissionais de sexo, não são exclusividades dos caminhoneiros. Salienta-se aqui um aspecto pouco mencionado na revisão da literatura: a vulnerabilidade programática ou institucional dos motoristas.
Abstract The main goal of this study, in the field of the Anthropology of Policy, was to analyze the social construction of the AIDS vulnerability of truck drivers in the South of Brazil, examining the national HIV/AIDS prevention policies. The discourse of three social actors were analyzed using the Medical Anthropology framework: (i) the national gonvernmental AIDS agency, (ii) the Non Governmental Organizations supported by the National AIDS Program to execute prevention projects targeting truck drivers, and (iii) the truck drivers themselves, passing through Rio Grande do Sul state. Three important themes traverse this study: (i) globalization (and the global/local relations), (ii) the identity of a social group or a community, and (iii) the construction of a sexual culture. To understand the social construction of the truck drivers’ vulnerability, I followed the route that this idea went through different institutions and levels. Beginning at international intergovernmental agencies such as the World Health Organization, the United Nations AIDS Program (UNAIDS) and the World Bank, the course followed through the analysis of scientific research on the theme, and finally the national AIDS agency’s discourse. The route finally came to how NGOs seize and use the idea that truck drivers are a vulnerable group, ending with how the truckers themselves perceive their vulnerability to HIV, AIDS and sexually transmitted infections. The study was limited in scope by the action of NGOs who had developed publicly funded projects targeting truck drivers. Methodologically, the study collected and analyzed data of different origins, types and qualities. Official documents, grey literature, scientific papers on truckers and HIV/AIDS, as well as NGO project proposals were studied. Data collection also involved an ethnography and a survey (N=854) of truck drivers. Both qualitative and quantitative studies of truckers were developed in Rio Grande do Sul, southernmost state of Brazil, in the cities of Porto Alegre, Gravataí, Canoas, Rio Grande and Chuí. Truckers are immersed in a social network, both in the truck stops (fuel stations and customs) and in their places of origin (where family relations prevail). The social universe of the truckstops is not a simply a transitory place: there are rules of conduct, leaderships, social spaces which are symbolic and geographically marked, and a number of persons who maintain diverse relations amongst themselves for a long time. Truck drivers did mention inconsistent use of condoms, specially with regular or fixed partners, that certainly increases their vulnerability to HIV and sexually transmitted infections. However, inconsistent condom use, and the availability of commercial sex workers, is not exclusive to truckers or truck stops. Emphasis is given to the programmatic or institucional vulnerability of truck drivers.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/15570
Arquivos Descrição Formato
000685572.pdf (3.677Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.