Repositório Digital

A- A A+

Quantificação demastócitos em lesões de psoríase e correlação com a intensidade do prurido apresentado pelos pacientes com esta dermatose

.

Quantificação demastócitos em lesões de psoríase e correlação com a intensidade do prurido apresentado pelos pacientes com esta dermatose

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Quantificação demastócitos em lesões de psoríase e correlação com a intensidade do prurido apresentado pelos pacientes com esta dermatose
Autor Peres, Letícia Pangendler
Orientador Cestari, Tania Ferreira
Data 2015
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Cirúrgicas.
Assunto Mastócitos
Prurido
Psoríase
Resumo Introdução: A psoríase é uma doença de caráter crônico e bastante prevalente. O prurido associado a ela é um sintoma muito frequente e de difícil controle, podendo trazer sérios prejuízos na qualidade de vida dos pacientes. Estudos prévios demonstraram o aumento na quantificação de mastócitos em lesões de psoríase, porém a associação entre a quantidade células mastocitárias e a intensidade do prurido na psoríase nunca foi avaliada. Objetivo: Avaliar a associação entre a quantificação de mastócitos em lesões de psoríase e a intensidade do prurido apresentado pelos portadores dessa dermatose. Pacientes e Métodos: Foram avaliados 29 pacientes com diagnóstico clínico de psoríase em placas, atendidos no ambulatório de Dermatologia do HCPA. Todos os participantes tiveram suas lesões quantificadas pelos índices PASI (Psoriasis Area and Severity Index) e BSA (Body Surface Area) e responderam a dois questionários: um para definição do impacto da psoríase na qualidade de vida, através do DLQI (Dermatology Life Quality Index), e outro com informações clínicas. A intensidade do prurido foi aferida através de uma escala análogo visual (EAV) e obtida uma biópsia de pele para a quantificação dos mastócitos. A contagem dos mastócitos foi realizada através das colorações Giemsa e imunohistoquímica (IHQ) para CD-117. Resultados: Dos pacientes estudados, 44,8% eram homens e 55,2% mulheres. A idade média dos pacientes foi de 50 anos (desvio padrão = 15 anos). A avaliação do PASI apresentou uma uma mediana de 7.6 (IIC 5,35-15,05) e do BSA de 16% (IIC 10- 29,5). O DLQI apresentou um valor mínimo de 0 e máximo de 26, com mediana de 5 (IIC 2,5-12,5) . Em relação ao prurido, a EAV teve uma variação de 0 à 10, e median com valor de 6 (IIC 2-8), sendo que 93,1% dos pacientes apresentaram algum grau de prurido. Na quantificação de mastócitos nas biópsias de pele, obtivemos uma média de 11,32 mastócitos/campo na técnica de imunohistoquímica (desvio padrão= 4,47) e uma média de 6,72 mastócitos/campo para a coloração de Giemsa (desvio padrão= 2,57). Entretanto, não conseguimos estabelecer correlação entre a intensidade do prurido e a contagem de mastócitos, sendo encontrado um valor de p = 0,152 para a IHQ e de p = 0,116 para Giemsa. Após dividirmos os pacientes em psoríase leve/moderada (PASI≤10) e psoríase grave (PASI>10) também não foi observada correlação estatísticamente significativa com nenhuma das seguintes variáveis: quantificação de mastócitos, tempo de duração da doença, intensidade de prurido, uso de metotrexato, uso de corticóide tópico, tabagismo, presença de comorbidades (hipertensão, dislipidemia ou diabete) sexo e idade. A comparação entre os dois métodos de quantificação de mastócitos, através da técnica de Bland and Altman, mostrou que o IC entre eles está entre -1,49 e 10,83, sendo a técnica de imunohistoquímica considerada a mais sensível. Conclusão: Apesar de os mastócitos serem mediadores pruritogênicos em diversas doenças cutâneas, e ainda que já esteja bem documentado o aumento do número de mastócitos em lesões de psoríase, nossos resultados não foram capazes de estabelecer uma relação entre a quantificação dessas células com a intensidade do prurido referido pelos pacientes. Estes achados reforçam o conceito de que o prurido presente na psoríase possui uma fisiopatologia complexa e multifatorial, envolvendo outros mediadores pruritogênicos além dos mastócitos.
Abstract Introduction: Psoriasis is a chronic disease with a high prevalence. The associated pruritus is a very common symptom and one that is difficult to control, but the mediators involved in psoriatic itching have not been fully established. Objective: To evaluate associations between the number of mast cells in psoriatic lesions and the intensity of pruritus in patients with psoriasis. Patients and Methods: A sample of 29 patients with clinical diagnoses of plaque psoriasis was recruited. All participants were assessed using the Psoriasis Area and Severity Index (PASI) and by Body Surface Area (BSA). A questionnaire was administered to obtain clinical information and the Dermatology Life Quality Index (DLQI) was administered to acquire details relating to the impact of psoriasis on their quality of life. Pruritus was assessed using a visual analog scale (VAS) and skin biopsies were taken for staining with Giemsa and Immunohistochemistry (IHC) with CKit. Results: The immunohistochemical method revealed a mean of 11.32 mast cells/field (standard deviation= 4.47) and Giemsa staining revealed a mean of 6.72 mast cells/field (standard deviation= 2.57). However, there were no correlations between intensity of itching and the mast cell counts, with p values of p = 0.152 for IHC and p = 0.116 for Giemsa. Conclusions: Although mast cells are mediators of pruritus in many cutaneous diseases, our findings support the view that the psoriatic pruritus has complex and multifactorial pathophysiology, involving other pruritogenic mediators beyond mast cells.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/156562
Arquivos Descrição Formato
001017955.pdf (9.420Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.