Repositório Digital

A- A A+

Mercados e reprodução social : um estudo comparativo entre agricultores ecologistas e não ecologistas de Ipê-RS

.

Mercados e reprodução social : um estudo comparativo entre agricultores ecologistas e não ecologistas de Ipê-RS

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Mercados e reprodução social : um estudo comparativo entre agricultores ecologistas e não ecologistas de Ipê-RS
Autor Oliveira, Daniela
Orientador Silva, Marcelo Kunrath
Data 2007
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Ciências Econômicas. Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural.
Assunto Agricultura ecológica
Agricultura familiar
Agroecologia
Desenvolvimento rural
Ipê (RS)
Produção agrícola
[en] Agroecology
[en] Commoditisation
[en] Family agriculture
Resumo A crescente mercantilização da produção agrícola e do mundo rural, provocada pela modernização da agricultura, aliada ao processo de abertura econômica e de desregulamentação dos mercados que ocorre nos países da América Latina a partir dos anos 90, vem submetendo as formas familiares de produção a uma situação de crise econômica que promove, entre outros, a redução das possibilidades de reprodução das famílias de agricultores. Nesse contexto, a continuidade das formas familiares de produção no meio rural está condicionada a mudanças nas estratégias de alocação do trabalho e dos recursos no interior das unidades de produção e das famílias. Entre as mudanças citamos: (a) a desmercantilização da produção agrícola (afastamento sistemático, estratégico e gradual dos mercados de insumos); (b) a vinculação estrategicamente organizada aos mercados de produtos; e (c) a diversificação das fontes de renda e das formas de inserção profissional das famílias. A partir desses referenciais sobre a crise de reprodução social da agricultura familiar e sobre as alternativas necessárias à continuidade dessa forma social, este trabalho tem como objetivo central analisar se a proposta agroecológica no município de Ipê/RS apresentase como uma alternativa concreta, ampliando/modificando/viabilizando as estratégias de reprodução social dos agricultores familiares ecologistas. A fim de destacar as transformações geradas nas estratégias de reprodução a partir do momento em que as famílias passam a praticar a agricultura ecológica, optamos pela utilização de uma comparação entre famílias de agricultores ecologistas e famílias de agricultores não ecologistas. Através dessa comparação foi possível analisar também a utilização das estratégias de adaptação por famílias de agricultores não inseridas na proposta agroecológica. Foi possível concluir que a mercantilização das estratégias produtivas e reprodutivas em Ipê não ocorreu de forma homogênea entre as unidades familiares, mas, ao contrário, gerou uma diversidade de formas de relacionamento entre a agricultura e os mercados agrícolas. Neste processo, tanto no âmbito dos ecologistas, como no âmbito dos não ecologistas, certas esferas da produção e da vida social são mantidas fora dos circuitos mercantis, permanecendo traços de camponês, ou de colono, no agricultor familiar, seja na esfera da produção, seja na da reprodução social. No entanto, apesar da existência de traços comuns entre ecologistas e não ecologistas, e da manutenção entre as famílias de ambos os grupos de um certo distanciamento dos mercado, é possível afirmar que a inserção na rede vem promovendo entre os ecologistas alterações nos processos de inserção e dependência dos mercados. Neste novo processo de inserção mercantil destacam-se as novas formas de vinculação com os mercados de produtos e com o mercado de trabalho, através da recorrência à pluriatividade. Apesar dos gastos com a produção (consumo intermediário) e das necessidades de aquisição de custeio de safras serem menores entre os ecologistas, não foi possível identificar um processo de desmercantilização da esfera da produção, conforme prevíamos, o que pode ser atestado pelo maior imobilização de capital nas atividades produtivas e pela maior inserção dos ecologistas no mercado financeiro, principalmente para a realização de investimentos. Se não podemos afirmar a categoria desmercantilização, a relação entre os indicadores mostra a geração de processos de menor dependência ou maior autonomia destas famílias em relação aos mercados, o que, de acordo com o referencial teórico utilizado, amplia as possibilidades de reprodução social, pelo menos a curto prazo, das famílias ecologistas estudadas.
Abstract The growing mercantilization of agricultural production and of the rural world, forced by the modernization of agriculture, in connection with the process of economic opening and deregulation of the markets that is taking place in the countries of Latin America since the 1990s, is subjecting family farming forms to a situation of economical crisis which causes, among other consequences, the reduction of the possibilities of reproduction of rural farmer families as such. In this context the continuation of family farming in the rural environment would be conditioned to changes in strategies of work and resources allocation within the farms and families. These changes contemplate not only the economic reproduction but also the appreciation of the rural world and of the small farmer job. Such changes will consist of, for example: (a) demercantilization of the agricultural production – strategic systematic gradual detachment from the input market; (b) strategically organized attachment to the product market; and (c) diversification of income generation forms and of professional qualification of families. Starting from these concepts regarding the crisis of social reproduction of family farming and focused on the alternatives for the continuation of this social form in view of this crisis, this work has as main objective to analyze if the agroecology proposal in the Municipality of Ipê, State of Rio Grande do Sul, Brazil, is a concrete alternative in terms of amplifying, modifying and making viable the social reproduction strategies of the ecological farmer families of this municipality. In order to highlight the changes generated by the reproduction strategies from the moment these families turned to ecological agriculture we chose to do a comparison between families of ecological farmers and families of conventional farmers. Through this comparison it was also possible to analyze the use of adaptation strategies among families that do not work with ecological agriculture. It was possible to end that the commoditisation of the productive and reproductive strategies in Ipê didn't happen in a homogeneous way among the family units, but, to the opposite, it generated a diversity in relationship ways between the agriculture and the agricultural markets. In this process, so much in the environmentalists' extent, as in the extent of the not environmentalist, right spheres of the production and of the social life they are maintained out of the mercantile circuits, staying farmer's lines, or of settler, in the family farmer, be in the sphere of the production, be in the one of the social reproduction. However, in spite of the existence of common lines among environmentalist and no environmentalist, and of the maintenance among the families of both groups of a certain estrangement of the market, it is possible to affirm that the insert in the net is promoting among the environmentalists alterations in the insert processes and dependence of the markets. In this new process of mercantile insert they stand out the new links forms with the markets of products and with the job market, through the appeal to the new activities. In spite of the expenses with the production (I consummate middleman) and of the needs of acquisition of costing of harvests they be smaller among the environmentalists, it was not possible to identify a process of commoditisation of the sphere of the production, as we foresaw, what can be attested by the largest capital immobilization in the productive activities and for the environmentalists' largest insert in the finance market, mainly for the accomplishment of investments. If we cannot affirm the category reduction of the commoditisation, the relationship among the indicators shows the generation of processes of smaller dependence or larger autonomy of these families in relation to the markets, which, in agreement with the theoretical references used, it enlarges the reproduction possibilities social, at least short term, of the studied environmentalist families.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/16026
Arquivos Descrição Formato
000661204.pdf (669.1Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.