Repositório Digital

A- A A+

Atividade antimicrobiana desinfetante "in vitro" de extrações vegetais (decoctos) frente bactérias padronizadas de interesse em Medicina Veterinária : sub-projeto Casearia sylvestris e Polygonum hydropiperoides

.

Atividade antimicrobiana desinfetante "in vitro" de extrações vegetais (decoctos) frente bactérias padronizadas de interesse em Medicina Veterinária : sub-projeto Casearia sylvestris e Polygonum hydropiperoides

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Atividade antimicrobiana desinfetante "in vitro" de extrações vegetais (decoctos) frente bactérias padronizadas de interesse em Medicina Veterinária : sub-projeto Casearia sylvestris e Polygonum hydropiperoides
Autor Tresoldi, Grazyne
Orientador Avancini, Cesar Augusto Marchionatti
Co-orientador Dallegrave, Eliane
Data 2008
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Veterinária. Curso de Medicina Veterinária.
Assunto Agroecologia
Antimicrobianos
Plantas medicinais : Utilizacao
Resumo Na prevenção e no controle de enfermidades transmissíveis em saúde e produção animal, a ação sobre os agentes morbígenos existentes nas fontes ambientais de infecção merece atenção, denominando-se os procedimentos aplicados como desinfecção e anti-sepsia. Limitações como custos e possíveis resistências de microrganismos aos produtos químicos convencionais, bem como demanda por tecnologias adequadas ao sistema de produção agroecológico motivaram o desenvolvimento de pesquisa buscando soluções antimicrobianas originadas de extrações de vegetais. Realizou-se 4 entrevistas com manipuladores de plantas nos municípios de Porto Alegre/RS, Campo Erê, Anchieta e São Bernardino no oeste de SC, buscando informações a respeito de plantas utilizadas para doença de pele e mastite bovina. As amostras utilizadas foram colhidas de sistema agrosilvestre. A forma decocto foi obtida submetendo as folhas de C. sylvestris e as folhas e inflorescências de P. hydropiperoides, na proporção de 1g:10mL, à cocção por 15 minutos, repondo o volume perdido pela evaporação. Na avaliação da atividade antimicrobiana foi usado o método de diluição com 12 tempos de contato (1 min, 5 min, 30 min 1 até 8 h, e às 24 h), frente bactérias Gram-positivas (Staphylococcus aureus ATCC 6.538; Rhodococcus equi ATCC 6.939) e Gram-negativas (Salmonella Choleraesuis ATCC 10.708; Escherichia coli ATCC 11.229) em 3 diluições logarítmicas. Observou-se que o decoto das três amostras promoveram a inativação das bactérias Gram positivas nas 24h de contanto na dose infectante 106 UFC/mL. Frente a S. Choleraesuis o decocto de P. hydropiperoides promoveu a inativação de 106 UFC/mL já no primeiro minuto de contato, e os de Casearia às 8h sobre 107 UFC/mL. No confronto com E. coli, apenas o decocto de P. hydropiperoides inativou esse inóculo com 106 UFC/mL, em 24h de contato. Os resultados demonstram a atividade antimicrobiana dessas plantas, e que esta atividade está condicionada pelo inóculo, pelo tempo de contato e pela dose infectante.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/16112
Arquivos Descrição Formato
000682713.pdf (3.990Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.