Repositório Digital

A- A A+

Maturação in vitro de oócitos de caninos (Canis familiaris) na presença de cisteína e α-Tocoferol

.

Maturação in vitro de oócitos de caninos (Canis familiaris) na presença de cisteína e α-Tocoferol

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Maturação in vitro de oócitos de caninos (Canis familiaris) na presença de cisteína e α-Tocoferol
Autor Cavalcante, Liziane Ferraresi Holanda
Orientador Rodrigues, Jose Luiz
Data 2009
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Veterinária. Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias.
Assunto Cisteina
Maturacao
Oócitos
Reproducao animal : Caes
[en] Canine
[en] In vitro maturation
[en] Oocyte
[en] Oxidative stress
Resumo O desenvolvimento de meios de cultivo eficazes para a maturação in vitro de oócitos caninos tem sido um desafio para os pesquisadores em reprodução animal. O estresse oxidativo desempenha papel fundamental na maturação oocitária, uma vez que altas concentrações de espécies reativas ao oxigênio levam ao dano celular e apoptose. O objetivo desta pesquisa foi determinar as taxas de maturação nuclear de oócitos caninos na presença de cisteína e α-tocoferol, substâncias conhecidas por suas propriedades antioxidantes. No experimento 1, avaliou-se a taxa de maturação nuclear de oócitos caninos mantidos em meio TCM-199 modificado (A) (controle) ou acrescido de 0,57mM de cisteína (B). No experimento 2, determinou-se as taxas de maturação nuclear na presença de diferentes concentrações de α-tocoferol em duas etapas independentes: experimento 1 (0, 10, 50μM) e experimento 2 (0, 100 e 500μM). Os dados foram analisados pelo teste do Qui-quadrado (P < 0,05). No experimento 1, não foi observada diferença estatística entre as taxas de Metáfase I/Anáfase I (MI/AI) e Metáfase II (MII) entre os oócitos do grupo controle (A) (7,5%, 16/213; 1,9%, 4/213) e os oócitos do grupo acrescido de cisteína (B) (6,3%, 14/223; 0,9%, 2/223). No experimento 2, não houve diferença significativa nas taxas de MI e MII dos oócitos entre os tratamentos da primeira etapa: controle (26,8%, 29/108), 10μM (22,6%, 26/115) e 50μM (29,1%, 30/103). Na segunda parte do experimento, a percentagem de oócitos que retomaram a meiose (VGBD à MII) foi de 31,9% (31/97), 34,9% (39/112) e 51,5% (54/105) para os grupos controle,100 e 500μM de α-tocoferol respectivamente (P < 0,05). Entretanto, nenhum aumento nas taxas de MII foi observado quando foram utilizadas as concentrações de 100μM (0,9%, 1/112) ou 500μM (1,0%, 1/105) de α- tocoferol no meio. Concluiu-se que, o TCM-199 modificado suplementado com cisteína não foi eficaz em elevar os índices de maturação in vitro de oócitos caninos. Ainda, a suplementação de α-tocoferol não afetou as taxas de MII de oócitos caninos.
Abstract The development of effective culture media for in vitro maturation of canine oocytes has been a challenge for researchers in animal reproduction. Oxidative stress plays a critical role in oocyte maturation since high concentrations of reactive oxygen species lead to cell damage and apoptosis. This research aimed to determine the rates of nuclear maturation of canine oocytes in the presence of cysteine and α-tocopherol, substances known for its antioxidant properties. In experiment 1, the rates of oocytes nuclear maturation exposed to modified TCM-199 (A) (control) or added with 0.57mM cysteine (B) were evaluated. In experiment 2, the rates of oocytes nuclear maturation in the presence of different concentrations of α-tocopherol were determined in two independent essays: experiment 1 (0, 10 and 50μM) and experiment 2 (0, 100 and 500μM). Data were analyzed by the Chi-square test (P < 0.05). The data obtained in experiment 1 allowed no difference among the oocytes in Metaphase I/Anaphase (MI/AI) (7.5%, 16/213; 1.9%, 4/213) and Metaphase II (MII) (6.3%, 14/223; 0.9%, 2/223) rates observed in the medium without or supplemented with cysteine respectively. In experiment 2, there was no significant difference in the rates of MI and MII oocytes among treatments designed for the first essay: control (26.8%, 29/108), 10μM (22.6%, 26/115) and 50μM (29.1%, 30/103). In the second part of the experiment, the percentage of oocytes that resumed meiosis (GVBD to MII) was 31.9% (31/97), 34.9% (39/112) and 51.5% (54/105) for control, 100 and 500μM groups respectively (P < 0.05). However, no improvement on rates of MII was observed when either 100 or 500μM α-tocopherol was added in medium. It was concluded that, modified TCM-199 supplemented with cysteine, was not effective in raising the rates of in vitro maturation of bitch oocytes. Moreover, α-tocopherol supplement did not affect the rates of MII in canine oocytes.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/16147
Arquivos Descrição Formato
000697812.pdf (435.7Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.