Repositório Digital

A- A A+

Quando a masculinidade encontra o envelhecimento : experienci(a)ções de reconhecimento e de cuidado no cotidiano de idosos rurais

.

Quando a masculinidade encontra o envelhecimento : experienci(a)ções de reconhecimento e de cuidado no cotidiano de idosos rurais

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Quando a masculinidade encontra o envelhecimento : experienci(a)ções de reconhecimento e de cuidado no cotidiano de idosos rurais
Outro título When masculinity meets aging : experiences of recognition and care in the daily lives of rural elders
Autor Burille, Andréia
Orientador Gerhardt, Tatiana Engel
Data 2017
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem.
Assunto Enfermagem em saúde comunitária
Envelhecimento
Saúde coletiva
Saúde da população rural
Saúde do homem
[en] Community health nursing
[en] Health of the elderly
[en] Masculinity
[en] Men's health
[en] Rural population
Resumo No envelhecer, os homens se deparam com desafios particulares, ao lidar com uma dualidade de exigências: as sociais e as de saúde. Os mandatórios do modelo de masculinidade hegemônico, não mais possíveis de serem alcançados em sua plenitude - seja pela vivência do adoecimento crônico ou pelas dificuldades nas atividades laborais - despertam diferentes reações, que ora podem pender para ajustamentos, ora para negação das normas geradas pelo envelhecer. Nessa experiência, as relações sociais, a depender do que colocam em circulação, contribuem para a geração de situações de cuidado ou de sofrimento que repercutem na saúde, e é sob essa perspectiva que se assenta este estudo. Com a finalidade de contribuir para a temática pertinente à saúde do homem em sua diversidade, propôs-se uma pesquisa qualitativa, cujo cenário focalizou uma comunidade rural de um pequeno município pertencente ao Vale da Luz/RS. As informações produziram-se entre os meses de dezembro de 2015 e setembro de 2016, por meio da aplicação de entrevistas abertas a dez homens idosos e da composição de diários de campo. O processo analítico teve como referenciais de gênero o estudo de Scott, e a Teoria de Reconhecimento, de Honneth. Do encontro entre masculinidade e envelhecimento, revelou-se assincronia entre os ciclos vitais e as expectativas do modelo de masculinidade hegemônica. Na impossibilidade de ressignificar os mandatórios, os homens, colocam em risco sua saúde, adotando posturas alijadas na negação da vulnerabilidade do corpo e no adoecimento, que somadas ao distanciamento dos serviços de saúde - centrados majoritariamente, no urbano - acentuam a vulnerabilidade masculina no contexto rural. O reconhecimento pelo amor demonstrou-se como modulador do cuidado nas condições crônicas, em seu sentido biológico, pelo vigiar que atua no controle das medicações, no acompanhamento das consultas, no preparo de uma refeição. Por outro lado, produz sofrimento, ao atentar o ideário de invulnerabilidade e marcar que a autossuficiência pode ser parcial no envelhecimento. A aposentadoria, mais que um direito, surgiu nos relatos como forma de reconhecimento do Estado, ao ofertar acesso a bens materiais - antes não alcançados ou pouco acessíveis. Na esfera do direito, o acesso aos serviços de saúde foi pontuado, todavia, as narrativas indicaram que isso por si só não basta, demandando interesse e comprometimento para se estabelecer reconhecimento. As identidades - colono, trabalhador e alemão – constituem categorias de estima e fomentam solidariedade, sobretudo em situações de adoecimento, de perdas de familiares ou de bens materiais. Do enlace entre as ações de reconhecimento e a vivência masculina do envelhecimento, as relações mostraram-se potentes aliadas no cuidado em saúde, mas ao distanciarem os homens dos mandatórios do modelo hegemônico de masculinidade ou colocarem em circulação juízos de valor depreciativos de escolhas e de modos de ser, também se mostram capazes de causar sofrimento.
Abstract In the process of getting older, men face particular challenges in dealing with a duality of demands: the social and the health ones. The mandates of the model of hegemonic masculinity, impossible to be fully achieved, either because of living with chronic diseases or because of difficulties in work activities, bring different reactions, which sometimes may remain pending to be adjusted, sometimes as a denial of the norms generated by aging. In this experience, social relations, depending on what they put into circulation, contribute to generate situations of care or suffering, which have an impact on health, and it is in this perspective that this study is oriented. In order to contribute to the issue of men’s health, in its diversity, a qualitative research was proposed, which was based on a rural community of a small municipality belonging to the Valley of Light (RS). The information was produced in the months between December 2015 to September 2016, through open interviews with 10 elderly men and daily journal writing. The analytical process was based on Scott's gender and Honneth's recognition concepts. In the confrontation between masculinity and aging is revealed a diachrony between the life cycles and the expectations of the hegemonic model of masculinity. In the impossibility of resignifying the mandates, men put their health in risk, adopting positions born in denying the vulnerability of the body and the disease, which in addition with the distance from health services, mostly concentrated in urban centers, accentuate male vulnerability in the rural context. Recognition through love was demonstrated as a modulator of care in chronic conditions, in its biological sense, by the vigil that acts in the control of medications, being company in the medical visits, in the preparation of a meal. On the other hand, it produces suffering, by undermining the ideal of invulnerability and marking that self-sufficiency may be partial in aging. Retirement, more than a right, arises in the stories as a form of recognition of the State, by offering access to material goods, previously unreached or inaccessible. In the area of law or access to health services, was pointed out, however, that this alone is not enough, it is also necessary interest and commitment to establish recognition. Colonial, working, and German identities are categories of esteem, and foster solidarity, especially in situations of illness, loss of family or property. On the link between actions of recognition and the male experience of aging, relationships were powerful allies in health care, but by distancing men from the mandates of the hegemonic model of masculinity, or by putting into circulation contemptuous judgments about choices and ways of being, are also capable of fostering suffering.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/163896
Arquivos Descrição Formato
001025915.pdf (4.326Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.