Repositório Digital

A- A A+

A lei de Zipf e os efeitos de um tratado de livre comércio : caso da Guatemala

.

A lei de Zipf e os efeitos de um tratado de livre comércio : caso da Guatemala

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título A lei de Zipf e os efeitos de um tratado de livre comércio : caso da Guatemala
Autor Orellana Aragón, Jorge Alberto
Orientador Pôrto Júnior, Sabino da Silva
Data 2009
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Ciências Econômicas. Programa de Pós-Graduação em Economia.
Assunto Crescimento econômico
Crescimento urbano
Geografia econômica
Guatemala
Liberalização comercial
[en] Cities
[en] Pareto distribution
[en] Zifp's law
[es] Ciudades
[es] Distribución de pareto
[es] Ley de Zipf
Resumo Nos últimos 50 anos, registrou-se na América Central um dos processos de integração econômica e regional mais antigos do continente americano. O comércio intra-regional aumentou e dinamizou-se significativamente a partir da formação, em 1960, do Mercado Comum Centro-Americano (MCCA), assim como processos de integração de acordos bilaterais, regionais e multilaterais de livre comércio. A partir desses acordos, surge uma nova perspectiva para estudar os efeitos do comércio internacional, segundo a Nova Geografia Econômica (NGE), a qual tenta explicar como a evolução da distribuição do tamanho das cidades pode ser representada por uma distribuição de Pareto, que deriva numa regularidade empírica chamada Lei de Zipf, que brinda uma explicação de como interagem as forças de aglomeração nos centros urbanos, que favorecem a atividade econômica e o comércio internacional em geral. Esta dissertação procura investigar a maneira como as mudanças na política comercial geraram impacto sobre a ordem no tamanho das cidades e a influência no crescimento econômico da Guatemala. Para esse propósito, foi estimado o coeficiente de Pareto no período compreendido entre 1921-2002, e como um valor agregado na proposta original, foram introduzidas duas não-linearidades na distribuição e uma medida de apoio, como o Índice Hirschman-Herfindahl, para medir o grau da concentração urbana. Por outra parte, foi utilizado um modelo de taxas de variação para medir o impacto de abertura comercial no período de 1960-2002 sobre o crescimento econômico resultante. Portanto, pode-se enfatizar que alterações no tamanho da amostra podem conduzir a diferentes interpretações. Os resultados obtidos apontam um leve crescimento na desigualdade e divergência, apesar do índice de concentração urbana mostrar uma queda gradual desde o ano de 1964, na época MCCA, até o ano de 2002. No caso do período de 1973-2002, pode-se verificar a Lei de Gibrat, que indica ser o crescimento das cidades independente do seu tamanho. Também se verifica a hipótese de que a concentração urbana tem uma relação inversa com a abertura comercial, e que ela está correlacionada de forma positiva com o crescimento econômico no período de 1921- 1964. Com esses resultados, pode-se mostrar o caminho futuro da evolução do crescimento urbano, onde as maiores cidades reduziram o seu crescimento e as médias e pequenas cidades cresceram a um ritmo mais acelerado que os grandes centros, impulsionadas pelo crescimento do comércio internacional.
Resumen En los últimos 50 años, se registró en Centro América uno de los procesos de integración económica y regional más antiguos del continente. El comercio intra-regional aumento y se dinamizo significativamente a partir de la formación, en 1960, del Mercado Común Centroamericano (MCCA), así como a los procesos de integración como acuerdos bilaterales, regionales y multilaterales de libre comercio. A partir de esos acuerdos, surge una nueva perspectiva para estudiar los efectos del comercio internacional, la Nueva Geografía Económica (NGE) la cual intenta explicar como la evolución de la distribución del tamaño de las ciudades puede ser representada por una distribución de Pareto, que se deriva en una regularidad empírica llamada la Ley de Zipf, que brinda una explicación de como interactúan las fuerzas de aglomeración en los centros urbanos y que favorecen a la actividad económica en el comercio internacional en general. Esta disertación busca investigar como los cambios en la política comercial generaran un impacto sobre el orden en el tamaño de las ciudades y esto a su vez como influencia en el crecimiento económico de Guatemala. Para ese propósito, fue estimado el coeficiente de Pareto en el período comprendido entre 1921-2002 y como un valor agregado en la propuesta original, fueran introducidas dos no-linealidades en la distribución y una medida de apoyo, como el Índice Hirschman-Herfindahl, para medir el grado de concentración urbana. Por otra parte, fue utilizado un modelo de tasas de variación para medir el impacto de apertura comercial en el período de 1960-2002 sobre el crecimiento económico resultante. Por lo tanto, se puede enfatizar que alteraciones en el tamaño de la muestra pueden conducir a diferentes interpretaciones. Los resultados obtenidos apuntan un leve crecimiento en la desigualdad y divergencia, a pesar de que el índice de concentración urbana muestra una caída gradual desde el año de 1964, en la época del MCCA, hasta el año de 2002. En el caso del período de 1973-2002, se puede verificar la Ley de Gibrat, que indica que el crecimiento de las ciudades es independiente de su tamaño. También se verifica la hipótesis de que la concentración urbana tiene una relación inversa con una apertura comercial y que está correlacionada de forma positiva con el crecimiento económico en el período de 1921-1964. Con estos resultados, se puede mostrar el camino futuro de la evolución del crecimiento urbano, donde las mayores ciudades reducirían su crecimiento y las medianas y pequeñas ciudades crecerán a un ritmo más acelerado que los grandes centros, impulsadas por el crecimiento del comercio internacional.
Abstract Over the last 50 years, in Central America was developed one of the oldest processes of economic and regional integration of the American Continent. Since the establishment in 1960 of the Central American Common Market (CACM), intra-regional trade significantly increased under multilateral, bilateral and regional free trade agreements of the integration process. Today, a new perspective exists in the study of the effects of international trade offered by the New Economic Geography (NEG) that seeks to explain the evolution and distribution of the size of the cities that can be represented by Pareto's distribution, derived from a well-known empirical regularity known as the Zipf's Law, which promotes an explanation of how the agglomeration forces in the urban centers interact in favor of economic activity and international trade. This dissertation tries to investigate the way in which the changes in trade policy generate changes in the order of the size in the cities, thus influencing the economic growth of Guatemala. To this purpose Pareto's coefficient was estimated for the period between 1921 and 2002 and it was considered as an aggregated value and therefore the original proposal of two not-linealities were introduced in the distribution as support, as the Hirschman-Herfindahl Index to measure the degree of the urban concentration. On the other hand, a model of variation rates was used during the 1960 and 2002 period to measure the trade impact of the trade opening on the resulting economic growth. Therefore, a model of variation rates was used to measure the impact of the trade opening on the resulting economic growth during the 1960-2002 period. For that reason, it is possible to emphasize the alterations in the size of the sample that can achieve different interpretations. The results obtained point to a slight growth in inequality and divergence, even though the index of urban concentration shows a gradual fall from 1964 during the CACM period up to 2002; which otherwise means that small cities grew at a smaller rate than the larger cities did. In the case of the 1973-2002 period, it is possible to verify Gibrat's Law which indicates that the growth of the cities is independent to its size. Also the hypothesis is verified that the urban concentration has an inverse relation with the trade opening and that the urban concentration is correlated in a positive form with the economic growth during the 1921-1964 period. With these results it is possible to show the future way of the evolution of urban growth where major cities would reduce its growth, and the middle and small cities will grow further at a more accelerated rate than the major cities driven by the growth of international trade.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/16417
Arquivos Descrição Formato
000701569.pdf (669.7Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.