Repositório Digital

A- A A+

Um estudo sobre situacoes de risco para contaminacao pelo virus hiv em usuarios de drogas da cidade de Porto Alegre

.

Um estudo sobre situacoes de risco para contaminacao pelo virus hiv em usuarios de drogas da cidade de Porto Alegre

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Um estudo sobre situacoes de risco para contaminacao pelo virus hiv em usuarios de drogas da cidade de Porto Alegre
Autor Pechansky, Flavio
Orientador Busnello, Ellis Alindo D'Arrigo
Co-orientador Bozzetti, Mary Clarisse
Data 1998
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Curso de Pós-Graduação em Clínica Médica.
Assunto Epidemiologia
Fatores de risco
Porto Alegre (RS)
Síndrome de imunodeficiência adquirida
Transtornos relacionados ao uso de drogas
Resumo Utilizando como base uma amostra de 695 usuários de drogas de Porto Alegre, recrutados através de técnicas não convencionais de amostragem, foram realizados dois estudos subseqüentes. Os estudos utilizaram como instrumento de coleta um formulário padrão auto-administrado (CRA), que cobre aspectos relativos ao uso de drogas, testagem HIV. comportamento sexual e preocupação com a transmissão do vírus. O instrumento foi adaptado a partir de um formulário norteamericano, sendo submetido a tradução reversa e validação concorrente. O prin1eiro estudo teve como objetivo descrever as características da população de usuários de drogas que é atendida em locais-chave de Porto Alegre. As variáveis gênero, faixa etária, escolaridade, práticas de risco (atuais e passadas), uso atual de drogas. e uso de drogas injetáveis foram analisadas com o objetivo de investigar sua possível relação com o estado HIV da amostra estudada, através de análises bivariadas. F oram realizadas análises multivariadas das variáveis que foram consideradas significativas e de interesse clinico-epidemiológico, de acordo com um modelo teórico de exposição a risco proposto pelo autor, com a finalidade de futuramente propor subsídios para programas preventivos específicos para os diferentes estratos analisados. O segundo estudo teve como finalidade avaliar a utilização do CRA em nosso meio, testando a utilidade de um Escore Geral de Risco (EGR) que sumarizasse o grau de risco para a transmissão do vírus IDV ou de sub-escores de risco para Uso de Drogas (ERUD) e para Risco Sexual (ERS), desenvolvidos 7 a partir do instrumento padrão. Os resultados do primeiro estudo demonstraram haver similaridade na taxa geral de soropositividade entre os gêneros (23.6% homens, 20.3% mulheres), havendo uma associação linear entre idade e soropositividade, e uma relação inversa entre anos de estudo e soropositividade e entre renda e soropositividade. Foi possível perceber uma distribuição diferente entre situações de risco para soropositividade entre os gêneros. com predominância do uso de drogas iJ1jetáveis pelo gênero masculino e pelos indivíduos mais velhos e de trocas envolvendo sexo e dinheiro por parte do gênero feminino, sem diferenças de idade. A escolaridade esteve inversamente associada ao uso de drogas injetáveis e às relações sexuais pagas. A renda não discriminou o uso de droga injetável nesta amostra. e as relações envolvendo sexo e dinheiro tiveram uma tendência de associação inversa com renda, com significância estatística marginal. As drogas mais utilizadas foram álcool, maconha e cocaína inalada, sendo a maconha utilizada preferencialmente pelos homens. O uso de cocaina injetável mostrou-se diretamente associado com a soropositividade, independentemente da recenticidade do uso, sendo sempre mais freqüente nos homens do que nas mulheres, e nos indivíduos com menos escolaridade. A freqüência de uso de preservativos não apresentou diferenças entre os gêneros ou idade no que compete à soropositividade, à exceção da faixa etária mais velha. As análises multivariadas confirmaram em parte o modelo teórico proposto, demonstrando haver um risco aumentado para soropositividade em indivíduos acima de 30 anos (RC=2,64; IC=l ,09; 6,32), com renda abaixo de um salário minimo (RC=2,75: IC= 1,28: 5,90), e que fizeram uso de droga injetável no último mês (RC=4.30; IC= 2,20; 8,39) ou a partir de 1980 (RC=5,18; IC= 2,89: 9,28). O modelo multivariado que inclui a variável uso de droga injetável a partir de 1980 apresentou, além dos achados anteriores, também um aumento do risco para soropositividade na faixa de menor escolaridade (RC=2,10: IC=l,02; 4,36). Os achados referentes às análises bi- e multivariadas são discutidos com base no modelo etiológico proposto, conf1rmando a associação entre escolaridade e idade nas questões relativas à baixa percepção de risco como fator de exposição para o vírus HIV. Entretanto, a variável gênero não discriminou soropositivídade nem ao nível das análises bivariadas, contrariando a literatura vigente. Este efeito pode ser explicado por um número reduzido de casos para análise, ou pelo efeito de outras variáveis (ex.: sexo com parceiro UDD e que não foram incluídas no modelo de risco proposto. Variáveis não incluídas diretamente no modelo original, mas que mostraram relevância clínico-epidemiológica, tais como renda e escolaridade, são discutidas na proposição de um modelo etiológico mais abrangente. Os resultados do segundo estudo, em que vinhetas clínicas de dez casos típicos tiveram seus escores do instrwnento comparados com o julgamento de juízes independentes, sugerem que mesmo que um EGR mais alto - ou mesmo um ERUD ou ERS - esteja associado com maior taxa de soropositividade ou de uso de drogas injetáveis, um escore isolado não foi capaz de sumarizar ou traduzir todas as informações clínicas necessárias para compor um perfil de exposição a risco para contaminação para o HIV em usuários de drogas, quando comparado com o julgamento independente de juízes especialistas. O estudo apresenta ainda na sua introdução uma revisão dos aspectos históricos e epidemiológicos da epidemia de transmissão da AIDS no mundo e em especial no país, assim como referenciais teóricas que buscam explicar o uso de substâncias e a exposição a risco na amostra estudada.
Abstract Two studies were conducted using a sample of 695 drug users recruited through unconventional sampling techniques in Porto Alegre, Brazil. The studies used a selfadministered, standardized data collection instrument (CRA) which covers aspects of drug use, sexual behavior, IDV testing, and concern about IDV transmission. The instrument used was adapted from an American questionnaire which was translated, back-translated and concurrent validaton. The goal o f the first study was to describe the characteristics o f drug users who are seen in key locations in Porto Alegre. The relationship between IDV status and severa! variables - gender, age, educational attainment, risk practices ( current and past), current drug use, and injection drug use was examined using bivariate analyses. Multivariate analyses were conducted on variables that showed significant relationships in the bivariate analyses, and those that were considered to be of clinical-epidemiologic interest according to the theoretical model o f risk exposure proposed by the author. These analyses were dane for the purpose of identifying specific strategies and types o f assistance that are applicable to the different groups analyzed, thereby informi.ng the development o f future prevention programs. The purpose o f the second study was to evaluate the use o f the CRA in our sample, testing the utility o f the Overall Risk Score-- which summarizes the degree o f risk for HIV transmission - or the sub-scores ofRisk for Drug Use and for Sexual Risk, which were developed from the standard instrument. The results o f the first study showed similar seropositivity rates for men and women (23.6% vs. 20.3%), a linear relationship between age and seropositivity, and an inverse relationship between education and seropositivity and between income and seropositivity. It is clear, however, that men and women are different in terms oftheir HIV risk practices, with males and older people reporting more injection drug use and women, regardless of age, reporting more sex for money exchanges. Levei of education was inversely related to both injection drug use and paid sexual encounters. Income was not related to injection drug use in this sample, however, sex for money exchanges tended to show an inverse relationship to income, with marginal statistical significance. The most commonly used drugs were alcohol, marijuana, and snorted cocaine, with marijuana being used primarily by men. The injection o f coca in e was directly related to seropositivity, regardless o f the recency o f use, and was more common among men and those with lower educational attainment. The frequency o f condom use did not differ by gender o r age with respect to seropositivity, with the exception ofthe oldest age group. Multivariate analyses confirmed in pa11 the proposed theoretical model, by demonstrating an elevated risk for seropositivity in persons over age 30 (OR=2.64; C.I.=l.09, 6.32), with income below one minimum sal ary (OR= 2.75; C.I =1.28,5.90), and reporting injection drug use in the past month (OR=4.30; C.I.=2.20,8.39) or after 1980 (OR=S.l8; C.I.=2.89,9.28). The multivariate model that included the variable for injection drug use after 1980 also showed, in addition to the previous fmdings, an elevated risk for seropositivity in the low-education group (OR=2.l O; C.l.=l.02, 4.36). The interpretation ofthe findings ofthe bi- and multivariate analyses were based on the proposed etiologic model, confmning the association between education and age with respect to Iow levei o f risk perception as a factor for exposure to HIV. However, contrary to much o f the literature, gender was not related to seropositivity even at the bivariate levei. This effect may be explained by the small number of cases for analysis, or by the effect of other variables (i.e. sex with an IDU partner) that were not included in the proposed model o f risk. Variables that were not included in the original model, but showed clinical-epidemiologic relevance, such as income and education, are discussed in the proposal for a more inclusive etiologic model. The results ofthe second study, in which the scores on clinicai vignettes of ten typical cases were compared against the opinions o f independent judges, suggested that even if an elevated General Risk Score- or even a Risk for Drug Use Score or Sexual Risk Score- was associated with a higher rate of seropositivity or injection drug use, an isolated se ore was not capable o f summarizing o r translating ali o f the necessary clinicai information to create an HIV risk exposure profile for drug users, when compared to the independent opinions of expert judges. In its introduction, this study presents a revision o f the historical and epidemiologic aspects ofthe AIDS epidemic in the world and especially in Brazil, as well as theoretical references whjch seek to explain substance use and exposure to risk in the sample studied.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/164507
Arquivos Descrição Formato
000245389.pdf (33.86Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.