Repositório Digital

A- A A+

A corporeidade e a temporalidade em processos de adoecimento no trabalho

.

A corporeidade e a temporalidade em processos de adoecimento no trabalho

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título A corporeidade e a temporalidade em processos de adoecimento no trabalho
Autor Silveira, Andréa Luiza da
Orientador Merlo, Alvaro Roberto Crespo
Data 2017
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Psicologia. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional.
Assunto Condições de trabalho
Corporeidade
Doenças ocupacionais
Luta de classes
Saúde do trabalhador
Sofrimento
Temporalidade
Resumo Objetivamos, nesta tese, desvelar as categorias temporalidade e corporeidade no processo de adoecimento de trabalhadores, em especial da indústria frigorífica. Compomos a relação entre o sujeito, a situação e a história a partir da vivência dos participantes da pesquisa, situando-a frente ao contexto de trabalho de uma unidade da corporação frigorífica com inserção no mercado de ações, ligando-a, então, com a história, destacando a luta de classes no âmbito coletivo e singular. A metodologia utilizada foi composta por duas modalidades de entrevista de acordo as peculiaridades dos participantes: as entrevistas narrativas, adequadas aos sindicalistas e aos profissionais, bem como as entrevistas narrativas biográficas a fim de compreender a condição de trabalhadores em processo de adoecimento. A compreensão das entrevistas foi marcada pela relação do trabalho com o capital à medida que o entendemos representado no cotidiano do processo laboral pela organização do trabalho. Identificamos, inicialmente, a superexploração como característica organizacional do trabalho nesta unidade da corporação do setor de abate e beneficiamento de carnes, sobretudo pela maneira como o tempo de trabalho é controlado, com destaque para a jornada do trabalho, pausas no decorrer do dia do turno e o ritmo de trabalho. Estas análises nos levaram a discriminar a dinâmica luta de classes e dominação, em que a hierarquia dentro da fábrica tem função fundamental, sobretudo pelas condutas que caracterizam o assédio moral organizacional e o abuso de fragilidade. Tais ocorrências constituem-se no transcorrer do processo de trabalho, no qual o adoecer ocorre por meio de exigências referentes ao tempo de trabalho, refletindo em afetações expressas pelas vivências de dor e de tristeza. No processo de adoecimento inerente ao processo de trabalho, verificamos o impacto na temporalidade, principalmente ao relacionarmos o futuro do passado e do presente, que configuram aspectos tanto da modificação da corporeidade quanto do campo de possíveis, no qual os trabalhadores adentram no que designamos como ciclo do adoecimento. O sofrimento dos trabalhadores se faz notar por meio da tristeza ao se depararem com as impossibilidades frente ao campo de possibilidades no seu adoecer. Ao investigarmos o adoecer e a ligação com a organização do trabalho, averiguamos que as narrativas dos trabalhadores se misturam com preceitos das narrativas organizacionais pautadas pelo neoliberalismo. Estas são presentificadas no cotidiano da unidade frigorífica desta corporação pela média gerência e, igualmente, constituem elementos do imaginário historicamente estruturado que, por fim, são estruturantes e conformam a própria temporalização. Nossa trajetória investigativa possibilitou demarcar as condições de possibilidade do adoecer e notamos, então, traços biográficos que denotam as histórias dos trabalhadores, são eles: a migração da roça para trabalhar no frigorífico; as vivências frente o assédio moral organizacional e o abuso de fraqueza; a modificação de vivências antes e depois de adoecer pelo trabalho; a perda da categoria do possível, e; as inviabilizações que põem o futuro em questão. Entendemos, desse modo, que o campo de possíveis circunscritos pela corporação, caracterizado pela racionalidade mais ampla das instituições sobre o adoecimento dos trabalhadores, bem como a racionalidade sobre o adoecimento no contexto organizacional e a forma como os processos de trabalho são organizados, configuram-se como condição de possibilidade para a ocorrência das LER/Dort, o sofrimento psíquico e os transtornos psíquicos.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/164741
Arquivos Descrição Formato
001027545.pdf (1.585Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.