Repositório Digital

A- A A+

Labor induction with misoprostol versus dinoprostone : a meta-analysis of seven randomized trials

.

Labor induction with misoprostol versus dinoprostone : a meta-analysis of seven randomized trials

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Labor induction with misoprostol versus dinoprostone : a meta-analysis of seven randomized trials
Outro título Indução do parto com misoprostol versus dinoprostone : uma meta-análise de sete ensaios clínicos randomizados
Autor Costa, Sergio Hofmeister de Almeida Martins
Nucci, Luciana Bertoldi
Ramos, José Geraldo Lopes
Abstract OBJECTIVE: To compare the efficacy and safety of two prostaglandin analogs, misoprostol and dinoprostone, for labor induction of third trimester pregnancies with fetus and cervices unfavorable to oxytocin, as reported by recently published studies. METHODS: Seven randomized, controlled and prospective studies, comparing intravaginally applied misoprostol (n=500) with dinoprostone (n=498) were selected from Medline. For each variable analyzed in each of the seven studies reviewed, we used SerSimonian and Laird’s method to evaluate the homogeneity of treatment effects. To analyze the results of each clinical trial, the relative risk was calculated with a 95% Confidence Interval; a “common” RR for different outcomes was also calculated using the Mantel-Haens method, with the SAS statistical package. The following outcomes were evaluated in our study: need for oxytocin augmentation; need for cesarean section; meconium passage; 1- and 5-minute Apgar scores RESULTS: When misoprostol was used instead of dinoprostone, there was a decrease of approximately 50% in the need to use oxytocin (RR = 0.55; 0.49-0.63). No difference was found regarding the need to perform cesarean sections in the misoprostol group when compared to the dinoprostone group (RR = 1.04; 0.81-1.34). There was a slightly higher incidence of meconium passage among the group that used misoprostol (RR = 1.39; 1.03-1.86). No significant difference in the incidence of Apgar score smaller than 7 was observed between the misoprostol or dinoprostone group, either at the 1st (RR = 1.36; 0.92-2.26) or at the 5th minute (RR = 1.39; 0.36-5.36). CONCLUSIONS: For the labor induction in third trimester pregnacies, with live fetus and unfavorable cervices, misoprostol is as effective and as safe as dinoprostone. A 50 mg dose of misoprostol may cause a higher incidence of meconium passage, however, it doesn’t compromise the perinatal performance of the newborn. The cost of misoprostol treatment was significantly lower than the cost of dinoprostone treatment according to the three studies that assessed this variable.
Resumo OBJETIVO: Comparar a eficácia e a segurança de dois análogos das prostaglandinas, misoprostol e dinoprostone, na indução do parto em gestações de terceiro trimestre com feto vivo e cérvice desfavorável ao uso de ocitocina, conforme relatos recentes na literatura. MÉTODOS: Foram selecionados do sistema Medline sete estudos randomizados, controlados e prospectivos, comparando misoprostol (n = 500) com dinoprostone (n = 498) utilizados por via vaginal. Utilizou-se o método de DerSimonian e Laird para avaliar a homogeneidade do efeito do tratamento para cada variável analisada pelos sete estudos. Optou-se pelo risco relativo com intervalo de confiança de 95% para avaliar o resultado de cada ensaio clínico, calculando-se também o RR “comum” para os diferentes desfechos pelo método de Mantel-Haenszel, utilizando-se o pacote estatístico SAS. Os seguintes desfechos foram analizados: uso de ocitocina; índice de cesariana; eliminação de mecônio; escore de Apgar no 1º e 5º minutos RESULTADOS: Houve uma diminuição significativa – aproximadamente 50% – na necessidade de uso de ocitocina com a aplicação do misoprostol em relação ao dinoprostone (RR = 0,55; 0,49-0,63). Não foi encontrada nenhuma diferença na necessidade de cesariana entre o grupo que utilizou misoprostol (RR = 1,04; 0,81- 1,34) e o que utilizou dinoprostone. Houve uma incidência ligeiramente aumentada de eliminação mecônio no grupo do misoprostol (RR = 1,39; 1,03-1,86) em relação ao dinoprostone. Não foi encontrada nenhuma diferença significativa entre o grupo que utilizou misoprostol e o grupo que utilizou dinoprostone em relação à incidência de escores de Apgar menor do que 7, tanto no 1º minuto (RR = 1,36; 0,92-2,26), como no 5º minuto (RR = 1,39; 0,36-5,36). CONCLUSÕES: O misoprostol por via vaginal é tão efetivo e tão seguro quanto o dinoprostone para a indução do parto em gestações de terceiro trimestre com feto vivo e cérvice desfavorável ao uso de citocina. A dose de 50 mg de misoprostol pode provocar um aumento na eliminação de mecônio, sem contudo comprometer o desempenho perinatal dos recém nascidos. O custo do tratamento com misoprostol foi significativamente menor nos três estudos que avaliaram este item.
Contido em Revista HCPA. Porto Alegre. Vol. 18, n. 2, (1998), p.170-176
Assunto Colo do útero
Misoprostol
Ocitocina
Trabalho de parto induzido
[en] Cervix uteri
[en] Dinoprostone
[en] Induced labor
[en] Misoprostol
[en] Oxytocin
Origem Nacional
Tipo Artigo de periódico
URI http://hdl.handle.net/10183/164966
Arquivos Descrição Formato
001026141.pdf (35.45Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.