Repositório Digital

A- A A+

Saúde-enfermidade-trabalho : síndrome do sobrevivente (estudo de caso no setor financeiro)

.

Saúde-enfermidade-trabalho : síndrome do sobrevivente (estudo de caso no setor financeiro)

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Saúde-enfermidade-trabalho : síndrome do sobrevivente (estudo de caso no setor financeiro)
Autor Hoefel, Maria da Graca Luderitz
Orientador Liedke, Elida Rubini
Data 2002
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Sociologia.
Assunto Doenças ocupacionais
Lesão por esforço repetitivo (L.E.R.)
Sociologia da saúde
Trabalho : Reestruturação produtiva
Trabalho : Saúde
Resumo Nos últimos 20 anos, a desregulação do mercado financeiro e a internacionalização das atividades bancárias têm causado uma mudança nas políticas de gestão dos bancos em todo o mundo. Em busca de maior lucratividade, novas tecnologias, a automação bancária e maior racionalidade da gestão, bem como a intensificação do trabalho e menores salários efetivos, estão sendo introduzidos para aumentar a produtividade. Essas políticas têm levado à diminuição do número de funcionários das agências em todo o mundo e resultado no enfraquecimento do movimento sindical dos trabalhadores no setor bancário. Essas novas formas de organização e gestão estão desenvolvendo ambientes de trabalho cada vez mais marcados por sobrecarga e insegurança, em detrimento de aspectos relacionados à criatividade e à satisfação no trabalho. Como resultado disso, os bancários vêm revelando um novo quadro no processo saúde-enfermidade-trabalho expresso na Síndrome do Sobrevivente, que é considerada a manifestação física e psíquica da sobrecarga e da insegurança no trabalho. A intensidade dessa síndrome está relacionada à capacidade de resposta dos empregados frente às pressões da organização do trabalho. Quando essas pressões são tão intensas ou de duração tão longa que as estratégias desenvolvidas por eles não conseguem mais dar conta do acúmulo e do desgaste relacionando ao trabalho, um processo gradual de adoecimento pode ter início. A presente tese tem como objetivo o estudo das repercussões que a reestruturação bancária produz sobre o processo saúdeenfermidade- trabalho. Um estudo comparativo foi desenvolvido com 307 bancários de um banco privado e um banco público. Os sujeitos passaram por avaliação médica, sociológica e psicológica. Verificou-se que ocorreu um aumento da demanda de trabalho e do seu controle nos bancos. A constante ameaça de desemprego e a busca de estratégias para a preservação do emprego atual e de sobrevivência no trabalho acarretam condutas individuais e também coletivas marcadas por insegurança, ansiedade, depressão e desesperança, assim como reações neuro-endócrinas frente a situações potencialmente ameaçadoras. A fadiga, a falta de recuperação osteomuscular e a dor crônica propiciam o desenvolvimento da Síndrome Miofascial e das Lesões por Esforço Repetitivo e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT). A depressão pode ocorrer como uma forma de fazer face à ansiedade persistente.
Abstract For the past 20 years or so, the deregulation of the financial market and the internationalization of banking activities have caused a shift in banking management policies all over the world. Seeking higher profitability, new technologies, banking automation and greater rationality in management as well as work intensification and lower effective wages have been introduced to improve productivity. Such policies also led to a decrease in the number of worker in bank agencies worldwide and have also resulted in the weakening of labor union movements in the banking sector. Those new forms of organization and management have been shaping work environments which are now more and more marked by work overload and insecurity in detriment of aspects as creativity and work satisfaction. As a result, bank workers have experienced a moment anew in the process health-sickness-work. expressed by the Survivor Syndrome' which is considered the physical and psychological manifestation of work overload and insecurity in subjects. The intensinty of the syndrome is, related to the capacity of workers to respond to the pressures imposed by the way work is organized. When such pressures are so intense or long lasting that coping strategies are not able to bear the accumulation and weariness posed by the workload, a gradual process of sickening initiates. The present thesis aims at investigating the repercussions, that the banking restructuring has exerted on the continuum health-sickness-work. A comparative study has been developed with 307 bank employees from a state owned and a private· bank. The subjects underwent medicai, sociological and psychological assessments. lt has been found that there has been an increase in work demand and contrai. The constant threat of unemployment and the search for strategies for the preservation and survival in the current job have led to both individual and collective behaviors marked by insecurity, anxiety, depression and hopelessness, as well as by neuroaffective reactions to potentially threatening situations. Fatigue, lack of osteomuscular recovery and chronic pain may lead to the development of the Myofascial Syndrome as well as repetitiva stress injuries and work-related muscoloskeletal disorders. Depression may rise as a response to persistent anxiety.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/165451
Arquivos Descrição Formato
000377389.pdf (6.528Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.