Repositório Digital

A- A A+

Poesia e psicanálise : a criança poetizada em Manoel de Barros

.

Poesia e psicanálise : a criança poetizada em Manoel de Barros

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Poesia e psicanálise : a criança poetizada em Manoel de Barros
Autor Welter, Luísa Giordani
Orientador Weinmann, Amadeu de Oliveira
Data 2017
Nível Especialização
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Psicologia. Curso de Especialização em Intervenção Psicanalítica na Clínica da Infância e Adolescência.
Assunto Infância
Poesia
[en] Barrosian poetry
[en] Childhood
[en] Psychoanalysis
Resumo Uma escrita escutada. Encontro diluído em palavras, os detalhes carregados de potência. A transposição da subjetividade em letra, fazendo rascunho de um sonho. A frustração e o encontro sempre inacabado com a folha como testemunho de mãos que falam. O fragmento que faz passagem. A proposta deste ensaio vem ao encontro de demarcar e caracterizar o modo como o poeta brasileiro Manoel de Barros retrata a infância em sua linguagem poética, pensada neste escrito através da teoria psicanalítica Freud e Lacan. De que criança trata a poesia de Manoel de Barros? De que forma a poesia dialoga com a psicanálise, a fim de deixar falar o sujeito? Escrever em psicanálise, essa ciência unheimlich, convoca a entrega subjetiva e íntima para consigo e referenciais teóricos. Viagem a um canto improvisado de si, habitar os avessos de si, o estrangeiro que nos constitui, chegada a outras cidades, em locomotiva de portas abertas carregadas de afeto, que têm a função de resfriar corpos desconhecidos, aquecer o olhar, teimar com a indiferença da folha em branco e não parar em estações cruzadas, só dar passagem a novos ventos. Assim se faz esse ensaio que inicia... ou vem iniciando.
Abstract A writing listened to. Metting dissolve in words, the details loaded of power. The subjectivity transposition in words, making draft of a dream. The frsutration and the metting always unfinished with the paper like evidence of speaking hands. The fragmente that make a way. The suggestion of this essay come up to delimit and to characterize the way like the brazilian poet Manoel de Barros portray the childhood in his poetry language, thougt in this written througt the psychoanalytic Freud and Lacan. Of which child is the poetry of Manoel de Barros treated? In what way does poetry dialogue with psychoanalysis, in order to let the subject speak? Writing in psychoanalysis, this science unheimlich, calls for subjective and intimate delivery to yourself and theoretical references. Journey to an improvised corner of his own, dwelling in the aversions of himself, the foreigner who constitutes us, arriving in other cities, in a locomotive of open doors full of affection, which have the function of cooling unknown bodies, warming our eyes, Indifference of the blank sheet and do not stop in cross stations, only give way to new winds. This is the way to do this essay that starts ... or starts.
Tipo Trabalho de conclusão de especialização
URI http://hdl.handle.net/10183/168969
Arquivos Descrição Formato
001046753.pdf (737.6Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.