Repositório Digital

A- A A+

Incidência de complicações e mortalidade em pacientes submetidos a duas técnicas de gastrostomia percutânea endoscópica em adultos

.

Incidência de complicações e mortalidade em pacientes submetidos a duas técnicas de gastrostomia percutânea endoscópica em adultos

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Incidência de complicações e mortalidade em pacientes submetidos a duas técnicas de gastrostomia percutânea endoscópica em adultos
Autor Rimolo, Amanda Peixoto
Orientador Wolff, Fernando Herz
Data 2017
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação: Ciências em Gastroenterologia e Hepatologia.
Assunto Adulto
Complicações pós-operatórias
Gastropexia
Gastrostomia
Mortalidade
[en] Complications
[en] Mortality
[en] Percutaneous gastrostomy
[en] Pull-technique
[en] Push with gastropexy technique
Resumo Introdução: A gastrostomia percutânea endoscópica (PEG) é utilizada como via de nutrição para pacientes sem capacidade de utilizar a via oral para manter ingestão suficiente. A disfagiaé uma das principais razões para a indicação da PEG, sendo geralmente atribuída a processos neurodegenerativos. Diferentes técnicas e tipos de sonda são utilizadas para confecção da PEG. A técnica de Tração é o método original, na qual a sonda é tracionada a partir de uma pequena incisão na parede abdominal, através a boca e do esôfago até estar posicionada junto da parede gástrica. A técnica de punção com gastropexia é uma variante da técnica de punção original, na qual a sonda não passa pela cavidade oral. Nesta técnica, após fixação do estômago na parede abdominal com uso de pontos, a sonda é introduzida diretamente através da parede abdominal sob visão endoscópica. De acordo com a técnica, diferentes modelos de sondas podem ser utilizadas, cada uma com diferentes tipos de retentores internos. Os retentores internos maiscomuns são: em forma de diamante, em forma de cogumelo, disco rígido e balão. Possivelmente, tanto a técnica de inserção como os modelos de sondas e retentores utilizados podem estar associados a diferentes desfechos. O objetivo deste estudo foi avaliar a incidência podem estar associados a diferentes desfechos. O objetivo deste estudo foi avaliar a incidência. Métodos: Foi realizada uma coorte histórica na qual foram incluídos todos os pacientes maiores de 18 anos submetidos à colocação de uma primeira PEG entre janeiro de 2010 e dezembro de 2015 no Hospital Moinhos de Vento, um hospital privado em Porto Alegre, sul do Brasil. Os dados foram coletados em formulário padronizado através de uma busca no sistema informatizado da Instituição. Para complementação dos dados foi realizada uma busca nos prontuários digitalizados, e em algumas situações realizado contato telefônico. Resultados: Foram identificados 245 pacientes, sendo 200 submetidos a técnica de tração (Pull) e 45 à técnica de punção com gastropexia (Push com gastropexia). A média da idade foi 80,3±13,3 anos. Cento e trinta e quatro (54,7%) pacientes eram do sexo feminino. O período médio de seguimento foi de 17,2±14,6 meses. A indicação mais comum foi doença neurodegenerativa (62,4%), seguido por acidente vascular cerebral (AVC) (16,3%). Todos os pacientes realizaram profilaxia com antibiótico no dia do procedimento. A mediana de dias de internação pós PEG foi de 8 dias. O modelo de sonda mais utilizado foi o retentor em forma de diamante (51,8/%). A colocação da PEG foi bem-sucedida em 99,6% dos casos. A mortalidade geral foi de 42,4% (104/245) durante o período de seguimento. Nenhum óbito foi atribuído diretamente a complicações relacionadas ao procedimento. Entretanto, três pacientes faleceram dentro de 48 horas após o procedimento: um por sepse respiratória, outro por parada cardiorrespiratória e o terceiro que realizou a PEG ambulatorial teve morte súbita no domicílio. A taxa de complicações (maiores ou menores) foi de 23,6%, sendo a mais frequente, a retirada acidental da sonda, que ocorreu em 17,1% dos pacientes em algum momento do seu seguimento. Não foi observada diferença entre as técnicas de realização da PEG gastrostomia com a incidência desta complicação. O tempo até a retirada acidental da sonda foi menor entre os pacientes cujas sondas tinham o retentor interno em forma de diamante em relação aos demais retentores (p = 0,02). Sepultamento do retentor interno (Buried Bumper Syndrome) ocorreu em 5,4% dos casos, todos submetidos a técnica de tração (p = 0,08). Pacientes portadores de sonda com retentor em forma de diamante apresentaram maior incidência de complicações gerais (p = 0,02) e de retirada acidental (p = 0,01), comparativamente aos pacientes portadores de sondas com outros tipos de retentor. Conclusões: A PEG é uma técnica segura, com baixa taxa de mortalidade diretamente associada ao procedimento. Entretanto, devido a população na qual o procedimento é realizado, a mortalidade geral é elevada. Complicações menores são frequentes, independentemente da técnica ou tipo de sonda utilizada, porém a técnica e o tipo de sonda parecem associadas a um perfil diferente de complicações. Perspectivas: O desenvolvimento da técnica, o desenvolvimento de materiais com melhor perfil de segurança e, especialmente, o aprimoramento das orientações e cuidados pós-gastrostomia são necessários para reduzir a incidência de complicações em pacientes submetidos a esse tipo de procedimento. Novos estudos comparando de maneira prospectiva e randomizada diferentes técnicas e modelos de sonda são necessários para determinar se há uma técnica ou modelo a ser utilizado como primeira escolha.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/171404
Arquivos Descrição Formato
001055200.pdf (1.871Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.