Digital Repository

A- A A+

Formação acadêmica e concepções de acidente e injúria em falantes do português : em busca de contrastes entre a língua cotidiana e línguas especializadas selecionadas

DSpace/Manakin Repository

Formação acadêmica e concepções de acidente e injúria em falantes do português : em busca de contrastes entre a língua cotidiana e línguas especializadas selecionadas

Show full item record

Statistics

Title Formação acadêmica e concepções de acidente e injúria em falantes do português : em busca de contrastes entre a língua cotidiana e línguas especializadas selecionadas
Author Blank, Danilo
Advisor Goldani, Marcelo Zubaran
Co-advisor Marzola, Norma Regina
Date 2009
Level Doctorate
Institution Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e do Adolescente.
Subject Acidentes
Educação médica
Ferimentos e lesões
Linguagem
Terminologia
Vocabulário
[en] Attitude
[en] Health
[en] Health surveys
[en] Internet
[en] Knowledge
[en] Lesions
[en] Medical information systems
[en] Open source software
[en] Software development
[en] Terminology
[en] Trauma
[en] Wounds and injuries
Abstract in Portuguese Contexto: A morbimortalidade por causas externas constitui um dos mais graves problemas de saúde pública global. Dentre as estratégias preventivas primárias, a educação para a segurança é uma das áreas em que é mais nítida a influência das concepções das pessoas sobre as atitudes e determinantes de vulnerabilidades e resiliências. Especialistas da disciplina do controle de injúrias físicas, no âmbito da língua inglesa, hegemônica, advogam pela proscrição do termo acidente, pelo menos do léxico acadêmico, mas também evitando o seu emprego na promoção da saúde, por conta de um potencial efeito negativo de suas alegadas acepções pré-científicas de imprevenibilidade nas ações educativas. Essa questão, ainda polêmica entre os pesquisadores de língua inglesa, nunca foi estudada na língua portuguesa. Seu estudo tem grande relevância para a inserção da pesquisa brasileira nas iniciativas em andamento, no âmbito mundial, para a normalização terminológica nesse campo de conhecimento. Observa-se uma tendência crescente na utilização do termo injúria, nos textos acadêmicos originais em português, com definição equivalente à dos textos em inglês, fenômeno que merece um olhar mais atento. Objetivos: Promover a inserção da discussão terminológica no campo das ciências médicas, por meio do olhar crítico sobre o impacto da passagem de falantes do português por cursos de graduação selecionados sobre suas concepções dos vocábulos acidente e injúria, principalmente quanto à associação com noções de causalidade, intencionalidade, previsibilidade e prevenibilidade. Métodos: Estudo observacional, transversal, com coleta de informações quantitativas por meio de enquete autoadministrada realizada integralmente pela internet. A amostra alvo compreendeu estudantes de primeiro e último ano de medicina, direito, comunicação e educação de todas as escolas da cidade de Porto Alegre, Brasil. Desenvolvemos um aplicativo original, capaz de recrutar respondentes, enviar convites pessoais por e-mail, armazenar as respostas e exportar os dados. O software e os dados foram hospedados em um site específico do projeto, com acesso permanente pela internet. As variáveis preditoras foram os seguintes atributos dos sujeitos: idade, sexo, estágio do curso, curso, inclinação política, espiritualidade, arrojo, hábito de ler instruções sobre produto de limpeza, fonte de orientação sobre segurança, uso do cinto de segurança, uso de assento infantil de segurança, uso de capacete de ciclista, modo de armazenar arma de fogo, experiência com perda de ente querido por causas externas, experiência de hospitalização por causas externas e conhecimento de causas de morte de crianças e de adolescentes. As variáveis de desfecho foram as seguintes concepções dos sujeitos acerca dos termos acidente, injúria e lesão: tipo de dano; associações de ideias com as três palavras; noções de fatalidade, intencionalidade, previsibilidade e prevenibilidade associadas à palavra acidente; associação de traumatismo cranioencefálico com injúria, acidente ou lesão; grau de prevenibilidade atribuído a cada uma das três palavras e culpabilidade da vítima num caso definido de acidente com criança. Para investigar a associação entre atributos e concepções submetemos os dados à análise de correspondência simples e ao teste qui-quadrado com análise de resíduos. Resultados: A taxa de resposta à enquete foi de 34,5%. Metade dos sujeitos responderam até o segundo dia, 66,3% durante a primeira semana. 4,2% dos sujeitos se recusaram a revelar sua religião e 19,2% se recusaram a revelar sua inclinação política, enquanto apenas 2,8% se recusaram a responder questões sobre concepções e atitudes. Não houve diferença significativa entre os que responderam cedo ou tarde, quanto a atributos e concepções selecionados. Estudantes de medicina se distinguiram dos demais pelas associações com a arreligiosidade, com o conhecimento de que a mortalidade de crianças e jovens se dá principalmente por causas externas e com o hábito de buscar orientação sobre segurança em fontes especializadas. Os sujeitos revelaram percepção preponderante de que os chamados acidentes são preveníveis e tal percepção não mudou se a palavra usada na pergunta foi injúria ou lesão. A palavra acidente evocou noções de prevenibilidade em 85,1% dos sujeitos, previsibilidade em 50,3%, fatalidade em 15,1%, e intencionalidade em 2,3%. Religiosidade apresentou correspondência com noções de não previsibilidade e fatalidade atribuídas à palavra acidente. Calouros associaram a palavra acidente a noções de não previsibilidade, enquanto formandos foram significativamente distintos em considerar que acidentes podem ser previstos. Os sujeitos associaram injúria com dano moral, de modo quase unânime e, em menor grau, com noções de calúnia e difamação; uma porção limitada associou injúria com dano físico e ferimento. Associaram mais a palavra lesão com dano físico, mas também revelaram concepções igualitárias de dano físico, moral e material. Estudantes de cursos e estágios diferentes variaram significativamente em suas concepções de acidente e injúria. Estudantes de medicina se colocaram em franca oposição aos de todos os demais cursos no tangente à associação de injúria com danos físicos. Estudantes de direito associaram acidente com noções de negligência, dano moral e difamação. Estudantes de educação associaram acidente com noções de não prevenibilidade e fatalidade. Conclusões: A enquete online para investigar concepções de estudantes universitários acerca de injúrias físicas é factível e produz taxas de resposta similares às da literatura. Um período de acompanhamento superior a três semanas não é recomendável; limitar os esforços de recrutamento de respondentes a esse tempo restrito permite uma concentração mais racional de recursos. A enquete online é efetiva na abordagem de questões sensíveis, como atitudes em segurança, inclinação religiosa e política. A análise geométrica de dados é eficaz em evidenciar correspondências entre um grande número de modalidades de variáveis categóricas e denota de modo apropriado as suas associações estatisticamente significativas. A análise de resíduos ajustados mais ratifica do que enfraquece a análise geométrica. O currículo médico promove a terminologização da palavra injúria. Um modelo conceptual da injúria como entidade nosológica tem que respeitar o fato da terminologização da palavra injúria no âmbito médico, assim como conceder que a significação leiga da palavra acidente é um evento antecedente não intencional e prevenível, potencialmente gerador de injúria. No âmbito da linguagem médica, há uma definição de espaços semânticos específicos para os termos lesão (com acepção de dano anatomopatológico sem causação externa) e injúria (com acepção de dano físico, com ou sem lesão). Noções populares vinculadas à palavra acidente têm mais sutilezas do que sustentam os que propugnam pelo seu banimento do léxico acadêmico.
Abstract Background: Morbidity and mortality due to external causes constitute one of the most serious public health problems worldwide. Among primary preventive strategies, safety education is one of the areas in which people's conceptions are more likely to influence both attitudes and determinants of vulnerability and resilience. Injury control experts, within the hegemonic English language, advocate for proscribing the term accident at least from the academic vocabulary, but also for avoiding its use in health promotion, due to a potential deleterious effect of its alleged pre-scientific notion of nonpreventability upon educative actions. Such issue, which is an ongoing controversy among English speaking researchers, has never been studied within the Portuguese realm. Its study bears great relevance towards introducing Brazilian research into the current worldwide initiatives pursuing terminology normalization within this field of knowledge. There is a growing trend of original academic texts written in Portuguese to use the term injury with an equivalent meaning to that used in English; this phenomenon deserves a harder look. Objectives: To promote the introduction of terminology discussion in the field of medical sciences, by means of a critical gaze upon how the passage of Portuguese speakers through selected undergraduate university courses may have an impact on their conceptions of the words accident and injury, mainly as to associations with notions of causality, intent, foreseeability and preventability. Methods: A cross-sectional observational study, which collected quantitative information by means of a self-administered web-based questionnaire. The target sample comprised first-year and last-year students of medical, law, communication and education schools in Porto Alegre, Brazil. We devised an original software application, which was capable of organizing the recruited information concerning prospective respondents, sending out customized e-mail invitations, gathering and housing response data in an online database, and exporting data to statistical softwares. All softwares and data were hosted in a project specific site with continuous Internet access. Predictor variables were the following subjects' attributes: age, sex, course stage, political and religious persuasion, risk-taking proclivity, habit of reading cleaning products' package insert instructions, source of safety orientation, safety belt wearing habits, use of child safety seat, cycling helmet wearing habits, gun storing, personal (or close relation) injury history, and knowledge about child and adolescent causes of death. Outcome variables were the following conceptions of the terms accident, injury and lesion: type of damage; associations of some ideas with the three words; notions of fatality, intent, foreseeability and preventability associated with the word accident; association of head trauma with accident, injury and lesion; degree of preventability attributed to each of the three words; and victim culpability in a case of child accident. We investigated associations between attributes and conceptions by means of simple correspondence analysis and chi-square test with residual analysis. Results: The response rate was 34.5%. Half of the subjects responded by the second day, 66.3% during the first week. 4.2% subjects refused to disclose religious persuasion, and 19.2% refused to disclose political persuasion, whereas only 2.8%, on average, refused to answer questions on conceptions and attitudes. There was no significant difference between early and late respondents in respect to selected attributes and conceptions. Medical students were distinguished from the rest due to their associations with nonreligiosity, knowledge that most child and youth deaths have external causes, and searching safety orientation in specialized sources. Subjects showed preponderant perception that so-called accidents are preventable, and such perception did not change whether the question used the word injury or lesion. The word accident evoked the notion of preventability to 85.1% of the subjects, foreseeability to 50.3%, fatality to 15.1%, and intentionality to 2.3%. Religiosity showed correspondence with notions of nonprevisibility and fatality being attributed to the word accident. First-year students associated the word accident with notions of nonprevisibility, while last-year students were significantly distinct as they considered that accidents can be foreseen. Subjects unanimously associated injury with moral damage, and to a lesser degree with notions of calumny and defamation; a limited portion associated injury with physical damage and wound. They mainly associated the word lesion with physical damage, but also revealed equivalent conceptions of physical, moral, and material damage. Students from different courses and stages significantly varied in their conceptions of accident and injury. Medical students were in stark opposition to those from the other courses as to their association of injury with physical damage. Law students associated accident with notions of negligence, moral damage, and defamation. Education students associated accident with notions of nonpreventability and fatality. Conclusions: Web surveying university students' conceptions about injuries is feasible and yields response rates similar to those found in the literature. A follow-up period longer than three weeks is not warranted; restricting recruiting efforts to such period of time allows a more rational allocation of resources. A web survey is effective in tackling sensitive issues, such as safety attitudes, religious and political persuasion. Geometric data analysis is efficacious in evincing correspondences among a great number of categorical variable modalities, and appropriately denotes their statistically significant associations. The adjusted standardized residual analysis ratifies more than weakens the geometric analysis. Medical curriculum promotes the terminologization of the word injury. A conceptual framework of injury as a nosologic entity must acknowledge the fact of terminologization of the word injury in the medical realm, as well as concede the lay signification of the word accident as an anteceding, unintentional, and preventable event, which potentially causes injury. Within the realm of medical language, there is a definition of specific semantic spaces for the terms lesion (with the acception of anatomopathological damage without external causation) and injury (with the acception of physical damage, with or without lesion). Lay notions of the word accident carry more subtleties than those who advocate for banning it from the academic lexicon maintain.
Type Thesis
URI http://hdl.handle.net/10183/17353
Files Description Format View
000714159.pdf (4.434Mb) Texto completo Adobe PDF View/Open

This item is licensed under a Creative Commons License

This item appears in the following Collection(s)


Show full item record

Browse



  • The author is the owner of the copyrights of the documents available in this repository and is prohibited under the law, the marketing of any kind without prior authorization.
    Graphic design by Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.