Repositório Digital

A- A A+

Dificuldades no controle da hipertensão arterial sistêmica e diabetes mellitus na atenção básica de saúde através do hiperdia - Plano de Reorganização da Atenção

.

Dificuldades no controle da hipertensão arterial sistêmica e diabetes mellitus na atenção básica de saúde através do hiperdia - Plano de Reorganização da Atenção

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Dificuldades no controle da hipertensão arterial sistêmica e diabetes mellitus na atenção básica de saúde através do hiperdia - Plano de Reorganização da Atenção
Autor Cunha, Cláudia Winck
Orientador Tavares, Mario Roberto Garcia
Data 2009
Nível Especialização
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Curso de Especialização em Saúde Pública.
Assunto Atenção primária à saúde
Diabetes mellitus
Hipertensão
Resumo As doenças cardiovasculares constituem a principal causa de morbimortalidade na população brasileira, representando assim um importante problema de saúde pública. Desta forma o Ministério da Saúde, apresentou o Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus (Hiperdia), um sistema de cadastramento e acompanhamento de portadores de HAS e DM atendidos na rede ambulatorial do SUS. Foi desenvolvido um estudo referente às dificuldades que existem no controle da HAS e DM na atenção primária, bem como as dificuldades que existem no acompanhamento de pacientes através do cadastramento (Hiperdia), se a estratégia atual do programa esta atingindo os objetivos propostos pelo Ministério da Saúde e ainda, propor táticas de enfrentamento das dificuldades de implantação do Hiperdia em estratégia de saúde da família (ESF). Como procedimento metodológico para o desenvolvimento desta temática foi realizada uma revisão de literatura, com base de dados na BVS, Lilacs, Medline, Bireme, análise e exploração textual (livros, artigos e periódicos), com utilização dos seguintes une-termos: Hiperdia, Atenção primária, HAS, DM, e ações programáticas. O estudo revelou que a iniciativa de se criar o Hiperdia foi positiva, considerando que, para a grande maioria dos gestores estaduais e municipais foi o início da tomada de consciência sobre o problema, levando a mobilização e adequação dos sistemas de saúde locais para atenção aos portadores destes agravos. Porém apontamos dificuldades no momento de se efetivar ao nível municipal as políticas nacionais de saúde, em decorrência de fatores como: falta de estrutura organizacional e física, recursos humanos, falha nos sistemas de informação, deficiência de cobertura da estratégia de saúde da família entre outros. Estudos mostram que uma das principais conseqüências do programa seriam o impacto na redução dessas doenças através do tratamento farmacológico e controle dos fatores de risco. O plano de reorganização da atenção à HAS e DM foi um importante passo, porém necessita de constante avaliação para medir os impactos gerados na população. Com isso traçar metas que modifiquem o quadro de saúde atual, se engajando em ações de prevenção primária são estratégias fundamentais para atuação nas políticas de saúde.
Tipo Trabalho de conclusão de especialização
URI http://hdl.handle.net/10183/17937
Arquivos Descrição Formato
000725363.pdf (1.542Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.