Repositório Digital

A- A A+

Hospitalizações por câncer de colo de útero na rede pública do Brasil, 2002 – 2004

.

Hospitalizações por câncer de colo de útero na rede pública do Brasil, 2002 – 2004

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Hospitalizações por câncer de colo de útero na rede pública do Brasil, 2002 – 2004
Autor Cunha, Fernanda Crossetti
Orientador Rosa, Roger dos Santos
Data 2009
Nível Especialização
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Curso de Especialização em Saúde Pública.
Assunto Hospitalização
Mortalidade
Neoplasias do colo do útero
Resumo O câncer de colo de útero, quando diagnosticado e tratado precocemente, constitui-se em uma causa de morte perfeitamente evitável. Entretanto, no Brasil, a mortalidade por esta causa ainda é elevada, persistindo um desafio para a saúde pública. Sabe-se que a efetividade de programas de controle de câncer de colo de útero depende da cobertura populacional alcançada. Este trabalho tem por objetivo analisar o perfil das mulheres que internaram na rede pública do Brasil, no período de 2002-2004, com diagnóstico de câncer de colo de útero. Os dados foram obtidos através do Sistema de Informação Hospitalar do Sistema Único de Saúde (SIH/SUS) no período citado e após foram apropriados no Excel. As variáveis utilizadas foram faixa etária, região, ocorrência de óbito,internação em UTI, duração das internações e valores pagos. Observou-se maior volume de internações por câncer de colo de útero na faixa etária dos 20 - 44 anos (45,8%). Essa também é a faixa etária que mais apresenta complicações durante a internação, necessitando permanência em UTI. A letalidade hospitalar por câncer de colo de útero é de 3,9%. A maior proporção de óbitos está na faixa etária de 80 e mais (15%). No registro dos óbitos por diagnóstico, a maior parcela é de câncer de colo de útero não-especificado (75,5%). A média de permanência é de 4,7 dias. As internações hospitalares no SUS por câncer de colo de útero superaram R$51milhões. A região Sudeste apresenta a maior quantidade de internações (37%). O maior risco de internação está na região Sul (59.9/100.000 mulheres) sendo quase o dobro da região Nordeste (30.2/100.000 mulheres) revelando desigualdades regionais na ocorrência desta doença.
Tipo Trabalho de conclusão de especialização
URI http://hdl.handle.net/10183/17939
Arquivos Descrição Formato
000725381.pdf (356.6Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.