Repositório Digital

A- A A+

Influenza e a coevolução anual e sazonal da morbidade hospitalar por doenças do aparelho circulatório e respiratório na rede pública do Rio Grande do Sul, 1999 - 2004

.

Influenza e a coevolução anual e sazonal da morbidade hospitalar por doenças do aparelho circulatório e respiratório na rede pública do Rio Grande do Sul, 1999 - 2004

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Influenza e a coevolução anual e sazonal da morbidade hospitalar por doenças do aparelho circulatório e respiratório na rede pública do Rio Grande do Sul, 1999 - 2004
Autor Lucena, Cristiane Machado
Orientador Azambuja, Maria Ines Reinert
Co-orientador Rosa, Roger dos Santos
Data 2009
Nível Especialização
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Curso de Especialização em Saúde Pública.
Assunto Doenças cardiovasculares
Doenças respiratórias
Hospitalização
Influenza humana
Morbidade
Resumo Com o surgimento de novas evidências e hipóteses sobre a morbimortalidade relacionada à Influenza, identifica-se a insuficiência da caracterização do problema apenas pelas Doenças do Aparelho Respiratório (DAR), representando as Doenças do Aparelho Circulatório (DAC) um importante grupo a ser estudado concomitantemente. Objetivos: Estimar a morbidade hospitalar atribuível à Influenza através da coevolução anual e sazonal das DAC e do DAR na rede pública no RS, no período de 1999 a 2004. Métodos: Foi utilizado um banco de dados de internações hospitalares no SUS, por local de residência, para o período de 1999 a 2004. As internações foram apresentadas como números absolutos e coeficientes por 100.000 pessoas, padronizadas para meses de 30 dias. Resultados: A magnitude das internações por DAR (935.370 AIHs ou 24,35%) e DAC (541.664 AIHs ou 14,1%) posicionou-as como primeiro e segundo lugar nas causas de internação, excluindo-se as ligadas à gravidez e puerpério. Notou-se uma predominância do sexo masculino nas internações por DAR (54,5%) e do sexo feminino (54,6 %) nas por DAC, com diminuição proporcional anual nas internações por DAR e aumento nas por DAC. As internações por DAR, inclusive nos grupos "Influenza e pneumonia" e "Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica" (DPOC), seguiram um padrão sazonal, com aumento no inverno, não observado claramente nas por DAC, onde apenas as por "Insuficiência cardíaca" apresentaram pequeno aumento. A letalidade total foi 4,4% para DAR e 6,5% para DAC, com maior letalidade por "Doenças cerebrovasculares" (15,8%), seguidas por "Insuficiência Cardíaca" (7,0%), "Doença Isquêmica Crônica do Coração" (5,6%), "DPOC" (4,7%) e "Influenza e Pneumonia" (3,0%). A evolução da letalidade de ambos os grupos apresenta um padrão sazonal, com aumento da letalidade por DAC nos meses de inverno em todos os anos do período e diminuição da letalidade por DAR na maioria destes. Conclusões: Houve uma mudança no perfil da morbidade por causas respiratórias e circulatórias atribuíveis à influenza no RS, no período de 1999 a 2004, e recomendase o aprofundamento das análises quanto a possíveis causas desta mudança (condições climáticas, fatores socioeconômicos, fatores imunológicos, influência vacinal, dentre outras) para subsidiar, com evidências relevantes, programas de assistência integral à saúde da população.
Tipo Trabalho de conclusão de especialização
URI http://hdl.handle.net/10183/17962
Arquivos Descrição Formato
000725365.pdf (917.1Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.