Repositório Digital

A- A A+

Janet Frame : uma escritora de ficção e a ficção de uma escritora : os múltiplos processos da autobiografia estética

.

Janet Frame : uma escritora de ficção e a ficção de uma escritora : os múltiplos processos da autobiografia estética

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Janet Frame : uma escritora de ficção e a ficção de uma escritora : os múltiplos processos da autobiografia estética
Autor Olmi, Alba
Orientador Bittencourt, Gilda Neves da Silva
Data 2001
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Letras. Programa de Pós-Graduação em Letras.
Assunto Análise do discurso da obra de J. Frame
Arquitextualidade (J. Frame)
Aspectos estilísticos na obra de J. Frame
Autobiografia estética
Crítica literária
Crítica literária : Análise feminista
Crítica literária : Análise pós-estruturalista
Crítica literária : Análise pós-moderna
Frame, Janet 1924-. Conto : Crítica e interpretação
Frame, Janet 1924-. Obra : Crítica e interpretação
Frame, Janet 1924-. Romance : Crítica e interpretação
Identidade literária na obra de J. Frame
Ideologia política da obra de J. Frame
Interdiscursividade (J. Frame)
Intertextualidade (J. Frame)
Literatura comparada : Arquitextualidade
Literatura comparada : Interdisciplinaridade
Literatura comparada : Intertextualidade
Literatura comparada (autobiografia estética)
Literatura comparada (narrativa literária e narrativa autobiográfica)
Literatura neozelandesa : Ficção : Crítica e interpretação
Memorialismo e ficcionalidade na obra de J. Frame
Recepção da obra de J. Frame
Temática (esquizofrenia) da obra de J. Frame : Ensaio
Temática (loucura) da obra de J. Frame : Ensaio
Resumo A escritora objeto desta tese, figura proeminente da literatura neozelandesa, voltou-se ao gênero autobiográfico após um longo percurso na área da ficção, para definir-se como uma primeira pessoa, depois de sua vida particular ter sido insistentemente confundida com sua obra por parte da crítica. Uma questão que logo vem à tona é que praticamente toda ficção resulta ser, até um certo grau, fundamentalmente autobiográfica e que a análise crítica da obra de um escritor possibilita o conhecimento de sua vida. Nosso argumento, opondo-se a esse pressuposto, parte da vida para melhor compreender a obra, evidenciando que Janet Frame manteve um grande distanciamento entre os eventos reais e sua ficcionalização, realizando uma tarefa que a coloca lado a lado dos nomes mais ilustres da literatura ocidental do século XX. Numa atitude comparatista, procuramos extrair os diversos processos de transmutação estética realizados pela escritora, buscando sanar algumas distorções que impediram uma análise mais confiável de sua obra, problematizando, entre outros aspectos, a questão do gênero autobiográfico, da mímese e do realismo ficcional. A manipulação artística da vida particular de Janet Frame foi resgatada por um conjunto de processos, entre os quais a antimímese, a poetização do quotidiano, a intertextualidade e a interdiscursividade, que revelam um alcance estético e uma auto-referencialidade deslocada muito além do mero biografismo. Outros aspectos analisados na obra como um todo indicam que novas abordagens da ficção de Janet Frame, a partir de enfoques pós-modernos, pós-coloniais, pós-estruturalistas e feministas podem superar as posturas reducionistas das quais ela foi alvo.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/1799
Arquivos Descrição Formato
000308613.pdf (2.889Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.