Repositório Digital

A- A A+

Adaptando o corpo ao espaço de confinamento : um estudo antropológico sobre práticas corporais no presídio central de Porto Alegre

.

Adaptando o corpo ao espaço de confinamento : um estudo antropológico sobre práticas corporais no presídio central de Porto Alegre

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Adaptando o corpo ao espaço de confinamento : um estudo antropológico sobre práticas corporais no presídio central de Porto Alegre
Autor Teixeira, Valquiria Bolzan
Orientador Victora, Ceres Gomes
Data 2009
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Curso de Ciências Sociais: Bacharelado.
Assunto Adaptação ambiental
Adaptação corporal
Ambiente de confinamento
Presídio
[en] Adaptation body
[en] Collectivity
[en] Environmente containment
[en] Rules
Resumo O presente trabalho é um estudo antropológico de orientação etnográfica realizado no Presídio Central de Porto Alegre. O tema central dessa monografia versa sobre como se conformam às práticas corporais e de como ocorre o processo de adaptação corporal em um ambiente de confinamento permeado por regras e normas internas.Tendo como base as teorias relacionadas ao corpo e a saúde centrando-me nas idéias de Foucault (1977; 1985) a respeito do disciplinamento dos corpos e do cuidado de si. Busco entender as adaptações do indivíduo no sentido de uma reestruturação de práticas corporais para a convivência nesse ambiente de confinamento. Também analiso as estratégias utilizadas por esses apenados para manter um "cuidado de si" nesse espaço de coletividade, e de como se processa o respeito para com as regras provenientes desse espaço de relações coletivas. Para verificar como ocorrem essas adaptações e reestruturações das práticas corporais pretendo analisar, através de entrevistas e de um pequeno espaço de observação, como os apenados desempenham suas tarefas cotidianas. A partir desses fatos concluo que ocorre uma readaptação das práticas corporais trazidas da "sociedade livre" para o ambiente de confinamento devido ao fato de que, com a superlotação das casas prisionais, não ocorre uma individualização da pena. Portanto os apenados precisam desenvolver suas tarefas diárias na constante presença de outros indivíduos.
Abstract This work is an anthropological study of the ethnographic approach carried out in central prison of Porto Alegre. The central theme of this monograph is about how to conform to bodily practices and how is the process of adapting body in confined environment permeated by rules and regulations that. Based on the teories related to the body and health focusing me on the ideas of Foucault (1977, 1985) regarding the disciplining of bodies and care for one self. I seek to understand the adaptations of the individual to a restructuring of bodily practices for living in this environment of confinement. I also analyze the strategies used by these inmates to main tain a "self care" in the space of community, and how they can be respect for the rules from that area of collective relations. To see how these changes occur and restructuring of corporal practices intend to examine, through interviews and a small area of observation, as the inmates perform their daily tasks. From these facts I conclude that there is a rahabilitation of bodily practices brought from the "free society" in the environment of confinement due to the fact that due to overcrowded prisons homes, there is an individualization of punishment. So the inmates need to develop their daily tasks in the constant presence of other individuals.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/18334
Arquivos Descrição Formato
000728555.pdf (6.581Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.