Repositório Digital

A- A A+

N-acetilcisteína diminui a congestão hepática na lesão de isquemia e reperfusão : estudo experimental

.

N-acetilcisteína diminui a congestão hepática na lesão de isquemia e reperfusão : estudo experimental

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título N-acetilcisteína diminui a congestão hepática na lesão de isquemia e reperfusão : estudo experimental
Autor Didoné, Eduardo Chaise
Cerski, Carlos Thadeu Schmidt
Resumo Objetivos: A isquemia tem sido utilizada na cirurgia hepática desde o início do século. Embora possibilite a diminuição da perda sangüínea durante as ressecções e a manutenção do órgão à espera de um transplante, a ausência de perfusão traz como conseqüência um dano ao órgão, que se amplifica por ocasião da sua reoxigenação. A N-Acetilcisteína é uma droga capaz de repor os estoques celulares de glutationa, um antioxidante fundamental no controle das lesões resultantes do restabelecimento da perfusão sangüínea, esperando-se dessa forma que diminua a lesão acima descrita. Com o propósito de avaliar a capacidade da N-Acetilcisteína reduzir o dano hepático, utilizou-se um modelo murino de isquemia e reperfusão normotérmica. Método: Foram utilizados vinte ratos Wistar fêmeas, divididos em dois grupos. No grupo tratado, 400mg/kg de N-Acetilcisteína foram administrados pela via intravenosa, 15 minutos antes do clampeamento do pedículo do lobo esquerdo por 90 minutos. No grupo controle foi administrado o volume equivalente de solução fisiológica. Foi estabelecido um período de quatro horas de reperfusão, após o qual os animais foram sacrificados para a realização de análise histopatológica do lobo esquerdo com coloração de Hematoxilina-Eosina. A lesão tecidual foi quantificada quanto à presença de congestão, esteatose e necrose. Resultados: O estudo evidenciou a capacidade de a N-Acetilcisteína diminuir significativamente a congestão. Não houve diferenças quanto à presença de esteatose e necrose. Conclusão: Os resultados obtidos permitem-nos concluir que o uso prévio da N-Acetilcisteína nos processos de isquemia e reperfusão, em normotermia, é capaz de diminuir a congestão hepática. A N-Acetilcisteína não diminui a presença de esteatose e necrose.
Contido em Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões. Rio de Janeiro. Vol. 29, n. 4 (jul./ago. 2002), p. 191-196
Assunto Acetilcisteína
Isquemia : Induzida quimicamente
Isquemia hepática
Reperfusão
Origem Nacional
Tipo Artigo de periódico
URI http://hdl.handle.net/10183/19606
Arquivos Descrição Formato
000352290.pdf (37.71Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.