Repositório Digital

A- A A+

Acalásia na Doença de Chagas é diferente de acalásia idiopática? : experiência do Hospital de Clínicas de Porto Alegre

.

Acalásia na Doença de Chagas é diferente de acalásia idiopática? : experiência do Hospital de Clínicas de Porto Alegre

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Acalásia na Doença de Chagas é diferente de acalásia idiopática? : experiência do Hospital de Clínicas de Porto Alegre
Outro título Is Achalasia in Chagas Disease different from Idiopathic Achalasia? : experience of the Hospital de Clínicas de Porto Alegre
Autor Costa, Daniela Gomez
Barros, Sergio Gabriel Silva de
Gruber, Antonio Carlos
Lopes, Antonio de Barros
Cardoso Filho, Mário Luiz
Freitag, Carmen Perez de Freitas
Breyer, Helenice Pankowski
Arruda, Cristina Antonini
Goldani, Helena Ayako Sueno
Barlem, Gabriel Guinsburg
Abstract Objetivo: O presente trabalho tem como objetivo avaliar as diferenças entre a acalasia chagásica e a idiopática em pacientes do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, através da análise de achados epidemiológicos, clínicos, radiológicos e manométricos. Métodos: Foram estudados pacientes encaminhados ao Hospital de Clínicas de Porto Alegre, entre novembro de 1996 e dezembro de 2001, com suspeita de acalasia, posteriormente, confirmada por manometria esofágica. Além das características manométricas e radiológicas, os pacientes foram avaliados quanto a idade, sexo, sintomas e tempo de evolução. Resultados: Entre 51 pacientes, nove (18%) tiveram sorologia positiva para doença de Chagas e 42 (82%) sorologia negativa. Indivíduos com sorologia negativa foram considerados portadores de acalasia idiopática. Pacientes com acalasia chagásica tinham média de idade de 62 ± 15 anos e os com idiopática 43 ± 18 anos (P < 0,02). O período de evolução dos sintomas em pacientes com acalasia chagásica foi de 74 ± 47 meses e nos idiopáticos 49 ± 35 meses (P < 0,05). Disfagia, regurgitação, dor torácica e emagrecimento, valores do esfíncter esofágico inferior (pressão basal, pressão e duração de relaxamento pós-deglutição e comprimento total) e do corpo esofágico (amplitude e duração das ondas pós-deglutição) foram similares em ambos os grupos Conclusões: As únicas diferenças estatisticamente significativas encontradas entre os dois grupos foram a média de idade e o período de evolução dos sintomas, maiores nos pacientes chagásicos. Esses dados permitem especular sobre uma maior tolerância aos sintomas nos pacientes com idade mais avançada. Unitermos: Acalasia chagásica; acalasia idiopática; doença de Chagas. Objetive: The objective of this study is to evaluate the differences between achalasia in Chagas’ disease and idiopathic achalasia in patients admitted to the Hospital de Clínicas de Porto Alegre, by analyzing epidemiologic, clinic, radiologic and manometric findings. Methods: Patients referred to the Hospital de Clinicas de Porto Alegre between November 1996 and December 2001 with suspicion of achalasia, later confirmed by esophageal manometry, were included in the study. In addition to manometric and radiologic findings, patients were assessed for age, sex, symptoms and symptomatic period Results: Among 51 patients, nine (18%) presented positive serology for Chagas’ disease and 42 (82%) presented negative serology. The latter were considered carriers of idiopathic achalasia. The mean age of patients with achalasia in Chagas’ disease was 62 ± 15 years, while the mean age in the idiopathic group was 43 ± 18 years (P < 0.02). The symptomatic period for patients with achalasia in Chagas’ disease was 74 ± 47 months, and in the idiopathic group, 49 ± 35 months (P < 0.05). Dysphagia, regurgitation, thoracic pain and weight loss, values at the lower esophageal sphincter (basal pressure, post-deglutitive relaxation pressure/duration and total length) and at the esophageal body (amplitude and duration of the post-deglutitive waves) were similar in both groups. Conclusions: The only statistically significant differences found between the two groups were age and length of the symptomatic period, significantly greater in patients with achalasia in Chagas’ disease. These data suggest a greater resistance to the symptoms in older patients.
Contido em Revista HCPA. Porto Alegre. Vol. 22, n. 2 (ago. 2002), p. 5-10
Assunto Acalasia esofágica
Avanço da doença
Doença de Chagas
Estudo comparativo
Fatores etários
[en] Achalasia in Chagas’ disease
[en] Chagas’ disease
[en] Idiopathic achalasia
Origem Nacional
Tipo Artigo de periódico
URI http://hdl.handle.net/10183/19645
Arquivos Descrição Formato
000366909.pdf (640.8Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.