Repositório Digital

A- A A+

Coartação de aorta em crianças até um ano : análise de 20 anos de experiência

.

Coartação de aorta em crianças até um ano : análise de 20 anos de experiência

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Coartação de aorta em crianças até um ano : análise de 20 anos de experiência
Outro título Coarctation of the aorta in infants under one year of age: an analysis of 20 years of experience
Autor Lorier, Gabriel
Wender, Orlando Carlos Belmonte
Kalil, Renato Abdala Karam
Gonzalez, J.
Hoppen, Gustavo
Barcellos, Christiano
Homsi-Neto, Abud
Prates, Paulo R.
Sant'Anna, João Ricardo Michielin
Nesralla, Ivo Abrahao
Resumo Objetivo Revisão da experiência com diversas técnicas de correção empregadas, nos últimos 20 anos, em crianças menores de um ano de idade. Métodos No período de 1978 a 1998, foram operados 148 pacientes (pc) consecutivos com coartação de aorta (CoAo) com até um ano de idade, com ou sem defeitos intracardíacos associados. A idade apresentou mediana de 50 dias, 92 pc do sexo feminino (62,1%). O peso foi de 4.367±1.897 gramas. O seguimento foi em média de 1.152±1.462 dias. A população foi dividida em 3 grupos: Grupo I, CoAo isolada: 74 pc (50%); Grupo II, CoAo e comunicação interventricular (CIV): 41 pacientes (27,7%) e Grupo III, CoAo com malformações complexas: 33 pc (22,3%). Resultados Mortalidade total foi 43 pc (29%): com menos de 30 dias, foi 53%, p=0,009, OR=4,5, entre 31 e 90 dias, foi 14,7%, p=0,69, e acima de 91 dias, 15%, p=0,004. A probabilidade de sobrevida atuarial de toda a população foi de 67% aos 5 e 10 anos. Trinta e seis pacientes (24,3%) recoartaram, dos quais 18 pacientes (50%) tinham menos de 30 dias, OR=6,35. A incidência de recoartação foi com a técnica de Waldhausen em 4 pacientes (10%) e com a término-terminal clássica em 19 pacientes (26%) p=0.03, e a istmoplastia em 6 pacientes (37,5%). A probabilidade de sobrevida atuarial livre de recoartação aos 5 e 10 anos foi de 69% com a técnica de Waldhausen e 63% com a técnica término-terminal clássica. Conclusão Pacientes com menos de 30 dias apresentaram risco aumentado de mortalidade e recoartação. A técnica de Waldhausen em pacientes com mais de 30 dias mostrou-se efetiva. A técnica términoterminal clássica mostrou não ser uma boa opção em todas as faixas etárias, sendo imperativo executar variantes técnicas como término-terminal estendida.
Abstract Objective A review of experience with techniques of correction used, in the last 20 years, in children younger than one year old. Methods In the period from 1978 to 1998, 148 patients (pt) with coarctation of the aorta (CoAo), under one year of age, with or without associated intracardiac defects, were submitted to surgery. Median age 50 days, 92 female pt (62.1%). The average weight was 4,367± 1,897 gr. The average follow-up was 1,152±1,462 days. The population was divided in 3 groups: Group I, isolated CoAo: 74 pt (50%); Group II, CoAo and interventricular communication (IVC): 41 pt (27.7%) and Group III, CoAo with complex intracardiac malformations: 33 pt (22.3%). Results The total mortality was of 43 patients (29%). In patients younger than 30 days, the mortality was 53%, p=0.009, DR=4.5, between 31 and 90 days, 14.7%, p=0.69, and over 91 days, 15%, p=0.004. The probability of actuarial survival of the whole population was 67% at 5 and 10 years. Thirty-six patients (24.3%) had recoarctation, from which 18 patients (50%) were younger than 30 days, DR=6.,35. The incidence of recoarctation was with Waldhausen technique in 4 patients (10%) and with the classic termino-terminal technique in 19 patients (26%) p=0.03, and isthmusplastic operation in 6 patients (37.5%). The patients younger than 30 days showed a relative risk for recoarctation de DR=6.35. The probability of actuarial survival, free of coarctation repair, at 5 and 10 years was of 69% with Waldhausen’s technique and 63% with the classic termino-terminal technique. Conclusion Patients younger than 30 days showed increased mortality and recoarctation risk. Waldhausen’s technique in patients older than 30 days showed effective. The classic termino-terminal technique did not show to be a good option in all age ranges, being imperative to carry out more radical technical variations, such as the extended termino-terminal.
Contido em Arquivos brasileiros de cardiologia. Vol. 85, n. 1 (jul. 2005), p. 51-56
Assunto Cirurgia cardiovascular : Historia
Cirurgia torácica
Crianca : Cuidados
[en] Aortic coarctation
[en] Children
[en] Heart surgery
Origem Nacional
Tipo Artigo de periódico
URI http://hdl.handle.net/10183/20138
Arquivos Descrição Formato
000514875.pdf (116.4Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.