Repositório Digital

A- A A+

“Jean Marie, o Brasil vai até o Chuí” : futebol e identidade "gaúcha" nas páginas da Folha Esportiva (1967-1972)

.

“Jean Marie, o Brasil vai até o Chuí” : futebol e identidade "gaúcha" nas páginas da Folha Esportiva (1967-1972)

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título “Jean Marie, o Brasil vai até o Chuí” : futebol e identidade "gaúcha" nas páginas da Folha Esportiva (1967-1972)
Autor Cardia, Rodrigo Catto de
Orientador Guazzelli, Cesar Augusto Barcellos
Data 2009
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Curso de História: Bacharelado.
Assunto Futebol
Identidade gaucha
Imprensa esportiva
Resumo O presente trabalho tem como objetivo analisar a construção pela imprensa de uma “identidade gaúcha” no Rio Grande do Sul através do futebol, no período de 1967 a 1972. Para tal, foram utilizados dois jornais da Empresa Jornalística Caldas Júnior: Folha da Tarde Esportiva (que circulou até novembro de 1969) e Folha da Manhã, que entrou em circulação incorporando a “Esportiva”, que se tornou um caderno com o nome de “Folha Esportiva” e mantendo os mesmos colunistas. Para a pesquisa, foram selecionados três eventos específicos. O primeiro, foram as duas primeiras participações de Grêmio e Internacional no Torneio Roberto Gomes Pedrosa (até 1966 restrito a clubes de São Paulo e Rio de Janeiro) nos anos de 1967 e 1968; o segundo foi a conquista da Copa do Mundo de 1970 pela Seleção Brasileira e o destaque dado a Everaldo, lateral do Grêmio e titular da Seleção; e o terceiro foi o episódio da não convocação do mesmo jogador, Everaldo, para disputar a Taça Independência em 1972, torneio comemorativo ao sesquicentenário da independência do Brasil. Foi observado que nos três momentos, a Folha da Tarde Esportiva – depois, Folha Esportiva – ressaltava a necessidade de “afirmação nacional” do futebol do Rio Grande do Sul. Mesmo que os clubes riograndenses não tivessem obtido o mesmo sucesso que os de Minas Gerais – considerado um Estado “equivalente” ao Rio Grande do Sul, por não pertencer ao chamado “centro”, ou seja, Rio de Janeiro e São Paulo – o “futebol gaúcho” já tivera uma grande conquista internacional, com a conquista do Campeonato Pan-Americano de 1956 no México por uma “Seleção Gaúcha”, representando o Brasil. Mesmo com os bons resultados iniciais de Grêmio e Internacional no Torneio Roberto Gomes Pedrosa – com o segundo obtendo dois vice-campeonatos nas duas primeiras participações – manteve-se presente nas opiniões dos colunistas a idéia de que o Estado era marginalizado, uma idéia que é parte da identidade riograndense, “periférica”. O que explica o destaque maior dado a Everaldo do que a Pelé, após a conquista da Copa do Mundo de 1970. E também as exaltadas opiniões que se verificaram quando Everaldo não foi convocado para a Seleção Brasileira para disputar a Taça Independência em 1972.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/21251
Arquivos Descrição Formato
000734004.pdf (810.3Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.