Repositório Digital

A- A A+

Efeito da exposição à poluição atmosférica em concentrações urbanas na função testicular de ratos wistar

.

Efeito da exposição à poluição atmosférica em concentrações urbanas na função testicular de ratos wistar

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Efeito da exposição à poluição atmosférica em concentrações urbanas na função testicular de ratos wistar
Autor Ribeiro, Eduardo Porto
Orientador Rhoden, Ernani Luis
Data 2010
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas.
Assunto Poluição do ar
Ratos Wistar
Testículo
Resumo Introdução: O objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos da exposição em níveis habituais de poluição atmosférica em um ambiente urbano na função testicular de ratos. Método: Vinte ratos Wistar foram randomicamente alocados, desde o período fetal, em duas câmaras de exposição, filtrada (grupo CF) e não filtrada (grupo CNF). As câmaras foram construídas perto de uma área de tráfego intenso, com uma concentração ambiente média de material particulado de até 2.5 nanômetros de diâmetro (PM2.5) de 22.1 μg/m3. Após 150 dias os ratos foram mortos por guilhotinamento e a massa testicular, o estresse oxidativo do homogeneizado testicular e a concentração de testosterona total sérica e intra-testicular foram aferidos. Além disto, uma avaliação histológica testicular qualitativa e quantitativa foi realizada. Para cada rato, 10 tubulos seminíferos arredondados consecutivos em ciclo VII-VIII da espermatogênese foram avaliados em relação aos seguintes parâmetros: diâmetro tubular médio; contagem celular histológica de espermátides redondas, paquítenos e células de Sertoli com nucléolo evidente; avaliação das proporções entre estes tipos celulares. Resultados: As massas testiculares absolutas (gm) foram menores no grupo CNF (1.86 ± 0.18 vs 1.64 ± 0.13; p < 0.01). As médias das testosteronas sérica (ng/dL) e intratesticular (ng/gm de testículo) foram 2.8 vezes maiores no grupo CNF (respectivamente, 208 ± 109 vs 577 ± 395; p = 0.02 e 26.6 ± 17.2 vs 106.3 ± 76.5; p = 0.01). Não houve diferença estatística entre os grupos CF e CNF em relação ao estresse oxidativo do homogeneizado testicular e aos desfechos histológicos avaliados. Conclusões: Ratos machos expostos à poluição atmosférica em concentrações de ambientes urbanos apresentam testículos com menor massa e concentrações séricas e intra-testiculares de testosterona total maiores que ratos respirando ar filtrado. A espermatogênese, avaliada por contagem celular histológica, não foi influenciada pela exposição a estes níveis de poluição atmosférica.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/23007
Arquivos Descrição Formato
000740954.pdf (918.2Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.