Repositório Digital

A- A A+

Associação entre distúrbios respiratórios do sono, estresse oxidativo e doença arterial coronariana

.

Associação entre distúrbios respiratórios do sono, estresse oxidativo e doença arterial coronariana

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Associação entre distúrbios respiratórios do sono, estresse oxidativo e doença arterial coronariana
Outro título Association among sleep disordered breathing, oxidative stress and coronary artery disease
Autor Klein, Cristini
Orientador Benfato, Mara da Silveira
Data 2010
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Biociências. Programa de Pós-Graduação em Biologia Celular e Molecular.
Assunto Doença da artéria coronariana
Estresse oxidativo
Síndromes da apnéia do sono
[en] Coronary artery disease
[en] Oxidative stress
[en] Sleep disordered breathing
Resumo TÍTULO: Associação entre Distúrbios Respiratórios do Sono, Estresse Oxidativo e Doença Arterial Coronariana. INTRODUÇÃO: Evidências sugerem associação entre a doença arterial coronariana (DAC) e os distúrbios respiratórios do sono (DRS), porém o mecanismo que explica essa associação é incerto. Episódios repetitivos de hipóxia e reoxigenação vivenciados pelos indivíduos com DRS levam ao aumento de espécies reativas de oxigênio (ERO). ERO no interior dos eritrócitos podem ser detoxificadas pelas enzimas antioxidantes glutationa peroxidase (GPx), catalase (CAT) e superóxido dismutase (SOD). Ainda no citoplasma as ERO podem ser detoxificadas pela vitamina C ou ácido úrico. O estresse oxidativo é caracterizado por um desequilíbrio entre os níveis de ERO e antioxidantes. Este desequilíbrio promove lesão oxidativa em biomoléculas, mecanismo este associado à fisiopatologia da DAC. OBJETIVOS: Verificar a relação entre o índice de apnéia hipopnéia (IAH) e a presença de DAC. Verificar a associação entre IAH, DAC e a atividade das enzimas antioxidantes: SOD, CAT, GPx e antioxidantes não enzimáticos, ácido úrico e vitamina C. Avaliar a relação entre IAH, DAC e os produtos de danos oxidativos em lipídios, proteínas. Entre os marcadores de estresse oxidativo identificar preditores para DAC. MATERIAIS E MÉTODOS: Estudo transversal. Entre junho de 2007 e maio de 2008 na Hemodinâmica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, triamos consecutivamente 519 indivíduos encaminhados para angiografia diagnóstica ou terapêutica. Incluímos 14 pacientes com DAC (≥ 50% diminuição do lúmen da coronária) e 30 controles com < 50% de obstrução. O IAH foi mensurado por meio de polissonografia portátil. Verificamos presença de DAC através da angiografia coronariana. A quantificação dos grupos carbonil no hemolisado e no plasma e as atividades das enzimas antioxidantes SOD, CAT e GPx foram verificadas por método espectrofotométrico. Mensuramos malondialdeído (MDA) e vitamina C por cromatografia líquida de alta eficiência. RESULTADOS: Este é o primeiro trabalho que evidencia correlação entre IAH e o aumento de carbonilação de proteínas eritrocitárias. Além disso, os resultados obtidos mostram que os indivíduos portadores de DAC apresentam níveis maiores de grupos carbonil no hemolisado quando comparados aos indivíduos controles. Em um modelo de regressão multivariado ajustado para idade, sexo e índice de massa corporal, buscando verificar preditores para DAC, verificamos que o aumento de uma unidade de carbonil aumenta 1,7% o risco para desenvolvimento de DAC, já uma unidade do IAH aumenta em 3,9% o risco de desenvolvimento de DAC. Não foi encontrada correlação entre IAH e os marcadores MDA, carbonil no plasma e os antioxidantes: SOD, CAT, GPx vitamina C e ácido úrico. Não verificamos correlação entre DAC e os marcadores MDA, carbonil no plasma e entre os antioxidantes SOD, CAT , GPx e ácido úrico. Pacientes com CAD significativa apresentaram níveis menores de vitamina C. Correlação positiva foi observada entre os níveis de vitamina C e a concentração de proteínas carboniladas no plasma. CONCLUSÃO: Foi evidenciado que a carbonilação de proteínas eritrocitárias e o IAH tem importância na fisiopatologia da DAC. Da mesma forma a vitamina C parece ter importância na prevenção da DAC.
Abstract INTRODUCTION: Evidences suggest association between Coronary Artery Disease (CAD) and Sleeping Disordered Breathing (SDB), however the mechanism is uncertain. Repetitive episodes of hypoxia and reoxygenation experienced by individuals with SDB lead to an increase of Reactive Oxygen Species (ROS). ROS inside the erythocytes may be scavenging by glutathione peroxidase antioxidants enzymes (GPx), catalase (CAT) and superoxide dismutase (SOD). In the cytoplasm ROS may be inhibited by vitamin C, or uric acid. Oxidative stress is characterized by an unbalance between ROS and antioxidants. These unbalance promotes oxidative damage in biomolecules, this mechanism is associated to the CAD physiopathology . OBJECTIVE: Verify the relation between apnea hypopnea index (AHI) and CAD. Verify association between AHI, CAD and antioxidants enzymes activity: SOD, CAT, GPx and non enzymatic antioxidants, uric acid, and vitamin C. Evalute the relation between AHI, CAD and oxidative damage products in lipids and proteins. Among the oxidative stress markers identify the predictors for CAD. MATERIALS AND METHODS: Cross sectional study. Between June and May 2008 in the hemodinamic ward of Clinicas Hospital of Porto Alegre, we consecutively screened 519 individuals sent for diagnostic or therapeutic angiography. We included 14 cases with CAD (≥ 50% narrowing of coronary lumen) and 30 controls with < 50% narrowing. The AHI was measured by portable polisomnography. We found the presence of CAD through coronary angiography. Carbonyl groups quantification in the hemolysed and plasma and antioxidants enzyme activities of SOD, CAT and GPx were verified by spectophotometric method. Malondyaldeyde (MDA) and vitamin C were measured by HPLC. RESULTS: This work is the first one that shows correlation between AHI and increased erythrocytes protein carbonylation. In the same way evidences that individuals with significant CAD compared to controls present higher levels of carbonyl groups in the hemolysates. In a multivaried regression model adjusted to age, gender and body mass index to verify predictors for CAD, we verified that the carbonyl unit increased 1.7% the risk for development of CAD, while one unit of IAH increased in 3.9% the risk to develop CAD. We did not find correlation between AHI and the markers MDA, plasma carbonyl and the antioxidants: SOD, CAT, GPx vitamin C and uric acid. We didn’t verify correlation between CAD and the markers MDA, plasma carbonyl and the others antioxidants SOD, CAT , GPx and uric acid. Patients with significant CAD had lower levels of vitamin C. Positive correlation was observed between vitamin C and erythrocyte carbonyl concentration. CONCLUSION: We evidenced that erythrocytes protein carbonylation and AHI are important in the physiopathology of CAD. In the same way vitamin C appears important factor in CAD prevention.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/24074
Arquivos Descrição Formato
000739700.pdf (823.0Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.