Repositório Digital

A- A A+

Atitudes da equipe assistencial em relação a doação de órgãos em hospitais de Porto Alegre

.

Atitudes da equipe assistencial em relação a doação de órgãos em hospitais de Porto Alegre

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Atitudes da equipe assistencial em relação a doação de órgãos em hospitais de Porto Alegre
Autor Vicari, Alessandra Rosa
Orientador Gonçalves, Luiz Felipe Santos
Data 2010
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas.
Assunto Atitude do pessoal de saúde
Equipe de assistência ao paciente
Hospitais
Obtenção de tecidos e órgãos
Porto Alegre (RS)
Resumo A disponibilidade e avanço nas técnicas cirúrgicas associado ao progresso na área imunológica e farmacológica (1, 2,15) tornaram o transplante de órgãos um tratamento realizado mundialmente em locais com diferenças sociais e culturais (4,5). O maior domínio no conhecimento desta terapia faz com ela possa ser oferecida atualmente para muitos pacientes. Conseqüentemente, o número de pacientes em lista de espera para transplante vem aumentando progressivamente e a realidade é uma demanda maior que a oferta, com aumento tanto no tempo de espera em lista como na mortalidade (4,32). Alguns estudos têm sido realizados para avaliar este problema e identificar os fatores que possam estar envolvidos no processo de doação de órgãos. As atitudes e opiniões de profissionais de saúde tem sido o objetivo de alguns desses estudos. A equipe médica e de enfermagem está envolvida em várias etapas do processo de doação de órgãos como na notificação de possíveis doadores e na abordagem familiar, com o fornecimento de informações claras e corretas que auxiliarão na tomada de decisão familiar. Conhecer as atitudes e opiniões destes profissionais em relação à doação de órgãos torna-se importante nesse processo. Profissionais com uma atitude positiva sentem-se mais confortáveis em realizar tarefas relacionadas ao processo de doação como abordagem da família e na comunicação de um potencial doador para a coordenação de transplantes, iniciando o processo de doação de órgãos (18). Por outro lado, uma atitude negativa pode influenciar na busca de potenciais doadores e na atitude de familiares (30). Este estudo teve como objetivo avaliar as atitudes e opiniões sobre a doação de órgãos, verificar se estas atitudes diferem entre hospitais público e privado e identificar fatores que determinam ou influenciam nas atitudes individuais para a doação de órgãos de profissionais da área médica e de enfermagem de dois hospitais que realizam transplantes na cidade de Porto Alegre - RS. O estudo foi realizado em dois hospitais com atividades em transplantes na cidade de Porto Alegre-RS sendo um hospital público e universitário e o outro privado. O estudo foi aprovado pelos comitês de ética em pesquisa das duas instituições. No período de junho a novembro de 2009 foram convidados a participar todos os profissionais auxiliares e técnicos de enfermagem, enfermeiros e médicos com vínculo nas instituições através do preenchimento de um questionário com 21 questões de múltipla escolha sobre dados demográficos, atitudes em relação à doação de órgãos e conhecimento sobre morte encefálica (ME). No hospital público o convite foi realizado por endereço eletrônico institucional de cada indivíduo e no hospital privado foi utilizada a página de acesso dos profissionais. As respostas foram direcionadas para um banco de dados e analisadas de forma anônima usando-se o programa Surveymonkey. Os resultados encontrados foram: não houve diferença significativa nas atitudes e opiniões em relação à doação de órgãos entre os hospitais. O número total de participantes foi 418. Quase toda a amostra 416(99,5%) foi a favor a doação e 351(84%) pretendiam doar seus órgãos após a morte. Não houve diferença significativa entre gênero, raça, idade e estado civil em relação ao desejo de doar. Alguns fatores foram relacionados a uma atitude positiva para a doação de órgãos: saber o conceito de ME está associado ao consentimento para a doação (99,4%VS 95,9 P= 0,029), pretender doador seus órgãos após a morte esta relacionado a autorização de doação de órgãos de um familiar (P<0,001) e ter informado a um familiar o desejo de ser doador (P<0,001). Houve uma tendência de que indivíduos que autorizariam a doação se soubessem o desejo do familiar, exercem atividades relacionadas a transplante de órgãos (98,8% VS 95,6% P=0,086). Profissionais com nível superior apresentaram uma atitude mais positiva em relação à autorização de doação de órgãos de um familiar se soubessem seu desejo do que auxiliares e técnicos de enfermagem (98,7%VS 91,1 P=0, 001) Em conclusão, os profissionais de saúde da área de enfermagem e médica têm uma atitude bastante favorável à doação de órgãos e estas atitudes não diferem de um hospital privado para público. Os fatores associados a uma atitude positiva para a doação foram o conhecimento sobre ME, a autorização de órgãos de um familiar e ter informado ao familiar o desejo de ser doador.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/24609
Arquivos Descrição Formato
000747726.pdf (255.2Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.