Repositório Digital

A- A A+

Descrição do comportamento da força do kite em relação ao seu posicionamento e ao deslocamento da barra de controle

.

Descrição do comportamento da força do kite em relação ao seu posicionamento e ao deslocamento da barra de controle

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Descrição do comportamento da força do kite em relação ao seu posicionamento e ao deslocamento da barra de controle
Autor Tremea, Victor Wigner
Orientador Loss, Jefferson Fagundes
Data 2010
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Educação Física. Curso de Educação Física: Licenciatura.
Assunto Esportes aquáticos
Kitesurfing
Resumo Introdução. No kitesurfing, o indivíduo utiliza a energia do vento – por meio de um kite (pipa) controlável – para deslizar com uma prancha sobre a água. Para isso, ele deve alterar o ângulo de ataque do kite. Essa mudança pode ser realizada de duas formas: (1) mudando o kite na janela de vento e (2) movimentando a barra de controle. Ambas as formas alteram a posição do kite em relação ao vento, o que, conseqüentemente, modifica a força que o kite produz. Ainda, nenhum estudo que descrevesse a força do kite em relação à janela de vento foi encontrado. A análise da força do kite pode vir a colaborar na evolução técnica do esporte e no desenvolvimento de equipamentos. Objetivo. Dessa forma, o objetivo desse estudo foi descrever o comportamento da força exercida pelo kite em relação ao seu posicionamento na janela de vento e à distância percorrida pela barra de controle. Métodos. A coleta dos dados foi realizada por meio de videogrametria com reconstrução tridimensional e dinamometria em terra. Um kite foi preso a uma célula de carga, a qual estava fixada a um ponto de ancoragem. Duas fitas reflexivas foram posicionadas nas extremidades da barra de controle e mais duas foram colocadas na linha do kite. Um praticante de kitesurfing experiente controlou o kite em duas situações (duas vezes em cada situação): (1) deslocando duas vezes a barra de controle para cima e para baixo e (2) o kite em movimento de oito na janela de vento, cinco vezes. Os dados cinemáticos filtrados foram usados para determinar a distância percorrida pelo ponto médio da barra de controle e o posicionamento do kite na janela de vento, o qual foi realizado por meio do cálculo de dois ângulos: (1) ângulo vertical, formado entre a linha do kite e o plano horizontal e (2) ângulo horizontal, formado entre a linha do kite e o plano vertical (que passa aproximadamente entre as câmeras). Os dados de força foram filtrados e sincronizados com os dados cinemáticos. Foram selecionados os dois pontos de maior e menor valores de força em cada oito, desses pontos foram calculadas as médias dos valores de força e dos ângulos vertical e horizontal. Resultados. (1) Durante os testes de deslocamento da barra os valores de força variaram entre 2,5 e 32 kgf, aumentando à medida que a barra de controle é abaixada e diminuindo a medida que a barra de controle sobe. (2) Os valores de força movimentando o kite dentro da janela de vento variaram entre 2,4 e 110,7 kgf. No teste 2a as médias dos valores máximos de força e de seus ângulos vertical e horizontal e dos valores mínimos de força e de seus ângulos vertical e horizontal foram, respectivamente: 83,1±17,6; 58,9±6,6; 20,0±8; 16,5±6; 73,7±6,1; 19,3±5,8. Enquanto que no teste 2b as médias dos valores máximos de força e de seus ângulos vertical e horizontal, e dos valores mínimos de força e de seus ângulos vertical e horizontal foram, respectivamente: 77,4±16,5; 19,5±11,8; 64,9±7,0; 18,9±6,3; 27,7±7,5 e 75,0±9,5. Além disso, a zona de força da janela de vento foi definida como a combinação de ângulos verticais menores que 65° com ângulos horizontais menores que 25°. Conclusão. (1) Os valores de força aumentam a medida que a barra de controle é abaixada. (2) Os resultados sugerem que o ângulo vertical exerce maior influencia sobre os valores de força quando o kite se desloca na janela de vento, e que os maiores valores de força ocorrem na combinação de ângulos verticais inferiores a 65° com nos ângulos horizontais inferiores a 25°.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/24909
Arquivos Descrição Formato
000750142.pdf (1.317Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.