Repositório Digital

A- A A+

Controle de Footrot em reanho ovino no estado do Rio Grande do Sul: uso de vacina autógena e resposta sorológica

.

Controle de Footrot em reanho ovino no estado do Rio Grande do Sul: uso de vacina autógena e resposta sorológica

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Controle de Footrot em reanho ovino no estado do Rio Grande do Sul: uso de vacina autógena e resposta sorológica
Autor Rodrigues, Paulo Ricardo Centeno
Orientador Ribeiro, Luiz Alberto Oliveira
Data 2010
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Veterinária. Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias.
Assunto Doença : Prevenção e controle
Foot-rot
Ovinos : Vacinas
Producao animal : Ruminantes
Sanidade animal
[en] Autogenous oil-adjuvant vaccine
[en] Footrot
[en] Sheep
[en] Vaccine reactions
Resumo O objetivo desta dissertação de mestrado foi avaliar a eficácia de uma vacina autógena no controle do footrot (FR) dos ovinos, para tanto foram desenvolvidos dois experimentos em duas propriedades rurais distintas, no Estado do Rio Grande do Sul (RS). O primeiro experimento foi conduzido em uma propriedade rural do município de Santiago, com um extenso histórico de surtos de footrot no rebanho ovino. Inicialmente foi colhido material infeccioso presente no rebanho para a produção de uma vacina autógena, posteriormente 347 ovelhas foram vacinadas (grupo V) com duas doses da vacina com 30 dias de intervalo, a dose foi 2 ml por via subcutânea. Desse grupo, 150 animais receberam a vacina na região axilar (grupo Va) e 197 animais receberam a vacina na região inguinal (grupo Vb). Um grupo de 75 ovelhas formou o grupo controle (grupo C) sem vacinação. Os dados mostraram que a prevalência do FR no grupo V que inicialmente era de 4%, sofreu uma redução para 2% na semana 23, chegando à zero na semana 30. No grupo C a prevalência de animais infectados foi de 6,7% no início do experimento, teve uma redução para 5,3% na semana 23 e ao final estava em 3,7%. Observou-se uma redução gradativa no número de ovinos infectados nos dois grupos, entretanto a eliminação seletiva ocorrida no grupo controle prejudicou a análise estatística dos dados. Amostras de sangue foram colhidas da jugular dos animais para verificar títulos de anticorpos aglutinantes contra o antígeno presente na propriedade em cinco ocasiões durante o experimento. Os resultados mostraram diferenças significativas (p<0,001) entre os títulos de anticorpos aglutinantes contra Dichelobacter nodosus no soro de ovinos vacinados e não vacinados durante o experimento. A análise das reações vacinais locais apontou a região inguinal como o melhor local para a aplicação da vacina com adjuvante oleoso por via subcutânea e também demonstrou uma relação direta entre a idade dos ovinos e o percentual de reações vacinais locais e a severidade dessas reações. Os resultados sugerem que a vacina autógena com adjuvante oleoso obteve sucesso no controle da doença. O segundo experimento foi conduzido em uma propriedade rural do município de Glorinha, com o objetivo de avaliar a resposta imunológica provocada por uma vacina monovalente e por uma vacina polivalente (7 sorogrupos) contra o FR. Trinta fêmeas ovinas, com idades variadas, foram divididas aleatoriamente em 3 grupos de 10 animais: grupo controle (C) que não foi vacinado, grupo vacinado com vacina monovalente (Vm) e grupo vacinado com vacina polivalente (Vp). Os ovinos vacinados receberam duas doses com quatro semanas de intervalo, a dose foi de 2 ml por via subcutânea na região inguinal. Amostras de sangue foram colhidas da jugular dos animais para verificar títulos de anticorpos aglutinantes contra o D. nodosus em quatro ocasiões durante o experimento. Os resultados mostraram diferenças significativas (p<0,001) entre os títulos médios geométricos (GMT) de anticorpos aglutinantes contra D. nodosus no soro de ovinos dos grupos Vm, Vp e C na quarta, sétima e 12ª semanas do experimento. Em relação aos títulos médios geométricos (GMT) entre os grupos Vm e Vp houve diferenças estatisticamente significativas na quarta e sétima semanas. A vacina monovalente induziu títulos de aglutininas superiores contra o D.nodosus em comparação com a vacina polivalente.
Abstract The objective of this work was to evaluate the efficacy of an autogenous vaccine in the control of footrot (FR) in sheep. Two field experimental works were carried on two different farms located in the State of Rio Grande do Sul (RS), Brazil. The first experiment was conducted on a farm in the municipality of Santiago, with a long history of FR outbreaks in their sheep flock. At beginning of the trail samples from FR infected sheep were collected for the production of an autogenous vaccine. Following 347 sheep were vaccinated (group V) with two doses of 2 ml subcutaneously vaccine 30 days apart. Of this group, 150 animals received the vaccine in the axillary region (group Va) and 197 animals received the vaccine in the inguinal region (group Vb). A group of 75 sheep formed the control group (group C) without vaccination. The data showed that the prevalence of FR in the group V initially 4%, was reduced to 2% at 23 weeks, reaching to zero at week 30. In the group C the prevalence of infected animals of 6.7% at the beginning of the experiment, was reduced to 5.3% at week 23, decreasing to 3.7%, at the end. There was a gradual reduction in the number of infected sheep in both groups, however the selective elimination occurred in the group C affected the statistical analysis. Blood samples were collected from the jugular vein of the animals to see evidence of agglutinating antibodies against the antigen present on the property on five occasions during the experiment. The results showed significant differences (p<0,001) between antibody titers against Dichelobacter nodosus in the serum of sheep vaccinated and not vaccinated during the experiment. The analysis of local vaccine reactions showed the inguinal region as the best place for the application subcutaneously oil-adjuvant vaccine and also demonstrated a direct relationship between the age of the sheep and the percentage of local vaccine reactions and the severity of these reactions. The results suggest that autogenous oil-adjuvant vaccine succeeded in controlling the disease. The second experiment was conducted on a farm in the municipality of Glorinha, in order to evaluate the immune response elicited by a monovalent and a polyvalent vaccine against FR, containing seven serogroups. Thirty ewes, of various ages were randomly divided into 3 groups of 10 animals each: control group (C) was not vaccinated, group vaccinated with monovalent vaccine (Vm) and the group vaccinated with polyvalent vaccine (Vp). The sheep were vaccinated with two doses of 2 ml subcutaneously in the inguinal region, four weeks apart. Blood samples were collected from the jugular vein of the animals to determine agglutination titers against D. nodosus in the beginning of the experiment (day zero) and in other three occasions, weeks 4, 7 and 12. The results showed significant differences (p<0,001) between the geometric mean titers (GMT) of antibodies against D. nodosus in the serum of sheep of groups Vm, Vp and group C in the fourth, seventh and 12th weeks of the experiment. For the geometric mean titers (GMT) between the groups Vm and Vp there was statistically significant differences in the fourth and the seventh weeks. The monovalent vaccine induced titers of higher against D. nodosus compared with the polyvalent vaccine.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/25022
Arquivos Descrição Formato
000751016.pdf (283.9Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.