Repositório Digital

A- A A+

Estimativa do número de afetados e manejo da leucemia mielóide crônica no estado do Rio Grande do Sul, Brasil

.

Estimativa do número de afetados e manejo da leucemia mielóide crônica no estado do Rio Grande do Sul, Brasil

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Estimativa do número de afetados e manejo da leucemia mielóide crônica no estado do Rio Grande do Sul, Brasil
Outro título Estimated number of individuals with chronic myeloid leukemia and overall survival in Rio Grande do Sul, Brazil
Autor Fassina, Katia Zanotelli
Orientador Silla, Lucia Mariano da Rocha
Data 2003
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas.
Assunto Leucemia mielogênica crônica BCR-ABL positiva
Sistema hematopoético
[en] Bone marrow transplantation
[en] Chronic myeloid leukemia
[en] Epidemiology
[en] Leukemia
Resumo A Leucemia Mielóide Crônica (LMC) é uma doença rara. No entanto, os avanços nas pesquisas básica e clínica nos últimos anos, colocaram a LMC em evidência sendo hoje uma neoplasia maligna potencialmente curável. O diagnóstico e tratamento desta doença são, no entanto, extremamente caros. Não havendo dados sistemáticos nem registros de incidência da LMC no Rio Grande do Sul ou no Brasil, o levantamento de dados baseado em registros dos centros de referência se justifica também para planejar ações em saúde. Entre 1996 e 2000, 276 casos foram diagnosticados. A estimativa de casos novos anuais foi de aproximadamente 0,6:100.000 habitantes, e a idade média no momento do diagnóstico foi 42 anos e 4 meses (±16 anos e 2 meses). Quanto ao tratamento e evolução destes pacientes, dos 257 avaliados, 56 (21,8%) foram submetidos ao transplante alogênico de medula óssea, com taxa de sobrevida em 5 anos de 75% e 27% para as fases crônica e acelerada/blástica, respectivamente. O tempo médio de sobrevida para os 257 pacientes foi de 47,7 meses (IC 43,3 - 52,1). Comparando ao relatado na literatura, encontramos um menor número anual de novos casos e também uma média de idade no diagnóstico mais baixa. Isto poderia ser explicado pela menor referência de idosos a serviços terciários de saúde. Para os pacientes transplantados, os resultados foram semelhantes aos relatados na literatura.
Abstract Although rare, the advances made in basic and clinical research throughout the last years have thrown a spotlight on CML. Diagnosis and treatment of CML is of high cost. Since there is no systematic data or information about the incidence of CML in Rio Grande do Sul or Brazil, the data obtained from reference centers serve to estimate the number of CML cases in our state to better plan health actions. Between 1996 and 2000, 276 cases were diagnosed. The annual estimate of new cases was approximately of 0,6:100,000 inhabitants, and the median age at diagnosis was 42 years and 4 months (±16 years and 2 months). The mean overall survival time for the 257 patients was 47,7 months (CI 43,3-52,1). That could be explained by the lack of referral for older patients. Regarding treatment and evolution, of the 257 valuable patients, 56 (21,8%) were submitted to allogeneic BMT with a five-year survival of 75% and 27% for chronic and accelerated/blastic phases, respectively. In conclusion, we found a lower estimated incidence and a lower median age at diagnosis. For the transplanted patients the results were similar to those reported in the literature.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/25117
Arquivos Descrição Formato
000751964.pdf (865.6Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.