Repositório Digital

A- A A+

A relação entre riqueza e felicidade : um estudo sobre o bem-estar econômico e o bem-estar subjetivo

.

A relação entre riqueza e felicidade : um estudo sobre o bem-estar econômico e o bem-estar subjetivo

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título A relação entre riqueza e felicidade : um estudo sobre o bem-estar econômico e o bem-estar subjetivo
Autor Becker, Marcos Schmeling
Orientador Monteiro, Sergio Marley Modesto
Data 2009
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Ciências Econômicas. Curso de Ciências Econômicas.
Assunto Bem-estar econômico
Economia comportamental
Felicidade
Riqueza
Teoria econômica
[en] Bounded rationality
[en] Happiness
[en] Subjective well-being
[en] Utility
[en] Wealth
Resumo A maximização da utilidade é o objetivo final de muitas teorias econômicas. O significado de utilidade, a partir de um certo momento na história do pensamento econômico, se confundiu com a noção de riqueza. O objetivo deste trabalho é verificar se a riqueza está correlacionada com a felicidade. A metodologia adotada compreende a análise de diversos trabalhos que relacionaram o nível de riqueza de uma pessoa ou nação com o respectivo nível de bem-estar subjetivo. Analisa-se a evolução do conceito de utilidade, com ênfase a partir do desenvolvimento da escola utilitarista. As dificuldades iniciais de mensuração e comparação do bem-estar subjetivo entre pessoas diferentes são superadas com a utilização de grupos de vários indivíduos. A hipótese da escolha racional é discutida e criticada pela sua inadequação e indeterminação. O trabalho verifica que pessoas ricas são, em média, mais felizes que pessoas pobres. Habitantes de países mais desenvolvidos economicamente são mais felizes do que habitantes de países mais pobres, porém a diferença diminui consideravelmente a partir de um certo grau de renda per capita. Observa-se que pessoas que enriquecem ao longo do tempo não possuem elevação no seu bem-estar subjetivo. Procura-se explicar o aparente paradoxo pela teoria das aspirações.
Abstract Utility maximization is the final objective of many economic theories. From a certain moment of the history of economic thought, the meaning of utility became confused with the notion of wealth. The objective of this work is to check if wealth is correlated with happiness. The methodology includes the analysis of several studies that linked o level of wealth of a person or a nation with the respective level of subjective well-being. The evolution of the concept of utility is analyzed with emphasis from the development of the utilitarian school. The initial difficulties of measurement and comparability of the subjective well-being betweeen different people are overcome with the utilizaiton of groups with several individuals. The hypothesis of rational choice is discussed and criticized for its inadequacy and indeterminacy. The analysis of the studies verifies that richer people are, in average, happier than poorer people. Inhabitants of economically developed countries are happier than inhabitants of poorer countries, but the difference is considerably diminished from a certain level of income per capita. It is observed that people who get rich over time do not get higher subjective wellbeing. This work seeks to explain the apparent paradox by the theory of aspirations.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/25402
Arquivos Descrição Formato
000738967.pdf (1.914Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.