Repositório Digital

A- A A+

A dinâmica prazer/sofrimento psíquico dos trabalhadores da enfermagem de uma unidade de emergência de um hospital público

.

A dinâmica prazer/sofrimento psíquico dos trabalhadores da enfermagem de uma unidade de emergência de um hospital público

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título A dinâmica prazer/sofrimento psíquico dos trabalhadores da enfermagem de uma unidade de emergência de um hospital público
Autor Beck, Fernanda Luz
Orientador Merlo, Alvaro Roberto Crespo
Data 2010
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Psicologia. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional.
Assunto Equipe de enfermagem
Prazer
Relações de trabalho
Serviço hospitalar de emergência
Sofrimento
Trabalho : Aspectos sociais
[en] Health worker
[en] Organization of work
[en] Psychodynamic of work
[en] Public health policies
[en] Work
Resumo Esta dissertação analisa a dinâmica do prazer/sofrimento dos trabalhadores da enfermagem na Unidade de Emergência (UE) do Hospital Público Cristo Redentor de Porto Alegre (HCR). A pesquisa, que fundamentou este estudo, foi desenvolvida através da psicodinâmica do trabalho com a participação de trabalhadores convidados aos encontros coletivos, para expressão, análise e interpretação dos efeitos da organização, dos processos e das relações estabelecidas no trabalho em relação à vivência do prazer/sofrimento. Os pressupostos da metodologia adotada possibilitaram a ampliação dos processos comunicacionais dos coletivos, mediante a circulação da palavra e a compreensão e interpretação da realidade desses trabalhadores, proporcionando uma análise intencional e mais precisa, das condições e dos processos de trabalho, para além de queixas, buscando identificar os processos de produção de saúde em seu ambiente laboral com todas as suas peculiaridades. Constata-se que a realidade do trabalho, em particular, o da enfermagem, determina modos de subjetivação, com suas peculiaridades, à medida em que o trabalhador tenta manter sua saúde mental em meio à complexidade de relações e ações específicas no desempenho de suas atribuições. Os trabalhadores da UE do HCR ao enfrentarem o contexto complexo para o exercício de suas atividades assistenciais, envolvem-se nas demandas por competências profissionais próprias aos cuidados dos usuários com traumas, em situação de emergência, com expectativa de procedimentos de qualidade e resolutividade, e também, submentem-se às condições materiais, institucionais e/ou organizacionais nem sempre favoráveis. Os trabalhadores da UE do HCR ao enfrentarem o contexto complexo para o exercício de suas atividades assistenciais, envolvem-se nas demandas por competências profissionais próprias aos cuidados dos usuários com traumas, em situação de emergência, com expectativa de procedimentos de qualidade e resolutividade, e também, submentem-se às condições materiais, institucionais e/ou organizacionais nem sempre favoráveis. Além da demanda do domínio de tecnologias de atuação nas equipes e atendimento dos usuários, aos trabalhadores, também é exigido novos modos de participação e condução dos processos num tempo/espaço institucional em que convivem modelos contraditórios de produção da saúde, o antigo e hegemônico, hospitalocêntrico, médico centrado e o proposto pelas diretrizes do SUS, reforçado pela PNH. O conflito entre esse modo de organização do trabalho e a subjetividade do trabalhador é gerador de sofrimento psíquico. Neste contexto é que, individual e em equipe, os trabalhadores refletem os efeitos ou ressentem os impactos sobre a sua saúde mental, provocando dor / sofrimento / doença. Ao identificar os fatores promotores de sofrimento, os trabalhadores constroem estratégias coletivas de defesa, eliminando, camuflando ou mesmo, minimizando-os. Tanto enfrentam as adversidades do seu trabalho, opondo-se, quanto fazem subsistir espaços de produção de prazer/saúde. A necessidade de se discorrer sobre saúde/doença - prazer/sofrimento vem assumindo diferentes conotações, acompanhadas e/ou regidas pelas configurações sociais, políticas e econômicas que dão sentido às diversas práticas laborais, desde criativas, engenhosas, prazerosas, quanto sofridas, alienantes, estressantes e adoecedoras. Todas, por sua vez, inscrevem-se na cultura e caracterizam, de alguma forma, o mal estar contemporâneo.
Abstract This thesis examines dynamics of pleasure/suffering of nursing workers from the Emergency Public Hospital Cristo Redentor of Porto Alegre. The search was developed through psychodynamic of work with participation of invited workers to the group meetings- to expression, analysis and interpretation of an organizing proposal, processes and established relationships at work in relation of experience of pleasure/suffering. That methodological assumption makes able the magnification of communicational processes of groups, under the circulation of words, understanding and real interpretation of their job, providing an analysis more specific and intentional to even make complaints of conditions and processes of work looking for identify the production health processes at their workplace with all peculiarities. Notes the reality of work, this case the nursing, determines subjective modes. The extent that worker tries to keep their mental health just on the middle of complexity of relations and specific actions in performing their duties. The workers of UE (Emergency Hospital) and HCR (Hospital Cristo Redentor) when they face a complex context to exercise their welfare activities getting involved in demands of their own professional competence being watched by trauma users, most of them in hard situation and hoping for good and quality assist, also, the workers has to face bad conditions like materials, institutional and organizational. Besides the demand from the field of performance technology teams and service to users and workers, also is required new ways of participation and conduction of proceedings at a time/space institutional which contradictory models of health production coexist, the ancient and hegemonic, „‟hospital centric‟‟, means a doctor focused and proposed by SUS (Unique System of Health) guidelines and supported by PNH. The conflict between the way of organization of work and subjectivity of worker is the cause of psychic suffering. At these same contexts the individual or group could consider effect about their own mental health, causing pain/suffering/illness. To identify what is causing such a pain, the worker has to build strategies and advocacy groups, deleting, hiding or minimizing that. They stand up to tribulation at their job being against even of pleasure/health production. The need to discourse about health/illness – pleasure/suffering has taking over different connotations ruled by social configurations, political and economic, which gives sense to many of workplace practical. Since it is such creative, ingenious, pleasurable, such it is at the same time alienating, stressful and sicken. All of them are introduced on culture and characterized, somehow, the contemporary malaise.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/26086
Arquivos Descrição Formato
000756539.pdf (555.2Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.