Repositório Digital

A- A A+

Respostas termorregulatórias de meninos púberes obesos e não-obesos durante pedalada no calor

.

Respostas termorregulatórias de meninos púberes obesos e não-obesos durante pedalada no calor

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Respostas termorregulatórias de meninos púberes obesos e não-obesos durante pedalada no calor
Autor Sehl, Paulo Lague
Orientador Meyer, Flavia
Data 2010
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Educação Física. Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano.
Assunto Criança
Fisiologia do exercício
Obesidade
Sudorese
[en] Obesity
[en] Pediatrics
[en] Physical exercise in the heat
[en] Sweating
[en] Thermoregulation
Resumo Estratégias de aclimatização ao calor e recomendações de segurança à saúde para crianças e jovens que se exercitam no calor são enfatizadas na literatura, devido principalmente à limitação da perda de calor pela sudorese, em comparação aos adultos; e acredita-se que, nos meninos obesos, essa resposta possa ser mais prejudicada. Aspectos relacionados à termorregulação e à sudorese, além de recomendações para a prática prolongada de exercícios no calor, em crianças e jovens, incluindo obesos, foram revisados na literatura; e um estudo experimental foi realizado. Objetivo: Comparar a temperatura retal (Tretal), a sudorese e a sensação subjetiva de calor (SSC) entre meninos púberes obesos e não-obesos que pedalam em uma similar intensidade relativa de esforço e na mesma condição ambiental. Métodos: No estudo experimental, meninos púberes fisicamente ativos foram alocados em dois grupos (obesos, n = 17; e não-obesos, n = 16). Ambos pedalaram dentro de uma câmara ambiental (35°C, 40-45% UR) por 30 min, a 50-60% do VO2pico; e, após 10 min de repouso, pedalaram até a exaustão (90% do VO2pico). A Tretal, a frequência cardíaca (FC), a sudorese, a taxa de percepção de esforço (TPE) e a SSC foram avaliadas durante os 30 min de pedalada; e a Tretal e a FC, durante a pedalada mais intensa. Resultados: O aumento da Tretal e da FC, assim como as respostas da sudorese foram similares entre os grupos, durante os 30 min de pedalada. A TPE foi maior nos obesos dos 25 aos 30 min de pedalada; e a SSC, durante os 30 min de pedalada. Obesos pedalaram intensamente (90% do VO2pico) por menos tempo que os não-obesos, e a ΔTretal foi maior nos não-obesos. Conclusão: A prescrição do exercício nas condições do protocolo seguido no presente estudo pode ser fisiologicamente segura para meninos púberes obesos fisicamente ativos e aclimatizados ao calor; mas não generalizadas a meninos obesos sedentários e/ou não-aclimatizados ao calor. O maior desconforto térmico dos meninos obesos ressalta a importância das mensurações subjetivas no auxílio à escolha da modalidade de exercício mais adequada para os meses do verão, o que pode prevenir riscos de doenças relacionadas ao calor.
Abstract Strategies of acclimatization to the heat and health safety recommendations for children and adolescents exercising in the heat are emphasized in the literature, particularly due to the limitation of heat loss through sweating as compared to adults; moreover, it is thought that this response may be impaired in obese children. Aspects relevant to thermoregulation and sweating, as well as recommendations for the prolonged practice of exercises in the heat by children and adolescents, including obese ones, were reviewed in the literature, and an experimental trial was performed. Aim: To compare the rectal temperature (Trect), sweat rate, and subjective sensation of heat (SSH) between obese and non-obese pubertal boys who cycled at a similar relative effort intensity and in the same environmental conditions. Methods: In the experimental trial, physically active pubertal boys were placed in two groups (obese, n = 17; and non-obese, n = 16). Both cycled inside an environmental chamber (35°C, 40-45% RH) for 30 min. at 50-60% VO2peak, rested for 10 min., and then cycled to exhaustion (90% VO2peak). Trect, heart rate (HR), sweat rate, rate of perceived exertion (RPE) and subjective sensation of heat (SSH) were assessed during the 30 min. of cycling; and Trect and HR during the most intense cycling. Results: The increase in Trect and HR as well as the sweating responses were similar between the groups during the 30-minute cycling. The RPE was greater in the obese at 25-30 minutes of cycling; and the SSH throughout the 30 minutes. The obese cycled intensely (90% VO2peak) for shorter than the non-obese, and Trect was greater in the non-obese. Conclusion: The prescription of exercise in the protocol conditions used in the present study may be physiologically safe for physically active, heat acclimated obese pubertal boys, but it cannot be generalized to obese boys who are sedentary and/or non-acclimated to the heat. The greatest thermal discomfort of obese boys highlights the importance of including subjective assessments in selecting the most suitable exercise modality for the summer months, which may avoid risks and prevent heat-related disorders.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/26497
Arquivos Descrição Formato
000759166.pdf (1.555Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.