Repositório Digital

A- A A+

Infâncias softs : bebês como corpo projeto

.

Infâncias softs : bebês como corpo projeto

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Infâncias softs : bebês como corpo projeto
Autor Borges, Camila Bettim
Orientador Cunha, Susana Rangel Vieira da
Data 2010
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação. Curso de Pedagogia: Licenciatura.
Assunto Corpo
Infância
Pedagogia
Visualidade
Resumo A partir dos Estudos da Cultura Visual e dos Estudos Culturais em Educação, este estudo investigativo questiona: Quais representações visuais de bebê são apresentadas nos artefatos culturas para a primeira infância? Como objetivos este trabalho buscou, realizar um levantamento dos corpos de bebês visibilizados nos artefatos visuais relacionados à primeira infância; entender como os bebês e suas infância(s) estão sendo narrados visualmente na contemporaneidade a partir dos artefatos culturais; investigar quais concepções de corpo infantil e de bebê futuras educadoras possuem e finalmente tecer relações entre estas concepções e as possíveis práticas pedagógicas que serão realizadas por elas. Utilizo conceitos como corpo, pedagogias da visualidade e infâncias para dar potência ao estudo investigativo. Participaram desta pesquisa, alunas do primeiro semestre do curso de Pedagogia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Por se tratar de uma pesquisa de caráter qualitativo, utilizei como técnica de investigação a discussão focalizada (Focus Group), mediada pela conversa entre as referidas participantes e a pesquisadora, visando uma reflexão acerca da temática. Como considerações parciais da investigação, percebo que nos artefatos relacionados à primeira infância há a recorrência do corpo infantil, caracterizado pela pele branca, bochechas rosadas, saudável, e adjetivado em grande parte pelas palavras: lindo e feliz. Destaco nesta análise, que os corpos que fogem deste padrão não são falados, mostrados ou apresentados, e tendem a figurar entre as ‗ausências infantis‘, podendo ser chamados os ‗outros da infância‘. Em relação, a percepção que futuras educadoras têm sobre o corpo infantil, vê-se que as mesmas em suas falas não se referem a outros corpos de bebês a não ser os apresentados nos artefatos e que quando pensam em corpo infantil, não vislumbram corpos de bebês, mas de crianças de faixa etária de três a cinco anos.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/27405
Arquivos Descrição Formato
000764442.pdf (2.212Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.