Repositório Digital

A- A A+

O efeito agudo de duas sessões de complex training no desempenho do salto vertical

.

O efeito agudo de duas sessões de complex training no desempenho do salto vertical

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título O efeito agudo de duas sessões de complex training no desempenho do salto vertical
Autor Carvalho, Felipe de Amorim
Orientador Pinto, Ronei Silveira
Data 2010
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Educação Física. Curso de Educação Física: Licenciatura.
Assunto Mulheres
Salto vertical
Treinamento de força
Resumo O salto vertical é um fator determinante para muitas atividades desportivas (voleibol, basquete, salto em altura, etc.). O treinamento pliométrico (que envolve o ciclo alongamento-encurtamento) é um dos métodos mais utilizados para desenvolver-se essa habilidade. Mais recentemente, alguns autores têm pesquisado um método de treinamento chamado de complex training (CT), que nada mais é do que a alternância entre exercícios de força de alta intensidade e exercícios pliométricos, similares biomecanicamente, série a série, na mesma sessão de treinamento. Poucos estudos sobre o CT foram encontrados e percebe-se que há uma falta de consenso na literatura quanto à correta utilização deste termo. O presente estudo investigou o efeito agudo de duas sessões de CT com diferentes volumes, uma com 90 saltos e outra com 60, sobre o desempenho do Salto com contra movimento (CMJ) com e sem o uso dos braços, imediatamente após a sessão de treinamento e após 24 e 48 horas, em sujeitos fisicamente ativos (N=5). Como não foi possível realizar um teste estatístico devido ao baixo número amostral final (N=5), não se pode afirmar, porém os resultados parecem indicar que os dois volumes provocaram quedas semelhantes no desempenho dos saltos e que estes valores continuavam abaixo dos valores de base, mesmo após 48 horas. Os valores médios da altura do CMJ com o auxílio dos braços foram reduzidos em 8,62 ± 5,36 % imediatamente após a sessão com volume de 60 saltos, 7,56 ± 2,31 % após um dia e 11,53 ± 8,65 % após dois dias. Já os valores médios da altura do CMJ sem o auxílio dos braços foram reduzidos em 7,94 ± 2,23 % imediatamente após a sessão com volume de 60 saltos, 11,73 ± 4,05 % após um dia e 7,06 ± 7,38 % após dois dias. Em média os valores da altura do CMJ com o uso dos braços reduziram em 8,15 ± 3,18 % imediatamente após a sessão com 90 saltos, 6,68 ± 4,12% após um dia e 4,91 ± 4,92% após dois dias. Já os valores médios da altura do CMJ sem o uso dos braços reduziram em média 8,34 ± 6,16 % imediatamente após a sessão com 90 saltos, 8,10 ± 5,18% após um dia e 5,97 ± 5,68% após dois dias. O desempenho nos saltos verticais apresentou alguma variabilidade e não foi de queda para todos os indivíduos, visto que alguns apresentaram valores maiores do que os de base após a realização das sessões ou após 24 ou 48 horas. Após a sessão com maior volume, parece que houve um maior número de indivíduos que apresentaram um aumento de desempenho em relação à sessão de volume menor. Mais estudos com um maior número de sujeitos são necessários para que se tenha um melhor entendimento do efeito do complex training e suas diferenças de volumes sobre o desempenho do salto vertical.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/27713
Arquivos Descrição Formato
000766474.pdf (1.100Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.