Repositório Digital

A- A A+

Comparação de sinais clínicos e fisiológicos de fadiga dos músculos respiratórios em indivíduos traqueostomizados em desmame da ventilação mecânica

.

Comparação de sinais clínicos e fisiológicos de fadiga dos músculos respiratórios em indivíduos traqueostomizados em desmame da ventilação mecânica

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Comparação de sinais clínicos e fisiológicos de fadiga dos músculos respiratórios em indivíduos traqueostomizados em desmame da ventilação mecânica
Autor Maia, Guilherme de Moraes
Orientador Meyer, Flavia
Co-orientador Franco Filho, Joao Wilney
Data 2010
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Educação Física. Curso de Educação Física: Licenciatura.
Assunto Fadiga
Lactato
Músculos respiratórios
Resumo A pesquisa teve como objetivos comparar os sinais clínicos e fisiológicos de fadiga dos músculos respiratórios em indivíduos traqueostomizados em desmame da ventilação mecânica. A amostra, composta de dez indivíduos traqueostomizados internados em uma unidade de terapia intensiva, apresentou idade média de 65,5 anos (18 a 88 anos), tempo médio de ventilação mecânica de 17,3 dias (nove a 36 dias) e patologias de etiologia neurológica predominantemente (90%). Diariamente, os indivíduos internados foram avaliados quanto às condições de desmame da ventilação mecânica. Naqueles indivíduos selecionados foi coletada uma gasometria arterial em ventilação mecânica para verificar a concentração de lactato sanguíneo em condições de repouso. Em seguida, foram submetidos a períodos de treinamento em ventilação espontânea conforme tolerância à fadiga, segundo critérios clínicos de avaliação de fadiga muscular respiratória observados à beira do leito (aumento da freqüência cardíaca, aumento da freqüência respiratória, uso de musculatura respiratória acessória, queda da saturação de oxigênio, entre outros). Quando observado algum sinal clínico de fadiga, foi coletada uma nova gasometria arterial para verificar a concentração de lactato sanguíneo em condições de esforço ventilatório e imediatamente depois colocado o indivíduo novamente em ventilação mecânica para descanso por um período mínimo de quatro horas. O treinamento foi repetido progressivamente até que o indivíduo tolerasse ventilar espontaneamente por 24 horas. Foram necessários 31 períodos de treinamento em ventilação espontânea, com tempo médio de 9,9 horas (1,5 a 24 horas), durante o desmame dos dez indivíduos selecionados. A concentração média de lactato em ventilação mecânica (repouso) foi de 1,45 mmol/L (0,6 a 3,5 mmol/L) enquanto em ventilação espontânea (esforço/fadiga) foi de 1,37 mmol/L (1,0 a 1,8 mmol/L). Os sinais clínicos de fadiga mais prevalente foram o aumento da freqüência respiratória e uso de musculatura respiratória acessória em 38,7% dos casos cada. Não foram detectadas alterações da concentração de lactato concomitantes à identificação de sinais clínicos de fadiga. Portanto, concluiu-se que os sinais clínicos de fadiga dos músculos respiratórios não coincidem com uma repercussão fisiológica representada pelo aumento da concentração de lactato no sangue.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/27722
Arquivos Descrição Formato
000766160.pdf (318.2Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.