Repositório Digital

A- A A+

Respostas cardiorrespiratórias máximas e submáximas de mulheres jovens na corrida em piscina funda

.

Respostas cardiorrespiratórias máximas e submáximas de mulheres jovens na corrida em piscina funda

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Respostas cardiorrespiratórias máximas e submáximas de mulheres jovens na corrida em piscina funda
Outro título Maximal and submaximal cardiorespiratory responses to the deep water running in young women
Autor Kanitz, Ana Carolina
Orientador Kruel, Luiz Fernando Martins
Data 2010
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Educação Física. Curso de Educação Física: Licenciatura.
Assunto Ambiente aquático
Exercício físico
[en] Aquatic exercise
[en] Heart rate
[en] Oxygen uptake
[en] Second ventilatory threshold
Resumo A corrida em piscina funda é um exercício que simula a corrida em terra, realizada sem o apoio dos pés no fundo da piscina e com o auxílio de um colete flutuador. De acordo com as características específicas dessa atividade, é importante adequá-la aos objetivos dos praticantes, estudando as suas diferentes respostas cardiorrespiratórias. Deste modo, o objetivo do presente estudo foi avaliar as respostas cardiorrespiratórias máximas e submáximas da corrida em piscina funda. A amostra desse estudo foi composta por 12 mulheres jovens com média de idade de 23,2 anos (± 1,9 anos), ambientadas ao meio líquido e isentas de problemas físicos. Todas realizaram um teste máximo de corrida em piscina funda sem deslocamento e um teste máximo de corrida em esteira no meio terrestre para avaliação da frequência cardíaca e do consumo de oxigênio máximos (FCmáx e VO2máx), e correspondentes ao primeiro (FCLV1 e VO2LV1) e ao segundo limiares ventilatórios (FCLV2 e VO2LV2). Além disso, compararam-se dois métodos de determinação do segundo limiar ventilatório (LV2): curva de Conconi (CC) e Curva da Ventilação (CV). As amostras também realizaram os testes submáximos de corrida em piscina funda com e sem deslocamento nas cadências 60, 80 e 100 bpm para avaliação da frequência cardíaca (FC), consumo de oxigênio (VO2), ventilação (Ve) e percepção de esforço (PE) nestas situações. Além disso, foi realizado o cálculo dos valores percentuais da FC e do VO2 das situações submáximas referentes as duas situações máximas. Para análise estatística foi utilizado teste T pareado, ANOVA de dois fatores para medidas repetidas com teste complementar de Bonferroni e teste de coeficiente de correlação intraclasse (ICC) (α=0,05). Os resultados demonstraram valores significativamente maiores para as variáveis FCmáx, VO2máx, FCLV1, VO2LV1, FCLV2 e VO2LV2 para o teste máximo realizado em esteira no meio terrestre em comparação ao teste máximo de corrida em piscina funda. Entre os métodos de determinação do LV2 não foram observadas diferenças significativas e foram observados valores de ICC fortes e significativos. Nas situações submáximas, as variáveis FC, VO2, Ve e PE aumentaram significativamente com o aumento da cadência de execução; e entre as formas de execução, foram encontrados valores significativamente maiores para a corrida em piscina funda realizada com deslocamento para as variáveis VO2, Ve e PE. Além disso, os percentuais da FC e do VO2 apresentaram valores significativamente maiores quando relativizados pelo teste máximo de corrida em piscina funda em comparação ao teste máximo em esteira. Concluímos que as variáveis cardiorrespiratórias no máximo esforço, no primeiro e no segundo limiar ventilatório são menores no teste máximo no meio aquático em comparação ao teste máximo em esteira. Além disso, não foram encontradas diferenças entre os métodos de determinação do LV2, demonstrando que a determinação a partir da CC parece ser um método bastante confiável e prático. Os resultados das variáveis submáximas indicam que o aumento da cadência e o deslocamento incrementam as respostas cardiorrespiratórias da corrida em piscina funda, resultado importante para adequar a prescrição dessa atividade com os objetivos dos praticantes. Além disso, a partir dos resultados dos percentuais de FC e VO2, sugerimos que para uma adequada prescrição da corrida em piscina funda sejam utilizados percentuais referentes ao teste máximo realizado com esta modalidade.
Abstract The deep water running is an exercise that simulates running on land, carried without the support of the feet at the bottom of the pool and with the aid of a float vest. According to the specific caractheristics of this activity is important to suit it conform to the goals of practitioners studying the different cardiorespiratory responses. Thus, the aim of the present study was to analyse the maximal and submaximal cardiorespiratory responses in deep water running. The study sample consisted of twelve young women (23.1 ± 1.9 years) that should be familiar with the aquatic environment and be free of physical disorders. All subjects performed a maximal deep water running test without displacement and maximal treadmill running test for the evaluation of maximal heart rate and oxygen uptake (HRmax and VO2max), and corresponding to the first (HRVT1 and VO2VT1) and to the second ventilatory thresholds (HRVT2 and VO2VT2). In addition, this study compared two methods for determining the ventilatory threshold (VT2): Conconi Curve (CC) and Ventilation Curve (VC). The young women also performed the submaximal deep water running test with and without displacement at different cadences (60, 80 and 100 bpm) for analyse the heart rate (HR), oxygen uptake (VO2), ventilation (Ve) and perceived exertion (PE) in these situations. Moreover, was calculated the percentage values of HR and VO2 in all submaximal situations relativized by the two maximal tests. The data were analyzed using paired t test, ANOVA two-way for repeated measures, Bonferroni post-hoc and intraclass correlation coefficient test (ICC) (α = 0.05). The results showed significantly greater values for the variables HRmax, VO2max, FCVT1, VO2VT1, FCVT2 and VO2VT2 in the test performed on a treadmill compared to the deep water running test. Between the methods of determining the VT2 no significant differences were found and the ICC values were high and significant for all variables. In submaximal situations, the variables HR, VO2, Ve and PE increased significantly with increases in cadence; and among the forms of execution, the VO2, Ve and PE variables were significantly higher for the deep water running with displacement. Moreover, the HR and VO2 percentage were significantly greater when relativized by the maximal deep water running than the maximal treadmill test. It can be concluded that the cardiorespiratory variables at maximal effort, at the first and the second ventilatory threshold are lower in maximal test in the aquatic environment than on land environment. Furthermore, no differences were found between the methods for determining the VT2, showing that the determination from the CC seems to be a very reliable and practical method. The results of the submaximal cardiorespiratory responses indicate that the increases in cadence and the displacement enhance the cardiorespiratory responses in the deep water running and this is an important result for adapt the prescription of this activity with the practitioner´s aims. Moreover, from the results of the HR and VO2 percentage we suggest a suitable prescription for the deep water running are used percentage for the maximal test performed with this modality.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/27725
Arquivos Descrição Formato
000766274.pdf (692.2Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.