Repositório Digital

A- A A+

Déficit bilateral na extensão de joelhos em teste isocinético dinâmico e isométrico

.

Déficit bilateral na extensão de joelhos em teste isocinético dinâmico e isométrico

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Déficit bilateral na extensão de joelhos em teste isocinético dinâmico e isométrico
Autor Botton, Cíntia Ehlers
Orientador Pinto, Ronei Silveira
Data 2010
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Educação Física. Curso de Educação Física: Licenciatura.
Assunto Eletromiografia
Joelho
Treinamento de força
Resumo Referente relativamente à lateralidade, os exercícios que compõem um programa de treino de força podem ser executados de modo unilateral (exercício realizado com um membro de cada vez) ou bilateral (exercício realizado com os membros homólogos simultaneamente). Vários estudos reportam que a soma das cargas máximas, de ambos os membros, na contração unilateral se mostra superior à carga máxima realizada em contração bilateral. Esse fenômeno é denominado déficit bilateral. Desta forma, o objetivo deste estudo foi avaliar a magnitude do déficit bilateral nas duas formas de execução, isométrica e dinâmica, por meio da produção de força e atividade elétrica, no movimento de extensão de joelhos. Para isso foram recrutados seis homens jovens, destreinados em força, que tiveram seu pico de torque (PT) e atividade elétrica (sinal EMG) mensurados em teste isométrico e dinâmico, para as condições: unilateral e bilateral. Os resultados encontrados reportam valores de déficit bilateral na produção de força de -10,6±6,2%, na condição dinâmica, e de -7,2±5,6%, na condição isométrica. Já para os valores de déficit bilateral do sinal EMG foi encontrado déficit de -4,4±5,7 %, na condição dinâmica, e de -6,9±8,6%, na condição isométrica. Devido ao pequeno “n” amostral, até o presente momento, não foi utilizada estatística inferencial para verificar se há diferença significativa entre as condições. No entanto, é possível que os valores de PT unilateral, dinâmico e isométrico, sejam significativamente maiores que os valores de PT bilateral, reportando presença do déficit bilateral. A possível existência de déficit poderia ser explicada pela redução da ativação neural em condição bilateral caso os valores de sinal EMG bilateral sejam significativamente menores que os da condição unilateral, mostrando uma relação linear de queda entre a força e o sinal EMG nessa condição. Contudo, conclusões ainda não devem ser feitas no intuito de comparar as diferentes situações, uma vez que não foram feitos testes estatísticos inferenciais.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/27774
Arquivos Descrição Formato
000766341.pdf (297.6Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.